Sónia Sultuane

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sónia Sultuane
Nome completo Sónia Abdul Jabar Sultuane
Nascimento 4 de março de 1971 (50 anos)
Lourenço Marques, África Oriental Portuguesa
Nacionalidade moçambicana
Filho(a)(s) 1
Ocupação artista plástica e poetisa
Religião muçulmana

Sónia Abdul Jabar Sultuane (Lourenço Marques, 4 de março de 1971) é uma artista plástica e poetisa moçambicana.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida a 4 de março de 1971 em Lourenço Marques, atual Maputo, durante o período colonial português de Moçambique, Sónia Sultuane quando criança mudou-se com a sua família para Nacala Porto, no norte de Moçambique após a transferência do seu pai que trabalhava nos Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique. Após a independência de Moçambique em 1975, ela passou a residir em Maputo.[1]

Aos treze anos de idade, Sónia Sultuane começou a realizar atividades artísticas e desde jovem a escrever poesias. Em 2001, publicou o seu primeiro livro Sonhos, seguido pelas outras obras, Imaginar o Poetizado (2006), No Colo da Lua (2009) e A Lua de N'weti (2014), e em 2005, começou a fazer esculturas. Os seus temas retratam a posição das mulheres na sociedade moçambicana e as circunstâncias presentes, e também na dialética entre as comunidades multirreligiosas.[2] Ela descreve as suas obras de forma transdisciplinar, e muitos dos seus poemas possuem formas plásticas.[3]

Entre 2006 e 2008, foi secretária da assembleia geral da Associação dos Escritores Moçambicanos. Em 2009 foi convidada pela Associação dos Amigos de Moçambique em Macau para realizar uma exposição das suas obras na Escola Portuguesa de Macau, tendo sido a sua primeira exposição individual.[4] Também realizou exposições na Itália e África do Sul.[5] Sónia Sultuane também era amiga de Fernando Leite Couto, pai de Mia Couto,[6] e as suas obras Roda das Encarnações e Celeste, a boneca com olhos cor de esperança foram lançadas na Fundação Fernando Leite Couto em 2016 e 2017.[7][8] Também foi membro do Movimento de Arte Contemporânea de Moçambique, Núcleo de Arte e da Associação Moçambicana de Fotografia, e pertenceu ao conselho do Arterial Network Mozambique.[9]

Em 2017, foi agraciada com o Prémio Femina pelo mérito nas Letras: Literatura e Poesia.[10]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • 2001: Sonhos
  • 2006: Imaginar o Poetizado
  • 2009: No Colo da Lua
  • 2014: A Lua de N'weti
  • 2016: Roda das Encarnações
  • 2017: Celeste, a boneca com olhos cor de esperança

Referências

  1. Araújo, Cristóvão (1 de junho de 2009). «Conta-me a tua infância: Sónia Sultuane tem 38 anos, é divorciada e tem um filho de 22. É poetisa e artista plástica». SAPO Notícias. SAPO 
  2. Lituri, Alfredo. «Sónia Sultuane». SAPO Lifestyle. SAPO. Consultado em 11 de março de 2018 
  3. «Sónia Sultuane». Moz'Art. Sulplaneta. Consultado em 11 de março de 2018. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2016 
  4. Cid, Rui (23 de junho de 2009). «Associação dos Amigos de Moçambique trouxe Sónia Sultuane até Macau». Ponto Final 
  5. Pereira, Cristiana (27 de março de 2011). «A viagem das palavras, entrevista a Sónia Sultuane, artista moçambicana». África. Buala.org 
  6. «Sónia Sultuane». Fundação Fernando Leite Couto. Consultado em 11 de março de 2018 
  7. Costa, Xoán (25 de novembro de 2016). «Sónia Sultuane, suturar os rasgões que traz a vida». Sermos Galiza 
  8. «Sónia Sultuane lança seu segundo livro infantil». O País. 30 de setembro de 2017 
  9. «AEMO homenageia escritora Sónia Sultuane». Domingo. 5 de junho de 2016 
  10. Delas (19 de novembro de 2017). «Prémio Femina 2017 entregue hoje». Diário de Notícias 
Ícone de esboço Este artigo sobre um poeta ou uma poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.