Oliver Russell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Muito Honorável
O Lorde Ampthill
Oliver Russell, 2º Barão Ampthill
Vice-rei da Índia (interino)
Período 30 de abril de 1904
13 de dezembro de 1904
Antecessor(a) George Curzon, 1.° Marquês Curzon de Kedleston
Sucessor(a) George Curzon, 1.° Marquês Curzon de Kedleston
Governador de Madras
Período 15 de outubro de 1900
30 de abril de 1904
Período 13 de dezembro de 1904
15 de fevereiro de 1906
Dados pessoais
Nascimento 19 de fevereiro de 1869
Roma, Itália
Morte 7 de julho de 1935 (66 anos)
Londres
Nacionalidade  Reino Unido
Progenitores Pai: Odo Russell, 1º Barão Ampthill
Alma mater Eton College
New College
Cônjuge Margaret Lygon; 5 filhos
Religião cristão
Ocupação Político
Serviço militar
Serviço/ramo Exército Britânico
Batalhas/guerras Primeira Guerra Mundial

Arthur Oliver Villiers Russell, 2º Barão Ampthill, GCSI, GCIE, DL, JP (Roma, 19 de fevereiro de 1869 – Londres,[1] 7 de julho de 1935) foi um nobre britânico, atleta de remo e administrador, que serviu como Governador de Madras de outubro de 1900 até fevereiro de 1906 e atuou como Vice-rei da Índia de abril a dezembro de 1904.

Russell serviu como Secretário Adjunto Particular para Joseph Chamberlain de 1895 a 1897 e, em seguida, como Secretário Particular de 1897 a 1900, quando foi nomeado Governador de Madras. Russell também serviu como vice-rei da Índia, de abril a dezembro de 1904, quando Lorde Curzon foi reeleito para um segundo mandato.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Oliver Russell, nasceu em Roma, filho mais velho do 1º Barão Ampthill e de Emily Theresa (Villiers), dama de companhia da Rainha Vitória e filha do 4º Conde de Clarendon. Foi educado em Chignell e Eton e se formou em New College, Oxford, em 1898, com honras de terceira classe na história moderna.[2]

Política[editar | editar código-fonte]

Em 1895, Russell foi nomeado Secretário Assistente do Secretário Colonial Joseph Chamberlain e promovido a Secretário Particular em 1897.[3]

Este último posto nunca se tornou permanente, e Russell se viu cada vez mais envolvido com os cidadãos indianos e com os nativos do sul e leste da África, e em desacordo com o Governo britânico. Durante a guerra de 1914–1918, Lorde Ampthill comandou um batalhão do regimento de Leicestershire e dois do regimento de Bedfordshire, na França.[2]

Governador de Madras[editar | editar código-fonte]

Um retrato de Lorde Ampthill, de 1905, feito por Ravi Varma.

Russell foi nomeado Governador de Madras em 5 de setembro de 1900.[4] Aos trinta e um anos de idade, Russell foi o mais jovem a tornar-se governador de Madras. Russell serviu de 1900 a 1906, seu mandato quase coincidiu com o de George Curzon, 1.° Marquês Curzon de Kedleston como vice-rei da Índia. Como governador, inaugurou o Instituto do Rei em Madras. Russell também inaugurou a Cochin State Forest Tramway em 3 de outubro de 1905.[5] Em 4 de dezembro de 1903, inaugurou o Rangaraya Medical College em Kakinada.[2]

Durante o mandato de Russell, o Movimento Oriya para a criação de uma província separada de Orissa ganhou força. Porém, Russell, como governador de Madras, era duramente contra às demandas de separação dos distritos de Vizagapatam e Ganjam, de população de língua oriya, de Madras.[2]

Vice-rei da Índia[editar | editar código-fonte]

Quando o mandato de Lorde Curzon chegou ao fim em 1904, Russell foi escolhido para atuar como vice-rei da Índia até a nomeação de um novo vice-rei. Russell serviu de abril a dezembro de 1904 como vice-rei da Índia.[3] Durante seu mandato, os proponentes de uma província separada de Orissa apresentaram uma petição com essa intenção para Russell. Porém, Russell rejeitou todos os pedidos para a criação de uma província separada de Orissa, que incluía nela áreas da Presidência de Madras.[2]

Como vice-rei, Russell foi leal a Curzon e com sucesso rebateu os esforços de St John Brodrick, 1º Conde de Midleton, o Secretário de Estado para a Índia, que queria introduzir políticas anti-Curzon. No entanto, ele não teve sucesso contra o Lorde Kitchener, que aumentou sua influência sobre o departamento militar.[2]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Ao retornar para a Inglaterra em 1906, Russell assumiu a causa dos indianos que viviam na África do Sul. Presidiu um comitê consultivo sobre estudantes indianos no Reino Unido, mas discordou do Secretário de Estado para a Índia, John Morley, sobre a questão das reformas constitucionais. Em 1909, Russell escreveu uma introdução para o livro de Joseph Doke M. K. Gandhi: an Indian Patriot in South Africa.[2]

Em 13 de julho de 1909, Lorde Ampthill foi nomeado Deputy Lieutenant de Bedfordshire.[6] Participou da Primeira Guerra Mundial, durante a qual foi duas vezes mencionado nos despachos, e foi um dos fundadores do Partido Nacional em 1917. Aposentou-se do serviço em 1926 com o posto de coronel.[2]

Lorde Ampthill morreu de pneumonia em 7 de julho de 1935.[2]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 6 de outubro de 1894, Ampthill casou com Margaret Lygon, filha do 6º Conde Beauchamp em Madresfield, Worcestershire e tiveram cinco filhos:

  • John Russell, 3º Barão Ampthill (1896-1973)
  • Sir Guy Russell (1898-1977)
  • Phyllis Margaret Russell, OBE (3 de junho de 1900 - ca. 24 de maio de 1998)
  • Edward Wriothesley Curzon Russell, OBE (2 de junho de 1901 - 1982).
    casou com a Baronesa Barbara Korff
  • Leopold Oliver Russell, CBE, TD (26 de janeiro de 1907 - 1988)

Foi sucedido no baronato por seu filho mais velho, John Russell.[2]

Esporte do remo[editar | editar código-fonte]

Caricatura de Oliver Russell como presidente do Oxford University Boat Club

Lorde Ampthill começou a praticar remo em Eton. Seu recorde no remo foi um dos mais longos do seu tempo em Eton.[7]

Enquanto frequentou o New College, Oxford, Ampthill competiu por Oxford três vezes contra Cambridge na regata de barcos (de 1889 a 1891), vencendo duas vezes.[8] Foi presidente do OUBC[9] e do Oxford Union em 1891.

Depois de Oxford, praticou remo no Leander Club por um tempo curto, em seguida, transferiu-se para o Londres Rowing Club, tornando-se presidente do clube em 1893,[10] cargo que ocupou por quase quarenta anos, até sua morte em 1935.[2]

Comitê Olímpico Internacional[editar | editar código-fonte]

Entre 1894 e 1898, Lorde Ampthill foi membro do original Comitê Olímpico Internacional.[2]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Russell recebeu a insígnia de Grande Cavaleiro Comandante em 28 de dezembro de 1900, pouco antes de sua partida para a Índia e a de GCSI em 2 de setembro de 1904.[2]

Notas

  1. de Pas, Leo van (28 de julho de 1997). «Arthur Oliver Villiers Russell 2nd Baron Ampthill». Leo's Genealogics Website 
  2. a b c d e f g h i j k l m The Rowers of Vanity Fair/Ampthill Lord (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  3. a b Mountstuart Elphinstone Grant Duff. «Ampthill, Odo William Leopold Russell, 1st Baron». In: Hugh Chisholm. Encyclopædia Britannica (em inglês). 1 1911 ed. Cambridge: Cambridge University Press. p. 894 
  4. «New Governor of Madras». The New York Times. 6 de setembro de 1900 
  5. «A Journal of the Cochin State Forest Tramway» 
  6. LondonGazette (20 de julho de 1909). «edição 28272». p. 5541 
  7. Eric Parker, Eton in the 'eighties, 1914, p. 92
  8. Conjeeveram Hayavadana Rao. «Ampthill, Arthur Oliver Villiers Russell». In: Mysore Economic Journal;. The Indian Biographical Dictionary (em inglês) 1915 ed. Madras: Pillar & Co. p. 11 
  9. Gordon Ross, The Boat Race, 1957
  10. Chris Dodd, Water Boiling Aft, London Rowing Club the first 150 years, 2006, p. 104

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Cargos de governo
Precedido por
James Thomson
Governador de Madras
1900–1906
Sucedido por
Sir Gabriel Stokes (interino)
Precedido por
O Lorde Curzon
Vice-rei da Índia, interino
1904
Sucedido por
O Lorde Curzon
Títulos de nobreza
Precedido por
Odo Russell
Barão Ampthill
1884–1935
Sucedido por
John Russell
Cargos massônicos
Precedido por
O Conde Amherst
Pro Grão-mestre da
Grã Loja Unida da Inglaterra

1908–1935
Sucedido por
Conde de Harewood