Tratado de Itaipu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Tratado de Itaipu é o instrumento legal para o aproveitamento hidrelétrico do Rio Paraná pelo Brasil e pelo Paraguai, assinado em Brasília em 26 de abril de 1973, no qual o Paraguai se obrigou a vender o excedente energético ali produzido, ao Brasil até 2023.[1]

Este tratado tem sido alvo de inúmeras críticas no Paraguai, e voltou a ser questionado na imprensa paraguaia quando o presidente Lula da Silva visitou esse país em 2007, pois representa, segundo estes, uma forma de imperialismo por parte do Brasil[carece de fontes?].

Em 2007 Itaipu supriu 20% das necessidades de energia elétrica do Brasil e cerca de 95% das necessidades do Paraguai. Em 2007, Itaipu por meio da energia paga pelo Brasil, contribuiu para o Paraguai com um benefício econômico de cerca de US$ 1,5 bilhão, valor correspondente a cerca de 19% do PIB desse país. O valor efetivamente pago ao Paraguai pela sua cessão de energia corresponde a aproximadamente US$ 42/MWh (ou R$ 71/MWh)[carece de fontes?].

Referências

  1. Águas furtadas Jornal Gazeta do Povo - edição comemorativa de n° 30.000 - acessado em 8 de dezembro de 2012

Ligações externas[editar | editar código-fonte]