SBM Offshore

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
SBM Offshore
SBM Offshore N.V.
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação Euronext Amesterdão: SBMO
Indústria Indústria do petróleo
Fundação 1965 (51 anos)
Sede Schiedam,  Países Baixos
Pessoas-chave Bruno Chabas (CEO), Heinz Rothermund (Chairman do conselho Fiscal)
Empregados 6,220 (fim de 2011)
Produtos Unidades de FSO e FPSO, plataforma de pernas atirantadas, outras instalações offshore
Ativos US $5.290 bilhões (fim de 2011)
LAJIR US $(340.6) milhões (2011)
Renda líquida US $(440.6) milhões (2011)
Sítio oficial www.sbmoffshore.com

SBM Offshore N.V. (Euronext: SBMO) é um grupo empresarial que presta serviços para a indústria petrolífera. Originalmente chamado IHC Caland N.V., mudou sua denominação em julho de 2005.

Associação com a Petrobras[editar | editar código-fonte]

Pagamento á Petrobras[editar | editar código-fonte]

O acordo de leniência que a Controladoria-Geral da União (CGU) vai fechar com a SBM obrigará a empresa holandesa a pagar cerca de R$ 1 bilhão de indenização á União. Os recursos serão todos destinados aos cofres da Petrobras. A SBM é acusada de pagar propina em troca de contratos com a estatal brasileira, e o caso está sendo investigado pelo Ministério Público Federal no Rio de Janeiro. Na semana passada, o ministro-chefe da CGU, Valdir Simão, confirmou que as negociações para assinatura do acordo de leniência estão em fase final e serão encerradas nos próximos dias.[1]

Apuração de Propinas[editar | editar código-fonte]

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (17) a operação Sangue Negro, que investiga o pagamento de propinas e desvios de recursos da Petrobras superiores a U$ 42 milhões, desde 1997, ainda durante o governo do ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).[2]

Empresas do grupo[editar | editar código-fonte]

  • Single Buoy Moorings Group of Companies
  • SBM-Imodco Inc.
  • Atlantia Offshore Limited
  • Gusto B.V.
  • Marine Structure Consultants (MSC) B.V.
  • GustoMSC Inc.
  • NKI group B.V.

Referências

  1. Empresa holandesa SBM pagará R$ 1 bilhão à Petrobras O Globo (6 de outubro de 2015). Visitado em 18 de dezembro de 2015.
  2. Ação da PF apura propinas da SBM em contratos da Petrobras desde 1997 Folha de S.Paulo (17 de dezembro de 2015). Visitado em 18 de dezembro de 2015.
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.