Verdilhão-serrano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaVerdilhão-serrano
Carduelis citrinella.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Fringillidae
Género: Carduelis
Espécie: C. citrinella
Nome binomial
Carduelis citrinella
Pallas, 1764
Sinónimos
Serinus citrinella

O verdilhão-serrano (Carduelis citrinella) é uma ave da família Fringillidae. É bastante parecido com o chamariz, podendo ser distinguido pela plumagem cinzenta na nuca.

Esta espécie nidifica nas terras altas do sul da Europa (Alpes e Pirenéus). Em Portugal a sua ocorrência é acidental.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O verdilhão-serrano tem um comprimento de 12 a 13cm,[1] [2] um peso de 11 a 14g e uma envergadura entre asas de 22cm.[1] O macho tem as partes inferiores amarelas e as superiores amarelas-esverdeadas,[1] [3] as asas pretas com 2 barras amarelas-esverdeadas,[1] [4] a cauda castanha escura,[3] o uropígio amarelo, a nuca e os lados do peito cinzentos, a testa e o mento amarelos.[1] A fêmea é mais acinzentada do que o macho, com cores mais baças e menos amarelo-esverdeado, o dorso é ligeiramente estriado.[1] Os juvenis são castanhos-acinzentados, com as partes inferiores estriadas de castanho escuro, as barras alares cor-de-camurça e ausência das cores amarela e esverdeada.[1]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Distribui-se pelas regiões montanhosas da Europa Ocidental e Central[1] dos seguintes países: Alemanha, Andorra, Áustria, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, França, Itália, Liechtenstein, Montenegro, Portugal, República Checa, República da Macedónia, Sérvia, Suíça.[5]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Descrito por Pallas em 1764, com o nome de Fringilla citrinella. [6] Durante muito tempo foi considerado, juntamente com o verdilhão-corso (Carduelis corsicana), como subespécies mas estudos recentes, baseados em particular na sequência do ADN mitocondrial (Sangster, 2000, Pasquet & Thibault, 1997, Förschler et al. 2009), mas também nas diferenças na morfologia e nas vocalizações (Förschler & Kalko, 2007), levaram alguns autores a considerá-los duas espécies diferentes.[7] Ambos estavam incluídos no género Serinus mas parecem ser parentes próximos do pintassilgo,[8] pelo que foram integrados no género carduelis,[7] embora não seja consensual. Sem subespécies.[6]

Habitat[editar | editar código-fonte]

O verdilhão-serrano é um pássaro de montanha, pelo que pode ser encontrado a partir dos 700m de altitude[1] até à linha das árvores, a cerca de 1300-1500m, chegando a frequentar altitudes de mais de 3300m fora da época de reprodução.[4] Os seus habitats naturais situam-se nas regiões montanhosas da Europa como a Cordilheira Cantábrica, as serras de Castela Velha e os Pirenéus, em Espanha; o Maciço central, os Vosges, o Jura, os Alpes e os Pirenéus, em França; os Alpes austríacos e italianos;[1] a Floresta Negra, na Alemanha[4] [9] É comum nas clareiras das florestas de coníferas de montanha (pinheiros, píceas), nas encostas rochosas semeadas de arbustos e abetos,[1] preferindo como território de reprodução florestas abertas de coníferas,[4] [10] geralmente contíguas a prados alpinos ou pequenos bosques de píceas dispersas em terreno aberto.[4] Sempre ligado às árvores, não gosta de florestas densas.[4]

Macho nos Pirenéus, França

Alimentação[editar | editar código-fonte]

O verdilhão-serrano alimenta-se de diversas sementes de gramíneas e de ervas, debicando no solo ou agarrando-se aos caules das plantas, e também de insectos.[1] As sementes de coníferas, como os pinheiros ou os abetos, são também importantes na sua dieta.[4]

Nos Pirenéus, consome principalmente sementes de diversas ervas e plantas herbáceas como o Chenopodium album, o dente-de-leão (Taraxacum officinalis) ou o cardo (Cirsium eriophorum) e sementes de pinheiros como o pinheiro-larício (Pinus nigra), o pinheiro-da-escócia (P.sylvestris) ou o pinheiro-das–montanhas (Pinus uncinata ou pinus mugo uncinata). [11] Na Floresta Negra e nos Pré-Pirenéus, durante a época de reprodução, alimenta-se principalmente de sementes de dente-de-leão e de pinheiro-larício.[12]

Nidificação[editar | editar código-fonte]

Carduelis citrinella MHNT

A época de reprodução inicia-se nos finais de Abril, princípios de Maio,[1] [4] nas regiões subalpinas, e em Março na Catalunha e dura até Junho.[13] O ninho é construído, na maior parte dos casos, no ramo de uma conífera,[4] [10] com caules secos, pauzinhos, líquenes, musgos e raízes e forrado com pêlos e penas.[1] A fêmea põe 4 a 5 ovos,[1] [2] [4] azuis-esverdeados com pintas castanhas e pretas,[1] que incuba durante 13 a 14 dias.[1] [2] [4] Os juvenis permanecem no ninho durante 17 a 18 dias.[1] [2] Por época a fêmea faz 2 posturas.[1] [4]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Obtida por Antonio Arnaiz-Villena et al.[8] [14] e por Zamora et al.[15]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s Oiseaux.net Venturon montagnard Acesso a 14-03-2013
  2. a b c d Schweizerische Vogelwarte Sempach Citril finch. Acesso a 18-03-2013
  3. a b Laboratorio virtual Ibercaja Citril Finch Acesso a 18-03-2013.
  4. a b c d e f g h i j k l Avibirds Citril Finch. Acesso a 16-03-2013
  5. BirdLife International 2013. Alpine Citril Finch Carduelis citrinella. Acesso a 20-03-2013.
  6. a b The Internet Bird Collection Citril finch. Acesso a 20-03-2013.
  7. a b Arnaiz-Villena, A; Gómez-Prieto P, Ruiz-del-Valle V. (2010). "El género Carduelis". Ornitología práctica 42: 1–9.
  8. a b Arnaiz-Villena, Antonio; Alvarez-Tejado M., Ruiz-del-Valle V., García-de-la-Torre C., Varela P, Recio M. J., Ferre S., Martinez-Laso J.. (1998). "Phylogeny and rapid Northern and Southern Hemisphere speciation of goldfinches during the Miocene and Pliocene Epochs". Cell.Mol.Life.Sci. 54(9):1031-41.
  9. Förschler, M.I. & Kalko, E.K.V. (2007): Geographical differentiation, acoustic adaptation and species boundaries in mainland citril finches and insular Corsican finches, superspecies Carduelis [citrinella]. Journal of Biogeography 34:1591-1600. DOI:10.1111/j.1365-2699.2007.01722.x
  10. a b Förschler, M.I. & Kalko, E.K.V. (2006): Breeding ecology and nest site selection in allopatric mainland Citril Finches Carduelis [citrinella] citrinella and insular Corsican Finches Carduelis [citrinella] corsicanus. Journal of Ornithology 147: 553-564. DOI:10.1007/s10336-006-0079-z
  11. Borras, Antoni; Cabrera T., Cabrera J., Senar J. C.. (2003). "The diet of the Citril Finch (Serinus citrinella) in the Pyrenees and the role of Pinus seeds as a key resouce". Journal für Ornithologie 144:345-353.
  12. Förschler, M.I. & Kalko, E.K.V. (2006a): Macrogeographic variations in food choice of mainland citril finches Carduelis [citrinella] citrinella and insular Corsican (citril) finches Carduelis [citrinella] corsicanus. Journal of Ornithology 147: 441-447. DOI:10.1007/s10336-005-0032-6
  13. Borras, Antoni; Senar J. C.. (1991). "Opportunistic breeding of the Citril Finch Serinus citrinella)". Journal für Ornithologie 132(3):285-289.
  14. Arnaiz-Villena, Antonio; Gomez-Prieto P, Ruiz-del-Valle V. Phylogeography of Finches and Sparrows. [S.l.]: Nova Science, 2009. ISBN 978-1-60741-844-3
  15. Zamora, J; Moscoso J, Ruiz-del-Valle V, Ernesto L, Serrano-Vela JI, Ira-Cachafeiro J, Arnaiz-Villena A. (2006). "Conjoint mitochondrial phylogenetic trees for canaries Serinus spp. and goldfinches Carduelis spp. show several specific polytomies". Ardeola 53(1): 1–17.
  • Pasquet, E. & Thibault, J.-C. (1997): Genetic differences among mainland and insular forms of the Citril Finch Serinus citrinella. Ibis, 139: 679–684. DOI:10.1111/j.1474-919X.1997.tb04691.x
  • Sangster, G. (2000): Genetic distance as a test of species boundaries in the Citril Finch Serinus citrinella: a critique and taxonomic reinterpretation. Ibis 142(3): 487–490. DOI:10.1111/j.1474-919X.2000.tb04447.x
  • Förschler, M.I.; Senar, J.C.; Perret, P. & Björklund, M. (2009): The species status of the Corsican Finch Carduelis corsicana assessed by three genetic markers with different rates of evolution. Molecular Phylogenetics and Evolution 52:234-240. DOI:10.1016/j.ympev.2009.02.014
  • Avibase Verdilhão-serrano Acesso a 18-03-2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Verdilhão-serrano