Templo romano de Évora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Templo romano de Évora
Evora-RomanTemple.jpg
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção (século I d. C.)
Estilo romano
Conservação ruína
Homologação
(IGESPAR)
MN
(DL Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 e Decreto de 10-01-1907, DG n.º 14 de 17-01-1907 e 23-06-1910)
Aberto ao público
Site IGESPAR 70489

O templo romano de Évora está localizado na cidade de Évora, em Portugal; faz parte do centro histórico da cidade, o qual foi classificado como Patrimônio Mundial pela UNESCO. O templo romano encontra-se classificado como Monumento Nacional pelo IGESPAR. É um dos mais famosos marcos da cidade, e um símbolo da presença romana em território português.

Localizado na freguesia da Sé e São Pedro, no Largo Conde de Vila Flor, encontra-se rodeado pela Sé de Évora, pelo Tribunal da Inquisição, pela Igreja e Convento dos Lóios, pela Biblioteca Pública de Évora e pelo Museu.

História[editar | editar código-fonte]

Embora o templo romano de Évora seja frequentemente chamado de Templo de Diana, sabe-se que a associação com a deusa romana da caça originou-se de uma lenda criada no século XVII.[1] Na realidade, o templo provavelmente foi construído em homenagem ao imperador Augusto, que era venerado como um deus durante e após seu reinado. O templo foi construído no século I d.C. na praça principal (fórum) de Évora - então chamada de Liberatias Iulia - e modificado nos séculos II e III. Évora foi invadida pelos povos germânicos no século V, e foi nesta época em que o templo foi destruído; hoje em dia, suas ruínas são os únicos vestígios do fórum romano na cidade.

As ruínas do templo foram incorporadas a uma torre do Castelo de Évora durante a Idade Média. A sua base, colunas e arquitraves continuaram incrustadas nas paredes do prédio medieval,[2] e o templo (transformado em torre) foi usado como um açougue do século XIV até 1836. Esta utilização da estrutura do templo ajudou a preservar seus restos de uma maior destruição.[3] [4] Finalmente, depois de 1871, as adições medievais foram removidas, e o trabalho de restauração foi coordenado pelo arquiteto italiano Giuseppe Cinatti.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O templo original provavelmente era similar à Maison Carrée de Nîmes (França). O templo de Évora ainda está com sua base completa (o pódio), feito de blocos de granito de formato tanto regular como irregular. O formato da base é retangular, e mede 15m x 25m x 3.5m de altura.[5] O lado sul da base costumava ter uma escadaria, agora em ruínas.

O pórtico do templo, que não existe mais, era originalmente um hexastilo. Um total de catorze colunas de granito ainda estão de pé no lado norte (traseiro) da base; muitas das colunas ainda têm seus capitéis em estilo coríntio sustentando a arquitrave. Os capitéis e as bases das colunas são feitos de mármore branco de Estremoz, enquanto as colunas e a arquitrave são feitas de granito. Escavações recentes indicam que o templo era cercado por um espelho de água.

Notas

Referências[editar | editar código-fonte]

Colunas e capitéis coríntios do templo.
  • [1] - Templo Romano no site da Câmara Municipal de Évora
  • [2] - Templo de Évora no site do Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR)
  • [3] - Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN-Portugal)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Templo romano de Évora
  • [4] - Reconstrução virtual do templo e do fórum de Évora (site somente para Internet Explorer)
  • [5] - Templo de Évora no site Waymarking
  • [6] - Templo de Évora temple no site da Sacred Destinations
  • [7] - Templo de Évora em desenho de 1835
  • [8] - Templo de Évora em desenho de 1870


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Templo romano de Évora