Tetsuo Okamoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tetsuo Okamoto
Swimming pictogram.svg Natação Swimming pictogram.svg
Nome completo Tetsuo Okamoto
Estilo Nado livre
Nascimento 30 de março de 1932
Marília,  São Paulo
Falecimento 2 de outubro de 2007 (75 anos)
Marília, (SP)
Medalhas
Jogos Olímpicos
Bronze Helsinque 1952 1500 metros livres
Jogos Pan-Americanos
Ouro Buenos Aires 1951 400 metros livres
Ouro Buenos Aires 1951 1500 metros livres
Prata Buenos Aires 1951 4x200 metros livres

Tetsuo Okamoto (Marília, 20 de março de 1932 – Marília, 2 de outubro de 2007) foi um geólogo, administrador de empresas e nadador brasileiro.[1] [2]

Foi o primeiro atleta a ganhar uma medalha olímpica da história da natação brasileira. Foi uma medalha de bronze conquistado nos Jogos de Helsinque, em 1952, nos 1.500 metros livre.[2] No ano anterior já havia sido o primeiro campeão pan-americano da natação, com a medalha de ouro nos 400 m livre e nos 1.500 m livre na primeira edição dos jogos, em Buenos Aires, em 1951.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Okamoto procurou o esporte porque sofria de asma. Suas primeiras braçadas foram no Yara Clube, de Marília. Em 1950, depois de competir nos Estados Unidos com os atletas americanos e japoneses, descobriu que precisava mudar o método de treinamento. Na época, nadava 1.500 metros por dia. E foi orientado pelos estrangeiros a treinar muito mais. Passou a nadar 10 mil metros. A mudança deu certo.[4]

Em janeiro de 1951, ele quebrou o recorde sul-americano pela primeira vez. Ele nadou os 1500m livres em 19m24s3, baixando 40 segundos o recorde brasileiro e 13 segundos o recorde sul-americano.[4]

Ele esteve nos Jogos Pan-americanos inaugurais, os Jogos Pan-Americanos de 1951, em Buenos Aires, Argentina, onde ele ganhou duas medalhas de ouro nos 400 e 1500m livres , e uma medalha de prata nos 4x200m livres [5] Nos 1500m livres, ele quebrou novamente seu recorde sul-americano [4]

De volta ao Brasil, foi recebido como herói em Marília, a cidade natal, que decretou feriado municipal. Enquanto desfilava em carro aberto, sua casa era assaltada. Os ladrões foram presos. Okamoto chegou a recusar um carro oferecido pela comunidade japonesa como prêmio pelo resultado inédito na Argentina. Como era atleta amador, temia que o presente pudesse ser visto como pagamento e, conseqüentemente, profissionalização, e lhe tirasse a chance de ir aos Jogos de Helsinque.[6]

Ainda em Buenos Aires, não houve muita comemoração pelas medalhas no Pan. A Argentina vivia sob ditadura e os atletas ficaram hospedados em acampamento militar. A alimentação era de caserna, não estavam nem aí, contava Okamoto. Mas o jantar em um restaurante de Buenos Aires, com direito a um bife, serviu de festa pelo ouro nos 1.500 metros. Foi o máximo de luxo concedido ao herói brasileiro.[3] [6]

Três semanas após o Pan, ele quebrou o recorde sul-americano dos 400m livre, marcando 4m41s5. O recorde sul-americano desta prova nunca tinha estado nas mãos de um brasileiro.[7]

No Campeonato Sul-Americano de Lima, Peru, em março de 1952, Tetsuo ganhou a medalha de ouro nos 400, 800 e 1500 metros livres [7]

Nas Olimpíadas de de Helsinque no ano seguinte Okamoto competiu nos 1500 m livres, a mais difícil da natação, contra o norte-americano James McLane, o havaiano Ford Konno, entre outros; na prova do dia 3 de agosto de 1952 ele chegou em terceiro, recebendo a primeira medalha olímpica do Brasil na natação.[3] Nessa prova, Tetsuo ganhou as eliminatórias com um tempo de 19m05s6, novo recorde sul-americano. Na final, ele ganhou a medalha de bronze com o novo recorde sul-americano de 18m51s3. Este recorde duraria dez anos.[7]

Morreu em São Paulo, aos 75 anos, vítima de insuficiência respiratória e cardíaca. Okamoto também sofria com problemas renais e fazia hemodiálise.[6] [8] [9] [10]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Morre Tetsuo Okamoto, primeiro medalhista olímpico do Brasil». 
  2. a b «Perfil no Sports Reference». Sports Reference. 2013. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  3. a b c Gilberto Maringoni. O peixe-voador in Mitsubishi Revista, n 16, dezembro 2004 Trip [S.l.] 
  4. a b c «O inesquecível Tetsuo - Parte I». Best Swimming. 28 de março de 2008. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  5. «Medalhas o Brasil no Pan de 1951». UOL. 2007. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  6. a b c «Primeiro nadador medalha de ouro em Pans morre em Marília». UOL. 2 de outubro de 2007. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  7. a b c «O inesquecível Tetsuo - Parte II». Best Swimming. 5 de abril de 2008. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  8. «Morre aos 75, pioneiro da natação». Folha de S.Paulo. 3 de outubro de 2007. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  9. «Morre o primeiro nadador brasileiro medalhista em Pans». Terra. 2 de outubro de 2007. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  10. «Morre nadador que ganhou a primeira medalha no Pan para o Brasil». Estadão. 2 de outubro de 2007. Consultado em 10 de abril de 2013.