Tecido conjuntivo reticular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde agosto de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo.
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Tecido conjuntivo reticular é um tecido conjuntivo constituído por fibras e células reticulares, que são exclusivas desse tipo de tecido. Tais elementos se dispõem compondo uma delicada trama, que dá suporte a células livres formadoras de células do sangue[1].

O tecido reticular é encontrado nos órgãos que têm função hemocitopoética, representados pela medula óssea vermelha e por órgãos linfáticos (tonsilas, timo, baço e linfonodos).[1]

Na medula óssea vermelha, esse tecido recebe o nome de tecido mieloide, rico em células precursoras de todos os elementos do sangue: hemácias (glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e plaquetas.

Nos órgãos linfáticos, recebe o nome de tecido linfoide, rico em linfócitos em diferentes fases de maturação, em macrófagos e plasmócitos.

Tipos[editar | editar código-fonte]

T. MIELOIDE – medula óssea vermelha (hemácias, leucócitos e plaquetas).

T. LINFOIDE – órgãos linfáticos (baço, amígdalas)

Referências

  1. a b P. A. Abrahamsohn (2016). «Tecido conjuntivo de propriedades especiais». MOL Microscopia OnLine. Consultado em 21 de agosto de 2017 


Ícone de esboço Este artigo sobre Histologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.