Olavo d'Eça Leal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Olavo d'Eça Leal
Nascimento 31 de julho de 1908
Lisboa, Portugal
Morte 17 de setembro de 1976 (68 anos)
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Escritor
Prémios Prémio Maria Amália Vaz de Carvalho (Literatura Infantil) (1939)

Olavo Correia Leite d' Eça Leal (Lisboa, 31 de julho de 1908 — 17 de setembro de 1976) foi um escritor português.

Frequentou o Colégio Militar.[1]

Na sua obra inclui a poesia a ficção, as artes plásticas, o teatro radiofónico e o cinema. Pai do escritor Paulo Guilherme d'Eça Leal. [2] Colaborou na revista Contemporânea (1915-1926).[3]

A Câmara Municipal de Lisboa prestou-lhe homenagem ao atribuir o seu nome a um arruamento de Lisboa, situado na freguesia de São Domingos de Benfica.[4]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Provérbios (1928);
  • A História de Portugal para os Meninos Preguiçosos (1933);
  • Fim de Semana (1940);
  • Falar por Falar (1943);
  • Nem Tudo Se Perde no Ar (1946);
  • O Processo arquivado e outras novelas (1948)
  • A Taça de Ouro (1953)
  • O Amor, o Dinheiro e a Morte (1960).

Escreveu ainda História extraordinária de Iratan e Iracema, os meninos mais malcriados do mundo (1939), uma obra de literatura infantil. Com esta obra venceu o Prémio Maria Amália Vaz de Carvalho (Literatura Infantil) de 1939.

Referências

  1. Meninos da Luz – Quem é Quem II. Lisboa: Associação dos Antigos Alunos do Colégio Militar. 2008. ISBN 989-8024-00-3 
  2. http://www.infopedia.pt/$olavo-d'eca-leal
  3. Contemporânea
  4. Comissão Municipal de Toponímia, Toponimia lx Olavo d'Eça Leal, Dezembro de 2004.