Tifanny Abreu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tifanny Abreu
Vôlei
Nome completo Tifanny Pereira de Abreu
Apelido Tifanny
Representante  Brasil
Nascimento 29 de outubro de 1984 (35 anos)[1]
Paraíso do Tocantins,  Tocantins,[2]  Brasil
Nacionalidade Brasileira
Compleição Altura: 1,91m
Posição Oposto
Clube Vôlei Bauru

Tifanny Pereira de Abreu[3] (Paraíso do Tocantins, 29 de outubro de 1984) é uma jogadora de voleibol brasileira que atua como oposto e ponteira. Foi a primeira transexual a disputar uma partida oficial da Superliga.

Biografia e carreira[editar | editar código-fonte]

Nascida em uma família pobre do antigo norte de Goiás, hoje Estado do Tocantins, não conheceu o pai e teve que ajudar a família desde muito jovem. É a mais nova de sete irmãos. Consciente de que não poderia contar com apoio financeiro em casa, foi através do vôlei que vislumbrou a chance de realizar seus sonhos de vida. Foi então que saiu de casa em busca de dinheiro para fazer a transição de gênero.[4]

O debate sobre a transexualidade no esporte começou em 2015, quando o Comitê Olímpico Internacional (COI) autorizou transexuais no esporte, estabelecendo algumas condições. Entretanto, vale lembrar que em 2003 a organização já havia se manifestado em relação à importância da autonomia da identidade de gênero na sociedade.

Devido a uma atualização nas regras para a inscrição de atletas,prévia aos Jogos Olímpicos de Verão de 2016, o COI deixou de exigir a cirurgia de mudança de sexo e passou a cobrar um ano de tratamento hormonal, em vez de dois anos. Para competir atualmente, a atleta que passar pela mudança de sexo, deve manter o nível de testosterona abaixo de 10nmol/L.[5]

O documento em que o COI define as normas para a participação de transexuais assume que as condições podem ser reconsideradas a qualquer momento,caso novas descobertas médicas e científicas sejam feitas.

Antes de jogar em campeonatos femininos, entrou em quadra ainda como homem pela Superliga A e B no Brasil e em outros campeonatos masculinos nas ligas da Indonésia, Portugal, Espanha, França, Holanda e Bélgica. Enquanto defendia o clube JTV Dero Zele-Berlare da segunda divisão belga,[6] resolveu concluir a transição de gênero. [4]

No início de 2017, recebeu a permissão da Federação Internacional de Voleibol (FIVB) para competir em ligas femininas. Foi quando defendeu o Golem Palmi, time da segunda divisão da Itália.[6] Após esse período, retornou ao Brasil e usou a estrutura do Vôlei Bauru para aprimorar a parte física e voltar para a Europa. A atleta recebeu uma proposta e aceitou defender o time do interior paulista. A liberação para atuar na Superliga veio dois dias antes da estreia oficial, no dia 10 de dezembro, após exames da comissão médica da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).[4]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Após conseguir o dinheiro para realizar sua cirurgia – o custo total gira em torno de R$ 30 mil –, Tifanny abandonou a carreira no vôlei por não ter consciência de que poderia atuar por uma equipe feminina. A intenção era retornar ao Brasil após a transição e buscar uma nova carreira profissional.[4]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Período Clube País Ref.
2008-09 Esmoriz Portugal Portugal [6]
2014 JTV Dero Zele-Berlare  Bélgica [6]
2017 Golem Palmi  Itália [6]
2017-presente Vôlei Bauru  Brasil [4]

Referências

  1. [1]
  2. [2]
  3. «Tifanny, primeiro trans na Superliga feminina: 'O amor vencerá'». VEJA.com. 9 de janeiro de 2018. Consultado em 25 de fevereiro de 2018 
  4. a b c d e Emilio Botta (20 de dezembro de 2017). «Primeira trans da Superliga sonha com seleção» (html). globo.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  5. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome GE - Primeira trans da Superliga
  6. a b c d e Rui Marques Simões (22 de fevereiro de 2017). «Rodrigo virou Tiffany, o ícone transexual que agita o voleibol» (html). DN.pt. Consultado em 10 de fevereiro de 2018