Raul Xavier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Raul Xavier
Nascimento 23 de março de 1894
Macau
Morte 01 de janeiro de 1964 (69 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal portuguesa
Área Escultura

Raul Maria Xavier (Macau, 23 de Março de 1894 — Lisboa, 1 de Janeiro de 1964) foi um escultor português.[1]

Biografia / Obra[editar | editar código-fonte]

Cabeça, 1938, pedra, 280 x 200 x 220 cm

Filho e neto de chinesas casadas com portugueses, nasce em Macau, vindo para Portugal ainda criança. Frequenta a Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde é aluno de Ernesto Condeixa e, mais tarde, de Costa Motta (tio), cujo ateliê viria a frequentar, familiarizando-se com a técnica do talhe direto. Interrompe os estudos académicos para realizar um estágio em Itália (bolseiro do estado português), onde estuda escultura religiosa.[2]

Participou em Salões da SNBA (1ª medalha em 1941), nas Exp. de Artes Plásticas, Grupo Silva Porto (1945-58). Colaborou na Exposição do Mundo Português, 1940 (baixo-relevo Aljubarrota, 1940)[3]. Colaborou artisticamente em publicações como a II série da revista Alma nova [4] (1915-1918), iniciada em Faro em 1914.

Raul Xavier desenvolveu uma obra escultórica de feição clássica, marcada pela serenidade e pela depuração das formas, tendo-se dedicado em especial ao retrato e à estatuária.[5]

Cabeça, 1938 (col. Museu do Chiado), parece captar o gosto modernista pela arte primitiva, a par de lembranças da origem macaense do autor; revela ainda um curioso gosto decorativo (repare-se no entrançado do cabelo ou no dinamismo gerado pelos tracejados gravados em toda a superfície). "Deste entrecruzar de citações, o retrato, pretexto para a análise sintética e decorativa de uma face, sugere uma imagem construída numa volumetria de máscara".[6]

Em 2011 o Museu Municipal Santos Rocha, Figueira da Foz, realizou uma exposição de trabalhos de sua autoria.[7]

Algumas obras[editar | editar código-fonte]

Monumento a Nuno Álvares Pereira, 1959
  • Estátua em memória de Ataíde Oliveira, Loulé (inaugurada em 1930).[8]
  • Pio IX, 1934, Santuário do Sameiro.
  • A Arte, 1935, Pavilhão dos Desportos, Parque Eduardo VII, Lisboa – Escultura em pedra representando uma figura feminina majestática e simbólica. "Trata-se de uma alegoria à Arte, cujos atributos incluem pincéis, maceta e escopro, na mão esquerda, e um torso na mão direita, fazendo alusão à pintura e à escultura".[9]
  • A Ciência, Pavilhão dos Desportos, Parque Eduardo VII, Lisboa.
  • Santo António, Igreja de Nossa Senhora de Fátima, Lisboa.
  • Monumento a Nuno Álvares Pereira (ou Monumento à Batalha), 1959, S. Jorge, Leiria – De inspiração clássica e assinalável depuração formal, este baixo-relevo é uma das obras mais emblemáticas de Raúl Xavier. O monumento é antecedido de uma plataforma com vários degraus, impondo-se ao espectador como um «friso» monumental concavo, numa alusão à batalha de Aljubarrota (mas também às batalhas dos Atoleiros e de Valverde) travada entre os exércitos português e castelhano, numa exaltação à vitória dos portugueses liderados por D. Nuno Álvares Pereira.[10]
  • Estátua de São Vicente, 1949-1967, Largo das Portas do Sol, Lisboa – Os primeiros estudos para esta estátua de homenagem a São Vicente foram realizados por Raul Xavier em Junho de 1949. "A passagem da peça ao material definitivo, a pedra, só ocorreu entre 1965 e 1967, pelas mãos de seu filho, o Arq. Luís Xavier, que acompanhou esta obra até ser inaugurada em 25 de Outubro de 1970".[11]
  • Estátua de Vasco da Gama, Aquário Vasco da Gama, Lisboa.
  • Nossa Senhora de Fátima, Palácio Nacional de Queluz.
  • Pio XII, Largo da Senhora-a-Branca, Braga.
  • Busto do Coronel Mesquita, Museu Militar de Lisboa.
  • Busto de Camões, Universidade da Califórnia, E.U.A.
  • Busto de Rafael Bordalo Pinheiro, Museu Rafael Bordallo Pinheiro, Campo Grande, Lisboa.
  • Leões da Escadaria e estátua da Prudência, Palácio de São Bento, Lisboa.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SCHAUB-KOCH, Prof. Emile – Raul Xavier, Sculpteur Portugais. Lisbonne, 1957.

Referências

  1. A.A.V.V. – Anos 40 na Arte Portuguesa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 25
  2. «Raul Xavier (1894-1964)». Arte Pública, Câmara Municipal de Lisboa. Consultado em 7 de abril de 2014 
  3. A.A.V.V. – Anos 40 na Arte Portuguesa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. 25
  4. Rita Correia (19 de julho de 2011). «Ficha histórica:Alma nova: revista ilustrada (II Série) (1915-1918)» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de março de 2015 
  5. «Raul Xavier (1894 - 1964)». Assembleia da República. Consultado em 7 de abril de 2014 
  6. Silveira, Maria de Aires – "Raúl Xavier, Cabeça, 1938". In: A.A.V.V. – Museu do Chiado: arte portuguesa 1890-1950. Lisboa: Instituto Português de Museus; Museu do Chiado, 1994, p. 278. ISBN 972-8137-02-8
  7. «Perfil: Raul Xavier. Museu Municipal da Figueira da Foz». museologia.porto. Consultado em 8 de abril de 2014 
  8. «Estatuária». Câmara Municipal de Lulé. Consultado em 14 de agosto de 2014 
  9. «A Arte». Câmara Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de agosto de 2014 
  10. «Monumento à Batalha». Direcção Regional de Cultura do Centro. Consultado em 11 de agosto de 2014 
  11. «S. Vicente». Câmara Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de agosto de 2014 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Raul Xavier