Victoria Santa Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Victoria Santa Cruz
Nome completo Victoria Eugenia Santa Cruz Gamarra
Nascimento 27 de outubro de 1922
La Victoria, Perú
Morte 30 de agosto de 2014 (91 anos)
Lima, Perú
Nacionalidade Peruana
Ocupação Compositora, Coreógrafa, Designer, Ativista

Victoria Eugenia Santa Cruz Gamarra (La Victoria, 27 de outubro de 1922Lima, 30 de agosto de 2014)[1] foi uma poeta, coreógrafa, folclorista, estilista e ativista afro-peruana.[2][3][4] Junto com seu irmão, Nicomedes Santa Cruz, ela é considerada significativa em um renascimento da cultura afro-peruana nos anos 1960 e 1970.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Filha de Nicomedes Santa Cruz Aparicio e Victoria Gamarra, começou sua carreira no palco com o grupo de dança e teatro Cumanana em 1958, com seu irmão mais novo Nicomedes Santa Cruz Gamarra, famoso poeta. Victoria havia ganhado uma bolsa de estudos do governo francês, viajou a Paris para estudar na Universidade do Teatro das Nações em 1961, e na Escola de Estudos Coreográficos. Neste último, destacou-se como criadora e designer dos figurinos da obra El retablo de don Cristóbal, de Federico García Lorca, e La rosa de papel, de Ramón María del Valle-Inclán.

De volta ao Perú[editar | editar código-fonte]

De volta à terra natal, fundou a companhia Teatro y Danzas Negras del Perú em 1968, com a qual fez apresentações nos melhores teatros peruanos e também na televisão. Por ocasião, este grupo representou o Peru nas festividades dos Jogos Olímpicos de Verão de 1968, no México, em que recebeu uma medalha e diploma pelo seu trabalho.

Mais tarde, em 1969, percorreu várias cidades nos Estados Unidos e, ao retornar a Lima em maio do mesmo ano, foi nomeada diretora do Centro de Arte Folclórico, hoje Escuela de Folklore. No primeiro Festival e Seminário de Televisão Latino-Americana organizado pela Universidade Católica do Chile em 1970, ela ganhou o prêmio de melhor folclorista e no ano seguinte foi convidada pelo governo da Colômbia para participar do Festival de Cáli. Participou como diretora de palco do Primer Festival de Arte Negra del Perú, organizado na cidade de Cañete em 1971, evento liderado por seu irmão Nicomedes. Foi diretora do Conjunto Nacional de Folclore do Instituto Nacional de Cultura (INC) entre 1973 e 1982 e, nessa condição, realizou uma bem-sucedida viagem pelos Estados Unidos, Canadá, El Salvador, Guatemala, França, Bélgica, Suíça e Principado de Mônaco.

Últimos anos de vida[editar | editar código-fonte]

Depois de completar seu cargo, ela foi professora convidada (1982), assistente (1983-1989) e tempo de vida (1989-1999) na Universidade Carnegie Mellon.[5] Ele dirigiu workshops em diferentes países, como Rússia, Israel, Canadá, Dinamarca, Espanha, Itália e Argentina.

Morte[editar | editar código-fonte]

Ela morava em Lima quando morreu aos 91 anos, devido à idade avançada e ao enfraquecimento de sua saúde.

Referências

  1. Murió Victoria Santa Cruz, difusora de la cultura negra. El Comercio, 30 de agosto de 2014 (em espanhol)
  2. Me gritaron negra! A poeta Victoria Santa Cruz. Portal Geledés
  3. Victoria Santa Cruz Gamarra, cultora e investigadora del arte y el folclore afroperuano. Perú - Ministerio de Cultura, 30 de agosto de 2014 (em espanhol)
  4. Aves negras, fêmeas sul-americanas. Revista Raça
  5. Victoria Santa Cruz falleció hoy a los 91 años Arquivado em 3 de setembro de 2014, no Wayback Machine.. La República (em espanhol)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]