Pedro Armengol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pedro Armengol
Estátua.
Padre
Nascimento Guardia dels Prats, Tarragona, Coroa de Aragão 
c. 1238
Morte Tarragona, Coroa de Aragão 
27 de abril de 1304 (66 anos)
Beatificação 28 de março de 1686
Basílica de São Pedro
por Papa Inocêncio XI
Canonização 8 de abril de 1687
Basílica de São Pedro
por Papa Inocêncio XI
Atribuições Hábito mercedário

Corda Palma do martírio

Gloriole.svg Portal dos Santos

Pedro Armengol (c. 1238 - 27 de abril de 1304), nascido Pedro Armengol Rocafort, era um católico espanhol de origem nobre e foi ladrão durante sua adolescência. Ele se tornou um membro professo dos Mercedários depois que experimentou uma conversão repentina e se dedicou a libertar os Cristãos perseguidos dos Mouros.[1]

Armengol é mais conhecido por ter sido enforcado enquanto era prisioneiro dos mouros, mas sobreviveu à tentativa de assassinato.[2]

Ele foi canonizado como santo em 8 de abril de 1687, depois que o Papa Inocêncio XI aprovou sua santidade e seu "culto" de longa data - ou devoção.

Vida[editar | editar código-fonte]

Quadro de Vicente Carducho retratando o enforcamento de São Pedro Armengol e a intervenção de Nossa Senhora

Pedro Armengol Rocafort nasceu em Tarragona em 1238, filho do nobre Arnau Armengol Rocafort.[1]

Ele se tornou muito orgulhoso e competitivo e também tinha força de vontade quando adolescente, período em que se tornou um ladrão e formou um grupo coeso de bandidos tendo ele mesmo como líder. Em 1258, Jaime I de Aragão viajou para Montpellier de Valência, onde o pai de Armengol era um soldado da comitiva. Os bandidos de Armengol colidiram com os soldados e pai e filho logo foram reconhecidos durante a escaramuça. Armengol se rendeu em lágrimas ao perceber. Em Barcelona, ele apelou pelo perdão de Jaime I - embora a intervenção de seu pai o tenha concedido.[1][2][3][4]

Seu período de reflexão na prisão causou uma repentina conversão religiosa dentro dele e ele decidiu se tornar um religioso professo. Ele se tornou um membro dos mercedários em 1258[1] e se dedicou a ajudar os cristãos perseguidos a libertá-los dos mouros. Em 1261 com William de Bas ele foi enviado para Murcia e libertou 213 cativos dos árabes e em 1262 foi para Granada com Fr. Bernardo de San Romano em que a dupla libertou 202 prisioneiros. Armengol também foi para Argel em 1264 para a mesma missão e também foi para Trangier e Orã.[2]

Em 1266 ele e Guilherme de Bas foram para Bugia para libertar 18 cativos, mas ele foi detido (visto que queria ocupar o lugar daqueles presos) e condenado à forca. Ele suportou muitas torturas antes de ser enforcado. O irmão William, de coração partido, procurou os restos mortais de seu amigo para encontrá-lo vivo. Ele foi enforcado, mas a Mãe Santíssima veio em seu auxílio com a ajuda dos anjos e o impediu de ser morto.[2] Guilherme chegou com um resgate, mas foi informado que não seria aceito porque Armengol fora enforcado. William o encontrou não muito depois de ainda estar vivo e o libertou. Armengol contou-lhe sobre a visão que teve e sobre seus salvadores. No entanto, a tentativa de execução teria um impacto duradouro em Armengol: deixou seu pescoço torcido e seu rosto tornou-se bastante abatido. A dupla usou o resgate para comprar a liberdade dos cativos e viajou de volta para a Catalunha.[1][3]

Armengol morreu em 27 de abril de 1304. Em 1646, a igreja em que ele foi enterrado foi queimada, mas seus restos mortais não foram danificados. Pequenas modificações em sua tumba foram feitas em 1653.[1]

Santidade[editar | editar código-fonte]

Túmulo

Em 28 de março de 1686, ele foi beatificado depois que o Papa Inocêncio XI aprovou seu antigo "culto" (devoção) e mais tarde o canonizou como santo em 8 de abril de 1687. O Papa Bento XIV fixou sua festa como sendo em 27 de abril - a data de sua morte - mas ela foi transferida em 1969 para 26 de abril devido à reforma do Calendário Romano Geral.

Referências

  1. a b c d e f «Blessed Peter Armengol». Saints SQPN. 11 de agosto de 2015. Consultado em 8 de abril de 2016 
  2. a b c d «Bl. Peter Armengol». Catholic Online. Consultado em 8 de abril de 2016 
  3. a b «Saint Peter Armengol». Santi e Beati. Consultado em 8 de abril de 2016 
  4. «Saint Peter Armengol: Hero of Confidence». TFP Student Action. Consultado em 8 de abril de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]