UCI World Tour de 2011

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
2010 << UCI World Tour de 2011 >> 2012
Classificações (27 corridas)
Individual Bélgica Philippe Gilbert
Equipas Bélgica Omega Pharma-Lotto
Países  Itália

O UCI World Tour de 2011 foi a primeira edição da competição ciclista chamada UCI World Tour.

Apesar da nova denominação considerou-se herdeira directa do UCI World Ranking com as suas corridas denominadas UCI World Calendar já que adoptou a maioria de normas dela. No entanto, as equipas pertencentes à categoria Profissional Continental (segunda categoria) voltaram a deixar de pontuar (só têm direito à participação) pelo que nesse aspecto se assemelhou mais ao extinto UCI ProTour.

A corrida do Tour de Pequim foi acrescentada ao calendário, convertendo-se na primeira prova asiática que se disputa no calendário mundial de máxima categoria; substituindo, em certa maneira, à Paris-Tours que baixou de categoria em 2008.

Equipas (18)[editar | editar código-fonte]

Ver UCI ProTeam

Estas equipas têm a participação assegurada e obrigada em 27 corridas do UCI World Tour. A diferença de anos anteriores no que tinham preferência as equipas que decidiam renovar a licença desta vez optaram a ser equipa ProTour os 15 primeiros de uma classificação desportiva criada pela UCI baseada nos resultados obtidos pelos 12 melhores ciclistas contratados para a temporada seguinte nos dois anos precedentes,[1][2] mais 3 "convidados" do posto 16º ao 20º desse ranking. Esses 3 convidados foram o Euskaltel-Euskadi, Quick Step Cycling Team e Ag2r La Mondiale classificados respectivamente nos postos 16º, 18º e 20º de dito ranking.[3][4]

Com respeito aos equipas da passada temporada entraram a equipa criada nessa mesma temporada Luxembourg Pro Cycling Project (que depois se renomeou para Leopard Trek), os promovidos BMC Racing Team e Vacansoleil-DCM Pro Cycling Team e saíram as equipas despromovidas Geox-TMC (antigo Footon-Servetto) e FDJ e o desaparecido Team Milram. Sendo estes as equipas UCI ProTeam de 2011:[5]

Código
UCI
Equipa
ALM França Ag2r La Mondiale
BMC Estados Unidos BMC Racing Team
EUS Espanha Euskaltel-Euskadi
THR Estados Unidos HTC-Highroad
KAT Rússia Katusha Team
LAM Itália Lampre-ISD
LIQ Itália Liquigas-Cannondale
MOV Espanha Movistar Team
OLO Bélgica Omega Pharma-Lotto
AST Cazaquistão Pro Team Astana
QST Bélgica QuickStep Cycling Team
RAB Países Baixos Rabobank Cycling Team
SBS Dinamarca Saxo Bank Sungard
SKY Reino Unido Sky Procycling
GRM Estados Unidos Team Garmin-Cervélo
LUX Luxemburgo Leopard Trek
RSH Estados Unidos Team RadioShack
VAC Países Baixos Vacansoleil-DCM Pro Cycling Team

Também, como vem sendo habitual, também participaram selecções nacionais (com corredores de equipas dos Circuitos Continentais UCI) nas corridas de países com pouca tradição ciclista que foram o Tour Down Under (selecção chamada UniSA-Austrália), a Volta à Polónia (selecção chamada Reprezentacja Polski) e o Tour de Pequim (selecção chamada Chinese National Cycling Team) que só tiveram uma permissão especial para correr nessas corridas mais especificamente.[6] Essas participações produzir-se-ão sem que os corredores de ditas selecções possam aspirar a obter pontuação (nem obviamente essa selecção nem a equipa oficial do corredor).[7] Essas corridas com essas selecções foram as únicas excepções nas que se permitiu correr a corredores sem passaporte biológico já que algum dos seleccionados não estiveram em equipas aderidas a dito passaporte.[8]

Ver artigo principal: Circuitos Continentais UCI#2011

A diferença dos últimos 3 anos todas as equipas desta categoria tiveram acesso às corridas de máximo nível para isso se puseram uns requisitos mais estritos com a obligatóriedade de se aderir ao passaporte biológico.[9] No entanto, o número de equipas nesta categoria cresceu com respeito aos últimos 2 anos onde tinha menos requisitos e estes unicamente aumentavam em caso de querer disputar as corridas de máximo nível, podendo pontuar também na máxima classificação mundial do anteriormente chamado UCI World Ranking, ainda que desta vez nenhum deles aspirou a obter pontuação nesta classificação mundial renomeada por UCI World Tour. A equipa desta categoria que correu mais corridas do UCI World Tour de 2011 foi o Cofidis, le Crédit en Ligne com 16.

Corridas (27)[editar | editar código-fonte]

Data[10] Corrida[10] Vencedor Equipa do vencedor
18-23 de janeiro Austrália Tour Down Under Austrália Cameron Meyer Garmin-Cervélo
6-13 de março França Paris-Nice Alemanha Tony Martin HTC-Highroad
9-15 de março Itália Tirreno-Adriático Austrália Cadel Evans BMC Racing
19 de março Itália Milão-Sanremo Austrália Matthew Goss HTC-Highroad
21-27 de março Espanha Volta à Catalunha Itália Michele Scarponi Lampre-ISD
27 de março Bélgica Gante-Wevelgem Bélgica Tom Boonen QuickStep
3 de abril Bélgica Tour de Flandres Bélgica Nick Nuyens Saxo Bank
4-9 de abril Espanha Volta ao País Basco Alemanha Andreas Klöden RadioShack
10 de abril França Paris-Roubaix Bélgica Johan Vansummeren Garmin-Cervélo
17 de abril Países Baixos Amstel Gold Race Bélgica Philippe Gilbert Omega Pharma-Lotto
20 de abril Bélgica Flecha Valona Bélgica Philippe Gilbert Omega Pharma-Lotto
24 de abril Bélgica Lièje-Bastogne-Lièje Bélgica Philippe Gilbert Omega Pharma-Lotto
26 de abril-1 de maio Suíça Tour da Romandia Austrália Cadel Evans BMC Racing
7-29 de maio Itália Volta a Itália Itália Michele Scarponi Lampre-ISD
5-12 de junho França Critérium de Dauphiné Reino Unido Bradley Wiggins Sky
11-19 de junho Suíça Volta à Suíça Estados Unidos Levi Leipheimer RadioShack
2-24 de julho França Volta a França Austrália Cadel Evans BMC Racing
30 de julho Espanha Clássica de San Sebastián Bélgica Philippe Gilbert Omega Pharma-Lotto
31 de julho-6 de agosto Polónia Volta à Polónia Eslováquia Peter Sagan Liquigas-Cannondale
8-14 de agosto Benelux Eneco Tour Noruega Edvald Boasson Hagen Sky
20 de agosto-11 de setembro Espanha Volta a Espanha Espanha Juan José Cobo Acebo Geox-TMC
21 de agosto Alemanha Vattenfall Cyclassics Noruega Edvald Boasson Hagen Sky
28 de agosto França Grande Prémio de Plouay Eslovénia Grega Bole Lampre-ISD
9 de setembro Canadá Grande Prémio do Quebec Bélgica Philippe Gilbert Omega Pharma-Lotto
11 de setembro Canadá Grande Prêmio de Montreal Portugal Rui Costa Movistar
5-9 de outubro China Tour de Pequim[11] Alemanha Tony Martin HTC-Highroad
15 de outubro Itália Giro da Lombardia Suíça Oliver Zaugg Leopard Trek

Classificações[editar | editar código-fonte]

Nota: ver Barómetros de pontuação

Estas são as classificações finais:[12]

Classificação individual[editar | editar código-fonte]

Posição Ciclista Equipa Pontos
1
Bélgica Philippe Gilbert Omega Pharma-Lotto 718
2
Austrália Cadel Evans BMC Racing 584
3
Espanha Joaquim Rodríguez Katusha 446
4
Itália Michele Scarponi Lampre-ISD 419
5
Alemanha Tony Martin HTC-Highroad 349
6
Espanha Samuel Sánchez Euskaltel-Euskadi 317
7
Itália Vincenzo Nibali Liquigas 310
8
República da Irlanda Daniel Martin Garmin-Cervélo 296
9
Reino Unido Bradley Wiggins Sky 289
10
Luxemburgo Frank Schleck Leopard Trek 284

Classificação por países[editar | editar código-fonte]

A classificação por países calcula-se somando os pontos dos cinco melhores corredores da cada país. Os países com o mesmo número de pontos classificam-se de acordo a seu corredor melhor classificado.

Posição País Pontos Top 5 corredores
1
 Itália 1.302 Scarponi (419), Nibali (310), Basso (250), Cunego (213), Pinotti (110)
2
 Bélgica 1.184 Gilbert (718), Boonen (140), Van den Broeck (125), Nuyens (101), Vansummeren (100)
3
 Austrália 1.092 Evans (584), Goss (217), Gerrans (111), Meyer (106), Matthews (74)
4
 Espanha 1.076 Rodríguez (446), Sánchez (317), Intxausti (118), Tondo (100), Rojas (95)
5
 Reino Unido 947 Wiggins (289), Froome (230), Millar (185), Cavendish (152), Swift (91)
  • Total de países com pontuação: 35

Classificação por equipas[editar | editar código-fonte]

A classificação por equipas calcula-se somando os pontos dos cinco melhores corredores da cada equipa. As equipas com o mesmo número de pontos classificam-se de acordo a seu corredor melhor classificado.

Posição Equipa Pontos Top 5 corredores
1
Bélgica Omega Pharma-Lotto 1.101 Gilbert (718), Greipel (132), Van Den Broeck (125), Roelandts (66), Vanendert (60)
2
Reino Unido Sky Procycling 1.069 Wiggins (289), Hagen (260), Froome (230), Urán (179), Gerrans (111)
3
Luxemburgo Leopard Trek 1.024 F. Schleck (284), A. Schleck (252), Cancellara (252), Fuglsang (136), Zaugg (100)
4
Estados Unidos HTC-Highroad 892 Martin (349), Goss (217), Cavendish (152), Pinotti (110), Sivtsov (58)
5
Estados Unidos BMC Racing 887 Evans (584), Ballan (100), van Avermaet (90), Phinney (71), Frank (42)
  • Total de equipas com pontuação: 18 (todos).

Progresso das classificações[editar | editar código-fonte]

Corrida
(Vencedor)
Classificação individual Classificação por equipas Classificação por países
Tour Down Under
(Cameron Meyer)
Cameron Meyer Rabobank Austrália
Paris-Nice
(Tony Martin)
Tony Martin HTC-Highroad
Tirreno-Adriático
(Cadel Evans)
Cadel Evans
Milão-Sanremo
(Matthew Goss)
Matthew Goss
Volta à Catalunha
(Michele Scarponi)
Michele Scarponi
Gante-Wevelgem
(Tom Boonen)
Tour de Flandres
(Nick Nuyens)
Volta ao País Basco
(Andreas Klöden)
RadioShack
Paris-Roubaix
(Johan Vansummeren)
Fabian Cancellara Itália
Amstel Gold Race
(Philippe Gilbert)
Austrália
Flecha Valona
(Philippe Gilbert)
Philippe Gilbert Bélgica
Lièje-Bastogne-Lièje
(Philippe Gilbert)
Leopard Trek
Tour da Romandia
(Cadel Evans)
HTC-Highroad
Volta a Itália
(Michele Scarponi)
Michele Scarponi Itália
Critérium de Dauphiné
(Bradley Wiggins
Volta à Suíça
(Levi Leipheimer)
Volta a França
(Cadel Evans)
Cadel Evans Leopard Trek
Clássica de San Sebastián
(Philippe Gilbert)
Volta à Polónia
(Peter Sagan)
Eneco Tour
(Edvald Boasson Hagen)
Vattenfall Cyclassics
(Edvald Boasson Hagen)
Grande Prêmio de Plouay
(Grega Bole)
Grande Prémio do Quebec
(Philippe Gilbert)
Philippe Gilbert
Volta a Espanha
(Juanjo Cobo)
Grande Prémio de Montreal
(Rui Costa)
Omega Pharma-Lotto
Tour de Pequim
(Tony Martin)
Giro de Lombardia
(Oliver Zaugg)
Final Philippe Gilbert Omega Pharma-Lotto Itália

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «O novo cisma que nos chega no ciclismo». Biciciclismo. 9 de agosto de 2010. Consultado em 31 de dezembro de 2010 
  2. «A UCI anula as wild card e primará os resultados dos corredores nos ProTour». Biciciclismo. 17 de junho de 2010. Consultado em 23 de dezembro de 2010 
  3. «A Comissão de Licenças decidirá os ProTour: 16 equipas para 14 lugares». www.biciciclismo.com 
  4. «Equipas ProTeam: Geox-TMC e Cofidis, fora; Euskaltel, dentro (Comunicado integral da UCI)». www.biciciclismo.com 
  5. «2011 UCI ProTeams». www.uciworldtour.com 
  6. «UCI CYCLING REGULATIONS-(version on 24.07.09)-PART 2 ROAD RACES-Chapter I CALENDAR AND PARTICIPATION-2.1.005 International races and participation» (em inglês). UCI. Consultado em 23 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 9 de maio de 2010 
  7. «UCI CYCLING REGULATIONS-(version on 24.07.09)-PART 2 ROAD RACES-Chapter X UCI WORLD RANKING (chapter replaced on 1.01.09)-Individual classification-2.10.002» (em inglês). UCI. Consultado em 23 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 9 de maio de 2010 
  8. «As ambições chinesas do ciclismo-Desenvolvimento do ciclismo asiático». web.archive.org 
  9. «A UCI anula as wild card e primará os resultados dos corredores nos ProTour». Biciciclismo. 17 de junho de 2010. Consultado em 15 de dezembro de 2010 
  10. a b «2011 UCI World Tour - Races» (em inglês). UCI World Tour. Consultado em 1 de janeiro de 2010 
  11. «O Tour de Beijing, nova prova do UCI World Tour em 2011». www.biciciclismo.com 
  12. «UCI World Tour Ranking - 2011» (em inglês). UCI. 17 de outubro de 2011. Consultado em 13 de setembro de 2012. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]