Teoria do Estado integral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A Teoria do Estado Integral, criada por Plínio Salgado, baseia-se na Concepção Integral do Homem, componente da sociedade. Segundo Plínio Salgado, algumas teorias consideram o homem apenas no seu caráter cívico, ou seja, um indivíduo com direitos e deveres segundo uma organização jurídica (Homem-Político) e outras consideram o homem apenas no seu caráter econômico ou material, ou seja, um indivíduo que se veste, se alimenta e se reproduz (Homem-Econômico). Com o Integralismo ele propõe considerar o Homem em um tríplice aspecto, segundo suas aspirações espirituais (Homem-Espiritual), das suas necessidades materiais (Homem-Econômico) e de suas condições temporais de cultura e relações sociais (Homem-Político), condenado por Pio XII, e o Vaticano na época, vide Bulas Papais.

Desta forma, a teoria propõe equilibrar as diferenças entre o indivíduo e a sociedade da qual ele é parte. Um exemplo que pode ser utilizado para caracterizar esse equilíbrio é o fato de que, numa sociedade, no aspecto político, um indivíduo com altos cargos de autoridade na estrutura do Estado pode ser considerado "superior" a um cidadão comum. No aspecto econômico ambos tem necessidades semelhantes no que diz respeito a sua sobrevivência. No aspecto espiritual existe a possibilidade de que o cidadão possa ser considerado "superior" ao indivíduo que ocupa altos cargos de autoridade, analisando-se nesse caso, as atitudes morais dos envolvidos na análise.

A Câmara Orgânica[editar | editar código-fonte]

A estrutura política do Estado Integral, proposta por Pínio Salgado, se baseia na organização sindical. Eleições diretas, ocorridas dentro das classes profissionais, representadas pelos sindicatos de classe, elegem os membros da chamada Câmara Orgânica, que reúne representantes das classes profissionais de uma nação, em proporções iguais e tem os mesmos direitos legislativos das casas convencionais, o Senado e a Câmara dos Deputados.

Salgado, Plínio; (1945). Integralismo Perante a Nação (2ª ed.). Rio de Janeiro: Editora das Américas.