Parasitose delirante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Síndrome de Ekbom)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Parasitose delirante
Especialidade psiquiatria, psicoterapia
Classificação e recursos externos
CID-9 300.29
DiseasesDB 9622
eMedicine derm/939
MeSH D063726
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A parasitose delirante, também conhecida como delírio de parasitose, infestação parasitária delirante ou síndrome de Ekbom,[1][2][3] é uma desordem delirante em que os indivíduos acreditam erroneamente que estão infestados de parasitas, insetos ou demais bichos, enquanto que na realidade, tal infestação não existe.[4] Os pacientes desta condição geralmente relatam alucinações táteis conhecidas como formigamentos, uma sensação semelhante a insetos que se movimentam sobre ou sob a pele

Esse transtorno mental caracterizado por uma crença fixa e falsa de que existe uma infestação da pele, contrastando com os casos de parasitoses reais, como a sarna e a infestação por Demodex, em que uma infestação da pele está presente e identificável por um médico através de exame físico ou testes laboratoriais.[5][6]

O nome alternativo, síndrome de Ekbom, foi batizado em homenagem ao neurologista sueco Karl-Axel Ekbom,[7] que publicou descrições seminais da doença em 1937 e 1938. É diferenciada da doença de Willis-Ekbom (WED), outro nome para a síndrome das pernas inquietas. Morgellons é uma forma autodiagnosticada dessa condição, na qual os indivíduos têm feridas que acreditam conter algum tipo de fibra.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os detalhes da parasitose delirante variam entre os pacientes, embora ela se manifeste tipicamente como uma sensação de engatinhamento e pinicamento, que é mais comumente descrita como envolvendo parasitas percebidos rastejando ou se enterrando na pele, às vezes acompanhada por uma sensação física real (conhecida como formigamento; geralmente associada à menopausa, ou às vezes à exposição a produtos de limpeza doméstica).[4][8] Os pacientes também podem ferir-se em tentativas de se livrar dos "parasitas". Alguns são capazes de induzir a condição em outros através de sugestões, caso em que o termo folie à deux pode ser aplicável.[3][9]

Quase qualquer marcação na pele, ou pequeno objeto ou partícula encontrados na pessoa ou em suas roupas, pode ser interpretada como evidência para a infestação parasitária, e os pacientes comumente coletam compulsivamente tais "evidências" e então as apresentam aos profissionais médicos quando procuram ajuda.[4] Essa apresentação de "evidência" é conhecida como "o sinal da caixa de fósforos" porque a "evidência" é freqüentemente apresentada em um pequeno contêiner, como uma caixa de fósforos.[3]

Archives of Dermatology publicou um estudo da Mayo Clinic com 108 pacientes em 16 de maio de 2011. Não conseguiu encontrar evidências de infestação da pele, apesar de fazer biópsias de pele e examinar espécimes fornecidos pelo paciente. O estudo, realizado de 2001 a 2007, concluiu que a sensação de infestação da pele era uma delirante parasitose.[10][11]

A parasitose delirante é observada mais comumente em mulheres, e a frequência é muito maior após os 40 anos de idade.[3][12]

Cleptoparasitosis delusório é uma forma de ilusão de parasitose, onde a pessoa acredita que a infestação está em sua habitação, e não em seu corpo.[13]

Morgellons é mal compreendido, mas parece ser uma forma de parasitose delirante em que as pessoas têm condições de pele dolorosas que acreditam conter fibras de vários tipos.[14][15][16][17][18]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

A parasitose delirante é dividida em grupos primário, funcional secundário e orgânica secundário.[19]

Primário[editar | editar código-fonte]

Na parasitose delirante primária, os delírios compõem toda a entidade da doença: não há deterioração adicional do funcionamento mental básico ou processos idiossincráticos de pensamento. Os delírios parasitários consistem em uma única crença ilusória em relação a algum aspecto da saúde. Especialistas médicos referem-se a este fenômeno como "psicose hipocondríaca monossintomática",[20] e às vezes como "verdadeira" parasitose delirante. No DSM-IV, corresponde ao "transtorno delirante, tipo somático".

Funcional secundário[editar | editar código-fonte]

A parasitose delirante funcional secundária ocorre quando os delírios estão associados a uma condição psiquiátrica, como esquizofrenia, transtorno obsessivo-compulsivo ou depressão clínica.

Orgânica secundário[editar | editar código-fonte]

A parasitose delirante orgânica secundária ocorre quando uma doença ou substância médica (clínica ou recreativa) causa os sintomas do paciente. No DSM-IV esta situação corresponde a "transtorno psicótico devido à condição clínica geral". As doenças físicas que podem estar subjacentes à parasitose delirante orgânica secundária incluem: hipotireoidismo, câncer, doença cerebrovascular, tuberculose, distúrbios neurológicos, deficiência de vitamina B12 e diabetes. Qualquer doença ou medicação para a qual a formulação é um sintoma ou efeito colateral pode se tornar um gatilho ou causa subjacente de parasitose delirante.

Outros factores fisiolicos que podem causar formigamento e, por isso, podem por vezes conduzir a esta condição incluem: menopausa (isto retirada da hormona); alergias e abuso de drogas, incluindo mas não limitado a dependência de cocaína e metanfetamina (como na psicose por anfetamina).[21][12] Parece que muitos desses fatores fisiológicos, bem como fatores ambientais, como irritantes no ar, são capazes de induzir uma sensação de "rastejamento" em indivíduos saudáveis; no entanto, algumas pessoas ficam fixadas na sensação e no seu possível significado, e essa fixação pode então se transformar em parasitose delirante.[12]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

As formas secundárias de parasitose delirante são tratadas pelo tratamento da condição psicológica ou física associada primária. A forma primária é tratada da mesma forma que outros transtornos delirantes e esquizofrenia. No passado, a pimozida era a droga de escolha na seleção dos antipsicóticos típicos. Atualmente, os antipsicóticos atípicos, como a olanzapina ou a risperidona, são usados como tratamento de primeira linha.

Notavelmente, os pacientes muitas vezes rejeitam o diagnóstico médico profissional de parasitose delirante, e poucos pacientes se submetem voluntariamente ao tratamento, apesar da eficácia demonstrável.[4]

Sociedade e cultura[editar | editar código-fonte]

Morgellons[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Morgellons

A fundadora da Morgellons Research Foundation, Mary Leitao,[22] cunhou o nome em 2002, revivendo-o a partir de uma carta escrita por um médico em meados do século XVII.[23] Leitao e outros envolvidos em sua fundação (que se identificaram como tendo Morgellons) pressionaram com sucesso membros do Congresso dos Estados Unidos e do Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para investigar a doença em 2006.[24][25] Os pesquisadores do CDC divulgaram os resultados de seu estudo plurianual em janeiro de 2012, indicando que nenhum organismo da doença estava presente em pessoas com Morgellons; as fibras encontradas eram provavelmente de algodão, concluindo que a condição era "semelhante a condições mais comumente reconhecidas, como a infestação delirante".[26][27]

Referências

  1. Freudenmann, R. W.; Lepping, P. (2009). «Delusional Infestation». Clinical Microbiology Reviews. 22 (4): 690–732. PMC 2772366Acessível livremente. PMID 19822895. doi:10.1128/CMR.00018-09 
  2. Rapini, Ronald P.; Bolognia, Jean L.; Jorizzo, Joseph L. (2007). Dermatology: 2-Volume Set. St. Louis: Mosby. ISBN 1-4160-2999-0 
  3. a b c d Hinkle, N.C. (2011). «Ekbom Syndrome: a delusional condition of "bugs in the skin"». Curr Psychiatry Rep. 13 (3): 178–86. PMID 21344286. doi:10.1007/s11920-011-0188-0 
  4. a b c d Webb, J.P., Jr. (1993). «Case histories of individuals with delusions of parasitosis in southern California and a proposed protocol for initiating effective medical assistance». Bulletin of the Society of Vector Ecologists. 18 (1): 16–24 
  5. Kligman, Albert M (2011). «Demodex folliculorum: Requirements for Understanding Its Role in Human Skin Disease». Journal of Investigative Dermatology. 131 (1): 8–10. PMID 21157421. doi:10.1038/jid.2010.335 
  6. Jing, X., Shuling, G. and Ying, L. (2005). «Environmental scanning electron microscopy observation of the ultrastructure of Demodex.». Microsc. Res. Tech. 68: 284–289. doi:10.1002/jemt.20253 
  7. Ekbom's syndrome II (em inglês) no Who Named It?
  8. Amin, Omar (15 de fevereiro de 2015). «The delusion of "delusional parasitosis"» (PDF). Parasite Testing 
  9. Koblenzer, C.S. (1993). «The clinical presentation, diagnosis and treatment of delusions of parasitosis—a dermatologic perspective». Bulletin of the Society of Vector Ecologists. 18 (1): 6–10 
  10. Hylwa SA, Bury JE, Davis MD, Pittelkow M, Bostwick JM (2011). «Delusional infestation, including delusions of parasitosis: results of histologic examination of skin biopsy and patient-provided skin specimens». Arch Dermatol. 147 (9): 1041–5. PMID 21576554. doi:10.1001/archdermatol.2011.114 
  11. Walsh, Nancy; Zalman S. Agus (16 de maio de 2011). «Bugs and Worms in Patients' Heads, Not the Skin». MedPage Today. Consultado em 16 de maio de 2011. 
  12. a b c Hinkle, Nancy C (2000). «Delusory Parasitosis» (PDF). American Entomologist. 46 (1): 17–25. Arquivado do original (PDF) em 21 de outubro de 2012 
  13. Grace, Kenneth J (1987). «Delusory Cleptoparasitosis: Delusions of Arthropod Infestation in the Home». Pan-Pacific Entomologist. 63 (1): 1–4 
  14. Halvorson, CR (outubro de 2012). «An approach to the evaluation of delusional infestation.». Cutis. 90 (4): E1-4. PMID 24005827 
  15. Shmidt, E; Levitt, J (fevereiro de 2012). «Dermatologic infestations.». International Journal of Dermatology. 51 (2): 131–41. PMID 22250620. doi:10.1111/j.1365-4632.2011.05191.x 
  16. Harth, W; Hermes, B; Freudenmann, RW (abril de 2010). «Morgellons in dermatology.». Journal der Deutschen Dermatologischen Gesellschaft = Journal of the German Society of Dermatology : JDDG. 8 (4): 234–42. PMID 19878403. doi:10.1111/j.1610-0387.2009.07219.x 
  17. Freudenmann, RW; Lepping, P (outubro de 2009). «Delusional infestation.». Clinical Microbiology Reviews. 22 (4): 690–732. PMC 2772366Acessível livremente. PMID 19822895. doi:10.1128/cmr.00018-09 
  18. Simpson, L; Baier, M (agosto de 2009). «Disorder or delusion? Living with Morgellons disease.». Journal of psychosocial nursing and mental health services. 47 (8): 36–41. PMID 19681520. doi:10.3928/02793695-20090706-03 
  19. Freinhar, Jack P (1984). «Delusions of parasitosis». Psychosomatics. 25 (1): 47–53. doi:10.1016/S0033-3182(84)73096-9 
  20. FreedBerg; et al. (2003). Fitzpatrick's Dermatology in General Medicine 6th ed. [S.l.]: McGraw-Hill. p. 389. ISBN 0-07-138076-0 
  21. Brewer, JD; Meves, A; Bostwick, JM; Hamacher, KL; Pittelkow, MR (setembro de 2008). «Cocaine abuse: dermatologic manifestations and therapeutic approaches.». Journal of the American Academy of Dermatology. 59 (3): 483-7. PMID 18467002. doi:10.1016/j.jaad.2008.03.040 
  22. Harlan, Chico (23 de julho de 2006). «Mom fights for answers on what's wrong with her son». Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 4 de agosto de 2007. 
  23. Edwards, Stassa (15 de abril de 2015), «Real Delusions of an Unreal Disease: A History of Morgellons», Jezebel 
  24. Schulte, Brigid (20 de janeiro de 2008). «Figments of the Imagination?». Washington Post Magazine. p. W10. Consultado em 9 de junho de 2008. 
  25. «Unexplained Dermopathy (aka "Morgellons"), CDC Investigation». Centers For Disease Control. 1 de novembro de 2007. Consultado em 9 de maio de 2011.. Arquivado do original em 3 de junho de 2016 
  26. Pearson, Michele L.; Selby, Joseph V.; Katz, Kenneth A.; Cantrell, Virginia; Braden, Christopher R.; Parise, Monica E.; Paddock, Christopher D.; Lewin-Smith, Michael R.; Kalasinsky, Victor F.; Goldstein, Felicia C.; Hightower, Allen W.; Papier, Arthur; Lewis, Brian; Motipara, Sarita; Eberhard, Mark L.; Unexplained Dermopathy Study, Team (2012). «Clinical, Epidemiologic, Histopathologic and Molecular Features of an Unexplained Dermopathy». PLoS ONE. 7 (1): e29908. Bibcode:2012PLoSO...729908P. PMC 3266263Acessível livremente. PMID 22295070. doi:10.1371/journal.pone.0029908 
  27. Aleccia, JoNel. «Mystery skin disease Morgellons has no clear cause, CDC study says». NBC News. Consultado em 2 de abril de 2015. 

Leituras posteriores[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]