Rosa Grena Kliass

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Rosa Grena Kliass (nascida em São Roque) é uma arquiteta-paisagista brasileira, considerada uma das mais importantes na história do Paisagismo brasileiro moderno e contemporâneo. Entre suas obras mais significativas estão a reforma do Vale do Anhangabaú e o projeto paisagístico do Parque da Juventude, ambos na cidade de São Paulo.

Rosa Kliass formou-se pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP) em 1955, e pós graduada também na FAUUSP em 1989. Foi diretamente influenciada pelo professor Roberto Coelho Cardoso ao optar pelo paisagismo como área de atuação, sendo ganhadora de inúmeros prêmios nesta área. Sagrou-se também como consultora de diversos órgãos estatais, autora de vários trabalhos publicados no país e no exterior.[1]

Seu trabalho teórico também possui certa relevância, sendo autora do livro Parques urbanos de São Paulo, desenvolvido a partir do tema de sua dissertação de mestrado, defendida em 1989 na FAUUSP. É fundadora e ex-presidente da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP) fundada em 1975.

Principais Obras[editar | editar código-fonte]

  • Plano Preliminar Paisagístico de Curitiba – PR (1965)
  • Áreas Verdes Recreação para o Município de São Paulo (1968)
  • Estudos de Áreas Verdes e Espaços Abertos da Cidade de Salvador – BA (1976)
  • Plano da Paisagem do Município de São Luís – MA (2003)
  • Projeto Paisagístico da Avenida Paulista – SP (1973)
  • Reurbanização do Vale do Anhangabaú – SP (1981)
  • Parque Halfeld – Juiz de Fora – MG (1979)
  • Parque Mariano Procópio – Juiz de Fora – MG (1979)
  • Parque do Abaeté – Salvador – BA (1992)
  • Parque de Esculturas – Salvador – BA (1996)
  • Parque da Residência – Belém – PA (1998)
  • Estação das Docas – Belém – PA (1998)
  • Feliz Lusitânia, Forte do Castelo – Belém – PA (1998)
  • Pátios do Museu de Arte Sacra – Belém – PA (1998)
  • Parque da Juventude - São Paulo - SP (2003)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Moura, Éride; Serapião, Fernando; Melendez, Adilson. «Entrevista: Rosa Grena Kliass». Projeto Design. Consultado em 26 de Abril de 2014 

Comentarios:

Para Rosa Grena Kliass, arquiteta pioneira do Paisagismo no Brasil, a descoberta de sua vocação foi obra de um encontro no último minuto e de um amor à primeira vista.

“No último ano da Faculdade de Arquitetura, entrou uma cadeira que se chamava Paisagismo. Assim, baixou aqui o Roberto Coelho Cardoso. Um americano de família portuguesa, que veio de Berkeley e foi ser o nosso professor. Eu e Miranda [Magnoli] fomos alunas dele e imediatamente entendemos que aquilo era a nossa missão”, contou em entrevista concedida ao CAU/BR em 2014. Aos 82 anos, Rosa admite que a escolha pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, cursada na Universidade de São Paulo na década de 50, “até hoje é um grande mistério”.

Interiorana de São Roque (1932), oscilou entre Arquitetura e Física durante os exames de vestibular, mas uma coincidência de datas entre as provas forçou uma decisão. Nas décadas seguintes, “inventou” seu próprio mercado de trabalho. “Paisagismo no Brasil era somente o [Roberto] Burle Marx (1909-1984), que ficava no Rio”, sintetiza a arquiteta paisagista.

Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.