The Chinese Room

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o estúdio de jogos eletrônicos. Para o argumento sobre inteligência artifical, veja Quarto chinês.
The Chinese Room Ltd
Privada
Atividade Indústria de jogos eletrônicos
Fundação 2007
Sede Brighton,  Inglaterra
Pessoas-chave Dan Pinchbeck
Jessica Curry
Empregados 2 (2017)
Produtos Dear Esther
Korsakovia
Amnesia: A Machine for Pigs
Everybody's Gone to the Rapture
Website oficial thechineseroom.co.uk

The Chinese Room Ltd (anteriormente conhecida como Thechineseroom Limited até 11 de junho de 2013)[1] é um estúdio de desenvolvimento de jogos eletrônicos independentes britânico mais conhecido pelos seus jogos no estilo "simulador de caminhada",[2] como a modificação de Half-Life 2, Dear Esther, juntamente com o desenvolvimento cooperativo do seu remake. A empresa originou-se como uma equipe de modificações para Half-Life 2 com sede na Universidade de Portsmouth em 2007. O nome do estúdio é baseado no argumento do quarto chinês realizado por John Searle, entretanto, o logotipo do origami é um símbolo japonês.

História[editar | editar código-fonte]

Modificações (2007–2009)[editar | editar código-fonte]

Os primeiros três projetos da Thechineseroom foram dois mods do jogo Half-Life 2, chamadas Antlion Soccer e Dear Esther, e um mod de Doom 3 intitulado Conscientious Objector. O projeto das modificações recebeu apoio do Conselho de Pesquisa em Artes e Humanidades. Destes, Dear Esther tornou-se um clássico cult. Em 2009, a Thechineseroom desenvolveu Korsakovia, que era um mod de gênero survival horror.[3][4]

Jogos (2009–2017)[editar | editar código-fonte]

Após o lançamento de Korsakovia, a Thechineseroom trabalhou com Robert Briscoe para desenvolver um remake de Dear Esther, desta vez como um jogo completo, distribuído digitalmente pela plataforma Steam da Valve Corporation. Esta versão autônoma do mod recebeu várias nomeações para o IGF, como o Prêmio Seamus McNally, Excelência em Artes Visuais e Áudio e o Prêmio Nuovo.[5] Enfim, ganhou na categoria de Excelência em Artes Visuais.[6] O remake apresentou gráficos melhorados, mas que também foi baseado no mesmo motor de jogo que os mods anteriores, o Source. O jogo foi lançado no início de 2012 e recuperou seu próprio investimento de US$ 55.000 em menos de seis horas de lançamento, quando 16 mil cópias do jogo foram vendidas. Uma semana após o lançamento, o jogo atingiu 50 mil cópias vendidas.

Em fevereiro de 2012, a Thechineseroom anunciou que eles haviam iniciado o desenvolvimento de Amnesia: A Machine for Pigs, um jogo de survival horror e uma sequência indireta de Amnesia: The Dark Descent. Este projeto foi produzido com a participação da Frictional Games, os criadores do jogo original.[7][8] Posteriormente, esta sequência foi lançada em 10 de setembro de 2013.[9]

A Thechineseroom também anunciou o início do trabalho em seu novo título, Everybody's Gone to the Rapture, em conjunto com o desenvolvimento de Amnesia: A Machine for Pigs.[1] Durante esse período, em 12 de julho de 2013, o estúdio foi renomeado de Thechineseroom para The Chinese Room. Inicialmente desenvolvido para computadores (PC), a equipe estava com medo de que não recebesse fundos suficientes dos fãs. Em vez disso, eles se associaram ao estúdio Santa Monica da Sony Computer Entertainment para produzir o jogo. O projeto de desenvolvimento foi reanimado na Gamescom 2013 durante a conferência da Sony, onde foi anunciado como sendo um exclusivo de PlayStation 4. Por fim, o jogo foi lançado em 11 de agosto de 2015.[10]

Encerramento (2017)[editar | editar código-fonte]

No final de julho de 2017, os diretores da The Chinese Room, Dan Pinchbeck e Jessica Curry, demitiram todo o seu pessoal — nesse ponto, a equipe era composta por oito pessoas — e abandonaram seu escritório em Brighton para casa. Eles citaram que a falta de capacidade em pagar seus funcionários durante a produção entre os projetos como o motivo do encerramento e expressaram suas intenções de que o próprio estúdio ainda estava funcionando sem a equipe de desenvolvimento, com Pinchbeck e Curry trabalhando em prototipagem e adquirindo fundos em seus tempos próprios.[11]

Jogos desenvolvidos[editar | editar código-fonte]

Ano Título Nota(s)
2008 Conscientious Objector Modificação
Dear Esther Modificação
Antlion Soccer Modificação
2009 Korsakovia Modificação
2012 Dear Esther
2013 Amnesia: A Machine for Pigs Parceria com a Frictional Games
2015 Everybody's Gone to the Rapture
2017 Dear Esther: Landmark Edition
So Let Us Melt

Referências

  1. a b «Welcome to the New Us». The Chinese Room (em inglês). Consultado em 6 de março de 2018. Arquivado do original em 31 de maio de 2016 
  2. «The Chinese Room is taking a break, partially because it's bored with walking sims». destructoid 
  3. «Korsakovia is like the Silent Hill sequel that never was». destructoid 
  4. «An Esther Binge: Korsakovia». Rock, Paper, Shotgun (em inglês). 21 de setembro de 2009. Consultado em 6 de março de 2018 
  5. Procter, John Polson, Lewie. «Road to the IGF: Thechineseroom's Dear Esther» (em inglês) 
  6. «Independent Games Festival announces fourteenth annual awards winners». Warp Zoned (em inglês). 8 de março de 2012 
  7. «Frictional Confirms Amnesia: A Machine For Pigs». The Escapist (em inglês) 
  8. «Amnesia: A Machine For Pigs announced». Den of Geek (em inglês) 
  9. Room, The Chinese (4:27 AM - 16 Aug 2013). «So, the secret is out- Amnesia: A Machine for Pigs is set for release on 10th September! Can't wait for all you little piggies to play it.». @ChineseRoom (em inglês). Consultado em 6 de março de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. «Everybody's Gone to the Rapture Comes to PS4 August 11th, 2015». PlayStation.Blog (em inglês). Consultado em 6 de março de 2018 
  11. Yin-Poole, Wesley (25 de setembro de 2017). «The doors close on The Chinese Room - for now». Eurogamer (em inglês). Consultado em 6 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]