Quis custodiet ipsos custodes?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Quis custodiet ipsos custodes? é uma frase em latim do poeta romano Juvenal, traduzida como "Quem irá vigiar os próprios vigilantes?" e outras formas como "Quem vigia os vigilantes?", "Quem guardará os guardiões?", "Quem vigia os vigias?", "Quem fiscaliza os fiscalizadores?" ou similares.

Origem[editar | editar código-fonte]

A frase, que geralmente é citada em latim, vem de "As Sátiras" de Juvenal, o satírico da Roma Antiga do primeiro e segundo séculos. Apesar disto, o uso moderno deste conceito é universal, com aplicações intemporais a temas como governos tiránicos e ditaduras opressivas. No contexto do poema de Juvenal, a frase se refere à impossibilidade de forçar moral sobre as mulheres quando os próprios agentes (custodes) são corrompíveis (Satire 6, .346–348):

No entanto, editores modernos se referem a estas três linhas como uma interpolação inserida no texto. Em 1899 um estudante universitário de Oxford, E.O. Winstedt, descobriu um manuscrito (hoje conhecido como "O", de Oxoniensis) contendo 34 linhas que alguns acreditam terem sido omitidas de outros textos do poema de Juvenal.[1] O debate sobre este manuscrito está em andamento, mas mesmo se o poema não for da autoria de Juvenal, provavelmente conserva o contexto original da frase.[2] Neste caso, o contexto original é o seguinte (O 29–33):

Referência ao poder político[editar | editar código-fonte]

Esta frase é geralmente utilizada para considerar a incorporação da questão filosófica de como o poder pode ser responsabilizado. É incorretamente atribuída como uma citação direta de A República de Platão, tanto pela mídia popular como no contexto acadêmico.[3][4]

Diversos exemplos desta associação com Platão podem ser encontrados no século XIX, frequentemente sem "ipsos".[5][6] John Stuart Mill a cita em Considerations on Representative Government de 1861, ainda que sem referir a Platão. A obra A República foi dificilmente referenciada por autores latinos clássicos como Juvenal, e já foi notado que o livro desapareceu da consciência coletiva literária por um milênio, excetuando-se vestígios nos escritos de Cícero e Agostinho de Hipona.[7]

Sócrates propôs que a classe de guardiões protegeria a sociedade, com os custodes (vigias) — de Sátiras — frequentemente interpretados em um paralelo com os guardiões platônicos (phylakes, em língua grega). A resposta de Sócrates para o problema, em essência, é que os guardiões serão manipulados para se protegerem de si mesmos, através de uma ilusão muitas vezes chamada de "mentira nobre".[8] Leonid Hurwicz sublinhou em sua palestra de aceitação do Prémio de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel de 2007 a ação de Glaucon, um dos interlocutores de Sócrates em A República, que chegou ao ponto de proclamar que "seria absurdo que um guardião deva precisar de um guarda".[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. E.O. Winstedt 1899, "A Bodleian MS of Juvenal", Classical Review 13: 201–205.
  2. Recentemente J.D. Sosin 2000, "Ausonius' Juvenal and the Winstedt fragment", Classical Philology 95.2: 199–206 tem defendido uma data próxima para o poema.
  3. T. Besley; J.A. Robinson (2010). «Quis Custodiet Ipsos Custodes? Civilian Control over the Military». Journal of the European Economic Association. 8: 655–663. Consultado em 21 de janeiro de 2019 
  4. P. Corning (2011). «The Fair Society: The Science of Human Nature and the Pursuit of Social Justice». University of Chicago Press. p. 146 
  5. Oxenham, H. N. (1878). «Moral and Religious Estimate of Vivisection» "Jul. a Dez." ed. Gentleman's Magazine, and Historical Chronicle. 243: 732. Consultado em 21 de janeiro de 2019 
  6. Maguire, Thomas (1866). An Essay on the Platonic Idea. Londres: Longmans, Green, Reader, and Dyer. p. 39. Consultado em 21 de janeiro de 2019 
  7. Jayapalan, N. (2002). Comprehensive Study of Plato. [S.l.]: Atlantic Publishers. p. 10 
  8. Platão (2008) [c. 380 a.C.]. A República (em inglês). Traduzido por Benjamin Jowett. [S.l.]: Projeto Gutenberg. Consultado em 21 de janeiro de 2019. How then may we devise one of those needful falsehoods of which we lately spoke – just one royal lie which may deceive the rulers, if that be possible, and at any rate the rest of the city? 
  9. «But Who Will Guard the Guardians?» (PDF). "Palestra de Prêmio Nobel". 8 de dezembro de 2007. Consultado em 21 de janeiro de 2019. Como citado por Leonid Hurwicz: Livro III, XII, 403E, p. 264 (grego) e p. 265 (inglês), no volume I, de Platão, A República (ΠΟΛΙΤΕΙΑ), com tradução para o inglês de Paul Shorey, Londres, William Heinemann Ltd.; Nova Iorque: G. P. Putnam’s sons, 1930 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]