The Downward Spiral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Downward Spiral
Álbum de estúdio de Nine Inch Nails
Lançamento 8 de Março de 1994
Gravação 1993-1994 Le Pig, Beverly Hills
Record Plant Studios & A&M Studios, Los Angeles
Gênero(s) art rock, rock industrial
Duração 65:02 (lançamento original)
70:38 (versão japonesa)
135:40 (Deluxe Edition)
Gravadora(s) Nothing
Produção Trent Reznor, Flood
Cronologia de Nine Inch Nails
Último
Último
Pretty Hate Machine
(1989)
The Fragile
(1999)
Próximo
Próximo

The Downward Spiral é o terceiro álbum de estúdio da banda Nine Inch Nails lançada em 8 de março de 1994 pela Interscope Records. Foi considerado um dos melhores álbuns da década pouco após seu lançamento, tendo sido incluído na lista de discos essenciais de publicações prestigiadas como a Spin ou a Rolling Stone.

O álbum é levemente conceitual, focado em um personagem que perde as suas crenças neste mundo e, desprovido de valores, entra numa espiral de decadência que acaba em sua morte. Durante o percorrer das faixas, o disco oferece outras metáforas cuja interpretação fica por conta do ouvinte, além de envolver temas como solidão, loucura, descrença religiosa e repulsa social. Muitos deles foram inspirados em discos como The Wall do Pink Floyd e Low do David Bowie.[1]

Durante as turnês da época, Trent Reznor praticamente encarnou o personagem do disco através de performances semi-teatrais e improvisadas, que geralmente envolviam a destruição de instrumentos (principalmente quando estes apresentavam algum defeito) ou mesmo agressão fisíca aos outros integrantes da banda (algumas vezes não-intencionais).

The Downward Spiral tem participações especiais de músicos como Adrian Belew, guitarrista do King Crimson e Stephen Perkins, baterista do Jane's Addiction. Em termos de estrutura, o disco apresenta arranjos diferenciados e técnicas expansivas como o uso de trítonos dissonantes (Hurt), mudanças bruscas de dinâmica (Mr. Self Destruct) e assinaturas de tempo não-convencionais (March of the Pigs). Diversos efeitos foram manipuladas no estúdio para criar timbres originais, além do processamento de faixas de guitarra a ponto de torná-las quase aleatórias. Entre os diversos equipamentos que Reznor utilizou, estão o Pro Tools, o TurboSynth da digidesign, um rack head da Marshall, um sintetizador Prophet VS, e várias guitarras Jackson e Gibson.[2] [3]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Versão Original[editar | editar código-fonte]

  1. "Mr. Self Destruct" - 4:30
  2. "Piggy" - 4:24
  3. "Heresy" - 3:54
  4. "March of the Pigs" - 2:58
  5. "Closer" - 6:13
  6. "Ruiner" - 4:58
  7. "The Becoming" - 5:31
  8. "I Do Not Want This" - 5:41
  9. "Big Man With a Gun" - 1:36
  10. "A Warm Place" - 3:22
  11. "Eraser" - 4:54
  12. "Reptile" - 6:51
  13. "The Downward Spiral" - 3:57
  14. "Hurt" - 6:13
  • A versão japonesa contém a faixa bônus Dead Souls, cover de Joy Division e parte da trilha sonora do filme The Crow

Versão Deluxe[editar | editar código-fonte]

Disco 1[editar | editar código-fonte]

  • É idêntico à versão original. Uma curiosidade é que todas as músicas tiveram seu volume aumentado em 1 decibel.

Disco 2[editar | editar código-fonte]

  1. "Burn" (trilha sonora do filme Natural Born Killers) - 5:00
  2. "Closer (Precursor)" (do halo Closer to God) (remixada por Danny Hyde) - 7:16
  3. "Piggy (Nothing Can Stop Me Now)" (do halo Further Down the Spiral) (remixada por Rick Rubin) - 4:03
  4. "A Violet Fluid" (do hal] March of the Pigs) - 1:04
  5. "Dead Souls" (trilha sonora do filme The Crow) (cover do Joy Division - 4:53
  6. "Hurt (Quiet)" (do halo Further Down the Spiral (US version)) (remixada por Trent Reznor) - 5:08
  7. "Closer to God" (do halo Closer to God) (remixada por Trent Reznor, Sean Beavan e Brian Pollack) - 5:06
  8. "All the Pigs, All Lined Up" (do halo March of the Pigs) - 7:26
  9. "Memorabilia" - 7:22 (do halo Closer to God) (cover de Soft Cell)
  10. "The Downward Spiral (The Bottom)" (do halo Further Down the Spiral) (remixada por John Balance, Peter Christopherson e Drew McDowall) - 7:32
  11. "Ruiner (Demo)" - 4:51
  12. "Liar (Reptile Demo)" - 6:57
  13. "Heresy (Demo)" - 4:00

Recepção e crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[4]
Punknews.org 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[5]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[6]
Sputnikmusic 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg[7]

O álbum recebeu críticas positivas. Em Allmusic.com, o crítico Steve Huey afirma que o hit "Closer" fez de Trent Reznor uma espécie de "shaman pós-moderno" dos Anos 90. O disco foi um sucesso comercial, certificado pela RIAA como disco de platina quádruplo, Na Billboard 200 o álbum alcançou o 2º lugar, passando 115 semanas no chart.[8] Aparece na lista da Revista Spin, 125 Best Albums of the Past 25 Years (Os 125 melhores álbuns dos últimos 25 anos), na 10º posição.[9]

Referências

  1. Steffan Chirazi. (April 1994). "Techno Fear!". Kerrang!. Bauer Media Group.
  2. Huxley 1997, p. 109–110.
  3. Alan Di Perna. (April 1994). "Machine Head". Guitar World. NewBay Media.
  4. Steve Huey. Nine Inch Nails:The Downward Spiral > Review (em Inglês) Allmusic. Visitado em 01 Julho 2011.
  5. Nine Inch Nails - The Downward Spiral (em Inglês) Punknews.org. Visitado em 01 Julho 2011.
  6. The Downward Spiral by Nine Inch Nails (em Inglês) Rolling Stone. Visitado em 01 Julho 2011.
  7. Nine Inch Nails - The Downward Spiral (em Inglês) Sputnikmusic. Visitado em 01 Julho 2011.
  8. Chart history de Nine Inch Nails na Billboard (em Inglês) Billboard.com. Visitado em 01 Julho 2011.
  9. 125 Best Albums of the Past 25 Years - Spin Magazine (em Inglês) Spin.com. Visitado em 01 Julho 2011.



Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Nine Inch Nails é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.