Omicron Coronae Borealis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
ο Coronae Borealis
Dados observacionais (J2000)
Constelação Corona Borealis
Asc. reta 15h 20m 08,56s[1]
Declinação +29° 36′ 58,35″[1]
Magnitude aparente 5,51[1]
Características
Tipo espectral K0III[1]
Cor (U-B) 0,77[1]
Cor (B-V) 1,02[1]
Variabilidade variável suspeita[2]
Astrometria
Velocidade radial -54,15 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -118,05 mas/a[3]
Mov. próprio (DEC) -42,81 mas/a[3]
Paralaxe 11,7660 ± 0,0764 mas[3]
Distância 277,20 ± 1,80 anos-luz
84,99 ± 0,55 pc
Magnitude absoluta 0,84 (visual)
0,48 (bolométrica)[4]
Detalhes[4]
Massa 2,13+0,01
−0,23
M
Raio 10,5 ± 0,7 R
Gravidade superficial log g = 2,34 ±0,06 cgs
Luminosidade 51,2 L
Temperatura 4749 ± 20 K
Metalicidade [Fe/H] = −0,29 ± 0,03
Rotação v sin i = 2,30 km/s
Outras denominações
ο Coronae Borealis, 1 Coronae Borealis, BD+30 2647, HR 5709, HD 136512, HIP 75049, SAO 83768.[1]
Omicron Coronae Borealis
Corona borealis constellation map.png

Omicron Coronae Borealis (o Coronae Borealis, o CrB) é uma estrela na constelação de Corona Borealis. É uma estrela pouco brilhante mas visível a olho nu em céus escuros com uma magnitude aparente visual de 5,51.[1] Sua paralaxe medida pela sonda Gaia é de 11,78 mas, correspondendo a uma distância de 277 anos-luz (85 parsecs) da Terra.[3] Sua magnitude absoluta é igual a 0,84.[4]

Esta estrela é uma gigante de classe K com um tipo espectral de K0 III,[1] indicando que é uma estrela evoluída que esgotou o hidrogênio em seu núcleo e abandonou a sequência principal. Sua massa é incerta; modelos evolucionários diversos já estimaram massas entre 1,07 M[5] e 2,13 M.[4] Omicron Coronae Borealis expandiu-se para um raio de 10,5 vezes o raio solar e está irradiando 50 vezes a luminosidade solar de sua fotosfera a uma temperatura efetiva de 4 750 K. Possui uma baixa metalicidade, com uma abundância de ferro equivalente a metade da solar.[4] É uma possível estrela variável que varia entre magnitude 5,51 e 5,55.[2] Não possui estrelas companheiras conhecidas.[6]

Em 2012 foi descoberto um planeta extrassolar massivo orbitando Omicron Coronae Borealis com um período de 188 dias e excentricidade de 0,19. Sua detecção foi feita por espectroscopia Doppler, que consiste em detectar variações periódicas na velocidade radial de uma estrela causadas pela gravidade de um objeto em órbita. Com base em uma massa estelar de 2,13 M, é calculado que o planeta tenha uma massa mínima de 1,5 vezes a massa de Júpiter e um semieixo maior de 0,83 UA.[4] Assumindo uma massa estelar de 1,07 M, a massa do planeta diminui para 0,65 MJ.[5]

O sistema Omicron Coronae Borealis [4]
Planeta Massa Semieixo maior
(UA)
Período orbital
(dias)
Excentricidade
b >1,5 MJ 0,83 187,83 ± 0,54 0,191 ± 0,085

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j «* omi CrB -- High proper-motion Star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 17 de dezembro de 2017. 
  2. a b Samus, N. N.; Durlevich, O. V.; et al. (janeiro de 2009). «VizieR Online Data Catalog: General Catalogue of Variable Stars (Samus+ 2007-2013)». VizieR On-line Data Catalog: B/gcvs. Bibcode:2009yCat....102025S 
  3. a b c d Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. 616: A1, 22 pp. Bibcode:2018A&A...616A...1G. arXiv:1804.09365Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  4. a b c d e f g Sato, Bun'ei; et al. (dezembro de 2012). «Substellar Companions to Seven Evolved Intermediate-Mass Stars». Publications of the Astronomical Society of Japan. 64 (6): artigo 135, 14 pp. Bibcode:2012PASJ...64..135S. doi:10.1093/pasj/64.6.135 
  5. a b Sousa, S. G.; et al. (abril de 2015). «Homogeneous spectroscopic parameters for bright planet host stars from the northern hemisphere . The impact on stellar and planetary mass». Astronomy & Astrophysics. 576: A94, 8 pp. Bibcode:2015A&A...576A..94S. doi:10.1051/0004-6361/201425227 
  6. Eggleton, P. P.; Tokovinin, A. A. (setembro de 2008). «A catalogue of multiplicity among bright stellar systems». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 389 (2): pp. 869-879. Bibcode:2008MNRAS.389..869E. doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13596.x 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • omi CrB The Extrasolar Planets Encyclopaedia