Ryan Gracie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ryan Gracie
Informações
Nascimento 14 de agosto de 1974
Rio de Janeiro
Morte 15 de dezembro de 2007 (33 anos)
Nacionalidade  brasileiro
Outros nomes Gracie Bad Boy, Gracie Devil [O Demônio Gracie], Louco Brutal, pit bull
Altura 1,75 m
Peso 84 kg
Modalidade Jiu Jitsu
Organização(ões) Gracie Team
Cartel no MMA
Vitórias 5
Por nocaute 2
Por finalização 2
Por decisão 1
Derrotas 2
Por decisão 1
Outros 1
Página oficial:

Ryan Gracie (Rio de Janeiro, 14 de agosto de 1974São Paulo, 15 de dezembro de 2007), foi um lutador brasileiro de Jiu-Jitsu. Ryan era membro da família Gracie, filho de Vera Lucia Gracie e Robson Gracie e neto de Carlos Gracie, o criador do Brazilian Jiu-Jítsu. Tem como irmãos:Renzo Gracie,Flavia Gracie e Ralph Gracie. É pai de Rayron Gracie, nascido em 8 de dezembro de 2001.

Ryan foi o idealizador do projeto Kapacidade, que usa o jiu-jítsu como ferramenta de inclusão social, visando educar, capacitar, elevar a auto estima e criar novos cidadãos. Hoje o projeto é tocado pela sobrinha Kyra Gracie, pentacampeã mundial de jiu-jítsu, e já conta com mais de 150 crianças carentes.

Ganhou cinco lutas no evento PRIDE, na Copa Company McDonald's de Judô, no Pan-americano de Jiu-Jítsu em 1997, no Campeonato Brasileiro de 1997 e no Campeonato Sem Kimono.

www.ryangracie.com.br

Temperamento[editar | editar código-fonte]

Ryan formou-se faixa preta de Jiu-Jítsu na Gracie Barra no Rio de Janeiro junto de seu irmão Renzo Gracie, e mudou-se para São Paulo para representar a equipe em 1994. Desde então construiu seu império na capital paulista, hoje a Gracie SP conta com cerca de 60 filiais.

De acordo com a polícia, Ryan era uma pessoa de gênio bastante difícil, tendo sido preso diversas vezes. Em março de 2000, Gracie ficou dezoito dias preso no Rio de Janeiro, sua cidade natal, acusado de esfaquear um estudante durante uma briga que destruiu uma casa de festas na Barra da Tijuca. O caso foi apurado e Ryan Gracie foi absolvido, pois a denúncia não procedia. Segundo testemunhas que estavam no local, a briga começou por volta da meia-noite com uma discussão perto da piscina da casa, localizada na Ilha da Fantasia. Marcus Vinícius Marins da Rosa, 26 anos, conhecido como Chuck Noris do Méier e figura conhecida por arranjar confusões, ficou provocando o lutador Ryan Gracie e acabou acontecendo a briga. Segundo relatos, a faca pertencia a Marcus Vinicius e na briga o lutador Ryan a tomou de Marcus e ele (Marcus) acabou se ferindo. Marcus já teve passagem pela polícia pelo mesmo fato. Acusou outra pessoa de ter lhe esfaqueado e ganhou uma boa soma em dinheiro devido a indenização.

Em 2005 foi preso em São Paulo, acusado de agredir fisicamente um policial civil e xingar uma delegada dentro do 78º DP, nos Jardins.

Numa de suas últimas lutas no Pride, Ryan xingou o juiz e o encarou demonstrando estar pronto para agredi-lo, por considerar errada a interrupção da luta que estava a seu favor. Os dois lutadores recomeçaram a luta em pé, e Ryan venceu seu adversário. Para seus fãs e espectadores, ficava claro que seu temperamento estava cada vez mais instável.

Teve muitas brigas fora de ringue com o lutador Jorge "Macaco" Patino, inclusive chegando a depredarem uma loja em uma dessas brigas.

Também teve notória rivalidade com Wallid Ismail, hoje dono do Jungle Fight. A luta entre os dois não chegou a acontecer.

Morte[editar | editar código-fonte]

Ryan Gracie foi preso em 14 de dezembro de 2007, após ter uma crise de paranoia e ter fugido pelas ruas de São Paulo. Na fuga o atleta roubou um carro e depois tentou roubar uma moto. Foi contido por motoboys e preso. Segundo o delegado, o lutador foi medicado e dopado no local e demostrou tranquilidade. No dia seguinte foi encontrado morto na delegacia.[1] Segundo laudo do instituto médico legal de São Paulo (reproduzido abaixo), os remédios ministrados pelo psiquiatra dr. Sabino Ferreira de Farias Neto foi a causa mortis do lutador.

Laudo médico[editar | editar código-fonte]

O laudo foi divulgado[2] em 18 de fevereiro de 2008.

O promotor do caso pretende acusar o psiquiatra que atendeu Ryan por homicídio doloso.

Cquote1.svg O que mais chama a atenção é a quantidade de drogas (remédios) que foram usadas ao mesmo tempo. Uma interage com a outra, o que pode aumentar o número de efeitos colaterais. Nesse caso, principalmente os cardíacos. O coração pode começar a bater fora do ritmo e entrar num quadro mais grave, que pode levar à parada cardíaca. Cquote2.svg
Marcelo Feijó De Mello, psiquiatra da Unifesp

Prosseguimento do inquérito[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2008, o advogado[3] Pedro Lazarini, que defende o psiquiatra, pediu a reconstituição do caso, sob a alegação de que a polícia impediu a remoção de Ryan para um hospital na noite de 15 de dezembro. Sabino foi indiciado por homicídio culposo, com base no laudo médico, que apontou pelo menos sete substâncias ingeridas pelo lutador.

Cartel no MMA[editar | editar código-fonte]

Res. Cartel Oponente Método Evento Data Round Tempo Local Notas
Vitória 5-2 Japão Yoji Anjo Finalização (chave de braço) Pride Shockwave 2004 31 de dezembro de 2004 1 8:33 Japão Saitama
Vitória 4-2 Japão Ikuhisa Minowa Decisão (dividida) Pride Bushido 3 23 de maio de 2004 2 5:00 Japão Yokohama
Vitória 3-2 Japão Kazuhiro Hamanaka Nocaute (chute na cabeça) Pride Bushido 1 5 de outubro de 2003 1 7:37 Japão Saitama
Vitória 2-2 Japão Shungo Oyama Finalização Técnica (chave de braço) Pride 22 29 de setembro de 2002 1 1:37 Japão Nagoya
Derrota 1-2 Japão Tokimitsu Ishizawa Nocaute Técnico (lesão) Pride 15 29 de julho de 2001 1 4:51 Japão Saitama
Derrota 1-1 Japão Kazushi Sakuraba Decisão (unânime) Pride 12 9 de dezembro de 2000 1 10:00 Japão Saitama
Vitória 1-0 Japão Tokimitsu Ishizawa Nocaute (socos) Pride 10 27 de agosto de 2000 1 2:16 Japão Tokorozawa
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ryan Gracie

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]