Tony Abbott

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tony Abbott
Tony Abbott
Primeiro-ministro da  Austrália
Período 18 de setembro de 2013 - 15 de setembro de 2015
Antecessor(a) Kevin Rudd
Sucessor(a) Malcolm Turnbull
Vida
Nascimento 4 de novembro de 1957 (58 anos)
Londres, Reino Unido
Dados pessoais
Primeira-dama Margie Abbott
Partido Partido Liberal da Austrália
Profissão Jornalista, gestor e conselheiro político

Anthony John "Tony" Abbott (Londres, 4 de novembro de 1957) é um político australiano. Foi líder do Partido Liberal da Austrália e serviu como Primeiro-ministro da Austrália de 2013 a 2015.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começo da vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Tony Abbott nasceu em Londres, na Inglaterra, em 4 de novembro de 1957, filho de uma mãe australiana e um pai britânico. Ele é, pelo lado materno, descendente de holandeses (sua bisavó emigrou dos Países Baixos em 1912).[2] Em 1960, Abbott e seus pais voltaram para a Austrália. Depois de algumas mudanças, sua família se estabeleceu na cidade de Sydney.[3]

Abbott se formou com um bacharelado em economia e direito pela Universidade de Sydney. Ele também foi para Oxford, aprofundando os estudos em filosofia, economia e política.[4]

Em 1984, aos 26 anos, anunciou a família que queria virar padre e se inscreveu no Seminário St Patrick, em Sydney. Ele abandonou esses planos três anos depois. Em 1991, se casou com Margaret "Margie" Aitken, com quem teve três filhas (Louise, Bridget e Frances).[4]

Tony começou sua carreira profissional como jornalista, mas rapidamente ganhou gosto por política.[5] Em 1996 foi eleito para o Parlamento pelo Partido Liberal da Austrália, de centro-direita. Desde eleito até 2007 trabalhou em vários cargos políticos, como Ministro do Emprego, Educação, Formação e Juventude, e do Trabalho e Saúde.[3] Abbott começou a ganhar popularidade dentro do seu partido, sendo taxado como um bom administrador. Sua postura rígida era, contudo, criticada pela oposição.[6] Em 2000 foi apontado para o gabinete do primeiro-ministro John Howard. Trabalhando na saúde, foi creditado a ele diversas melhorias na área. Também recebeu elogios por sua relação com aborígenes, contribuindo para melhores condições de vida destes e melhorando a sua qualidade de educação.[7] Quando seu partido foi para a oposição, em 2007, ele escreveu o livro Battlelines onde criticou vários aspectos da Federação e sugeriu mudanças na plataforma política dos Liberais. O livro foi bem recebido pela crítica.[8]

Em 2008, com a situação econômica do país piorando e a imigração ilegal subindo vertiginosamente, Abbott criticou o primeiro-ministro trabalhista Kevin Rudd e o acusou de ser muito inepto.[9] Em 2009, renunciou ao seu posto no Gabinete de Sombra depois que os Liberais fizeram um acordo com Rudd para concessões na área ambiental, afirmando que só serviria para aumentar impostos. Outros membros do partido seguiram seu exemplo.[10]

Ainda em 2009, foi eleito líder do Partido Liberal, em um apertado pleito. Agora como Líder da Oposição, ele criticou com mais veemência o governo de Kevin Rudd. Defendeu causas que atraíram apoiadores do primeiro-ministro (como o partido verde) ao defender uma ampliação das licenças parentais para os trabalhadores. Ele acusou Rudd e os trabalhistas de imporem altos impostos ao país e de aumentarem os gastos do governo em tempos de crise.[11]

Em 2010, Abbott liderou uma Coalizão nas eleições gerais daquele ano, o que resultou em um parlamento suspenso, mas o Partido Trabalhista conseguiu formar um governo.[12] Como líder da Oposição, fez duras críticas as políticas da nova primeira-ministra Julia Gillard.[13]

Primeiro-ministro[editar | editar código-fonte]

Tony Abbott sendo empossado como primeiro-ministro pela governadora-geral Quentin Bryce, em 2013.

Nas eleições de 2013, sua Coalizão conseguiu maioria no Parlamento e ele foi apontado como o 28º Primeiro-ministro da Austrália, em 8 de setembro de 2013.[14]

Um vez no cargo de primeiro-ministro, ele reverteu políticas ambientais de seus predecessores, que julgava não ser bom para a economia. Ele também endureceu as leis de imigração e iniciou a chamada "Operação Sovereign Borders" (Fronteiras Soberanas) com o objetivo de barrar a imigração ilegal ao país pelo mar. Esta medida foi bem aceita pelo eleitorado.[15] Abbott também apontou uma Comissão de Comércio e Corrupção, em fevereiro de 2014, para gerar mais transparência.[16]

No âmbito externo, Abbott assinou acordos de comércio com Japão, Coreia do Sul e China.[17][18][19] Ele continuou o processo, iniciado por seu antecessor, de retirada das tropas australianas do Afeganistão. Tony também anunciou um investimento de $ 12 bilhões na compra de caças F-35 dos Estados Unidos.[20] Na verdade, seu governo manteve uma política externa alinhada ao dos americanos, unindo-se a eles para combater no Iraque o grupo terrorista auto-proclamado Estado Islâmico, com a força aérea australiana lançando bombardeios esporádicos contra as bases dos terroristas.[21]

Abbott foi criticado por sua relação com os aborígenes australianos. Ele fez promessas, onde afirmou que daria mais assistência e representatividade aos indígenas, contudo acabou cortando mais de $ 600 milhões de dólares em programas para aborígenes.[22]

Na economia, anunciou uma série de cortes e controle de gastos governamentais, numa tentativa de tentar reverter o quadro ruim pelo qual o país passava.[23] A recuperação econômica, contudo, foi lenta e isso começou a erodir a popularidade de Abbott. A queda no desemprego foi menor que a esperada e a inflação subiu levemente. Contudo, em 2015, sinais de uma recuperação começaram a surgir, mas ainda de forma tímida.[24]

Âmbito social, se opôs ao casamento de pessoas do mesmo sexo, favoreceu uma rígida política anti-imigração e reduziu o número de asilos políticos oferecidos por seu país. Na questão ambiental, reverteu boa parte das políticas de preservação e energia limpa que seus predecessores fizeram. Chegou ao ponto de apontar madeira como uma fonte de energia renovável, algo que foi criticado pela imprensa e por ambientalistas.[25] Na saúde, cortou cerca de $ 5 milhões de dólares em financiamento pública para Cruz Vermelha, a única organização australiana que coleta sangue.[26]

A lenta recuperação econômica, gafes e falha em cumprir várias promessas de campanha acabaram puxando para baixo a popularidade de Tony Abbott. Em meados de 2015, apenas 33% da população da Austrália aprovava seu governo, enquanto 57% desaprovavam.[27]

Em 14 de setembro de 2015, ele foi derrotado na votação para liderança do Partido Liberal e teve que ceder o cargo de primeiro-ministro para o vencedor da disputa, Malcolm Turnbull.[28]

Referências

  1. «Glossary - government» (PDF). Australian Electoral Commission. Australian Government. Consultado em 25 de março de 2013. 
  2. RACIAL HATRED BILL 1994 Second Reading "I have one paternal grandfather from England and a maternal grandfather from Holland, yet I do not believe I should say that I am a Dutch Australian or an Anglo-Australian, simply an Australian."
  3. a b "Profile: Tony Abbott". Página acessada em 15 de setembro de 2015.
  4. a b «The facts of Tony Abbott's life». ABC News (Australia [s.n.]). AAP. Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  5. "The missing element of self-doubt". Página acessada em 15 de setembro de 2015.
  6. "Labor may leave Ryan to Liberals after Moore departs". Página acessada em 15 de setembro de 2015.
  7. Hartcher, Peter. «Will the real Tony please stand up?». The Sydney Morning Herald [S.l.: s.n.] Consultado em 26 de junho de 2013. 
  8. Milne, Glenn. «A new battleline for Liberal ideas». The Australian [S.l.: s.n.] Consultado em 5 de junho de 2010. 
  9. «Indonesian solution 'a shambles'». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 8 de agosto de 2010. 
  10. Grattan, Michelle; Murphy, Katharine; Schubert, Misha. «Liberal Leadership Challenge: Malcolm Turnbull». The Age (Melbourne [s.n.]). Consultado em 27 de abril de 2010. 
  11. «Tony Abbott's budget reply». ABC (Austrália [s.n.]). 13 de maio de 2010. Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  12. Curtis, Lyndal. «Labor forms government». ABC Radio [S.l.: s.n.] Consultado em 11 de setembro de 2013. 
  13. Abbott, Tony (12 de maio de 2011). «Full text of Tony Abbott's budget reply speech». The Australian [S.l.: s.n.] 
  14. «Abbott sworn in as Australia's PM». Al Jazeera English [S.l.: s.n.] Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  15. «Australians want boat arrivals treated more harshly: poll». Sydney Morning Herald [S.l.: s.n.] 8 de janeiro de 2014. Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  16. «Prime Minister Tony Abbott announces royal commission to "shine spotlight" on alleged union corruption». ABC News (Australia [s.n.]). Consultado em 21 de março de 2014. 
  17. «South Korea-Australia Economic Partnership Agreement». DFAT. Australia. Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  18. «Japan-Australia Economic Partnership Agreement». DFAT. Australia. Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  19. «Free trade agreement: Dairy farmers set to be big winners in deal between Australia and China». ABC. Australia. Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  20. «Australia to buy 58 more joint strike fighters». ABC News (Australia [s.n.]). 23 de abril de 2014. 
  21. Hudson, Phillip. «Cabinet approves Australian airstrikes in Iraq». The Australian [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de outubro de 2014. 
  22. Griffiths, Emma (12 de fevereirode 2014). «Closing the Gap: Tony Abbott delivers mixed report card on Indigenous disadvantage». ABC News (Australia [s.n.]). Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  23. "Tony Abbott's campaign launch speech: full transcript". Página acessada em 15 de setembro de 2015.
  24. "Australia's jobs report: A recovery begins?". Página acessada em 15 de setembro de 2015.
  25. «Renewable Energy Target: Legislation to cut RET passes Federal Parliament». ABC [S.l.: s.n.] Consultado em 9 de janeiro de 2015. 
  26. Harrison, Dan. «Abbott government cuts Red Cross $5 million grant». The Sydney Morning Herald [S.l.: s.n.] Consultado em 9 de janeiro de 2015. 
  27. "Approval of Tony Abbott". Página acessada em 15 de setembro de 2015.
  28. "Australia PM Tony Abbott Ousted by Malcolm Turnbull". Página acessada em 15 de setembro de 2015.
Precedido por
Kevin Rudd
Primeiro-ministro da Austrália
2013 - 2015
Sucedido por
Malcolm Turnbull
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.