Erva-de-passarinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Visco)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde {{subst:#time:F "de" Y}}). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaerva-de-passarinho/visco
Viscum album

Viscum album
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Santalales
Famílias

Santalaceae Loranthaceae

Hospedeiros parasitados por mais de uma espécie de erva-de-passarinho.[1]

Erva-de-passarinho ou visco é uma planta arbustiva hemiparasita das famílias Loranthaceae e Santalaceae, que pertence à Ordem das Santalales.[2][3][4] Nativa em todas os continentes do mundo, parasita diversas espécies de árvores de grande porte.

Denominações[editar | editar código-fonte]

Visco é a denominação popular mais comum em Portugal, mas a planta também é conhecida como visgo ou agárico. No Brasil, ela é amplamente conhecida como erva-de-passarinho ou enxerto-de-passarinho.

Os indígenas brasileiros, contudo, a conheciam como guirarepoti, que em língua tupi significa “excremento de aves” (guira = ave, repoti ou tepoti = excremento).[5] Isso indica que os povos indígenas do Brasil já conheciam as ervas-de-passarinho muito antes de ela ser descrita pela taxonomia oficial. Acredita-se que os índios provavelmente observaram alguma espécie de ave, como os gaturamos do gênero Euphonia, defecando as pequenas sementes de alguma erva-de-passarinho, como as do gênero Phoradendron.[6]

Espécies[editar | editar código-fonte]

As espécies europeias e asiáticas são:

  • Viscum album, que apresenta três subespécies:
    • Viscum album mali, com bagas brancas, apresenta folhas ovaladas de bordos lisos em pares ao longo do caule lenhoso. Parasita árvores do género Populus e Crataegus, e a macieira, o limoeiro, entre outras.
    • Viscum album abietis, o visco dos abetos.
    • Viscum album pini, que parasita os pinheiros no centro e sul da Europa e norte da Turquia.
  • Viscum cruciatum, que é hemiparasita da oliveira.

Na Austrália, a mais conhecida é a espécie Dendrophthoe glabrescens.

No Brasil, ocorrem dois famílias: a Loranthaceae e a Santalaceae, com os seguintes gêneros:

Ecologia[editar | editar código-fonte]

As ervas-de-passarinho são plantas cuja dispersão de sementes se dá a partir da planta-mãe, sendo feita por aves frugívoras ou morcegos através de defecação ou regurgitação sobre as futuras plantas hospedeiras ou sobre seus galhos, como ocorre nos gêneros Struthanthus[8] e Psittacanthus.[9][10]

Usos[editar | editar código-fonte]

Tufo de visco num choupo

As bagas de algumas espécies possuem propriedades medicinais e, por isso, a planta era utilizada como remédio para a epilepsia e distúrbios nervosos, para doenças cardíacas, hipertensão e para a digestão.[11]

Na Europa, a planta está associada em algumas culturas às festividades do Natal, assim como o azevinho, ou ao renascimento, havendo uma lenda escandinava que diz que duas pessoas que se encontram debaixo de um visco devem se beijar para celebrar com amor a ressurreição de Balder, divindade da mitologia nórdica. Já os druidas a tinham como planta sagrada e sempre a colhiam no inverno, quando realizavam seus importantes atos religiosos.[12]

Na série em quadrinhos Asterix, o druida Panoramix colhia o gui (“visco” em francês) das árvores.

Especialistas[editar | editar código-fonte]

O principal taxonomista das ervas-de-passarinho é o canadense Job Kuijt,[13] mas há especialistas em quase todas as famílias.[14]

A erva ainda é pouco estudada no Brasil, mas há um grupo de pesquisa no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, composto por jovens especialistas brasileiros, o Grupo de Pesquisa em Plantas Parasitas.[15] Este grupo tem produzido muitos resultados inéditos e interessantes sobre as ervas-de-passarinho brasileiras[1] e em 2012 publicou uma ampla revisão da literatura sobre ecologia das espécies neotropicais, com ênfase nas que ocorrem no Brasil.[1]

Referências

  1. a b c Arruda, Rafael; Lunardelli, Caroline; Kitagawa, Clóvis; Caires, Claudenir Simões; Teodoro, Grazielle Sales; Mourão, Fabiana Alves (2013). «Two mistletoes are too many?: Interspecific occurrence of mistletoes on the same host tree». Acta Botanica Brasilica (em inglês). 27 (1): 226-230. doi:10.1590/S0102-33062013000100021 
  2. Stevens, P. F. (12 de maio de 2015). «Santalales». Angiosperm Phylogeny Website. Version 12, July 2012 [and more or less continuously updated since] (em inglês). Missouri Botanical Garden. Consultado em 3 de Junho de 2015 
  3. «Santalales». www.mobot.org. Consultado em 22 de maio de 2016 
  4. Kuijt, Job; Hansen, Bertel (2015). Kubitzki, Klaus, ed. Flowering Plants. Eudicots - Santalales, Balanophorales (requer pagamento). Col: The Families and Genera of Vascular Plants (em inglês). XII. Heidelberg: Springer 
  5. Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, volumes 16-18. [S.l.]: Arquivo Municipal de São Paulo, Diretoria do Protocolo e Arquivo da Prefeitura. 1935 
  6. Cazetta, E; Galetti, M (2007). «Frugivoria e especificidade por hospedeiros na erva-de-passarinho Phoradendron rubrum (L.) Griseb (Viscaceae)». Revista Brasileira de Botânica. 30 (2): 345–351. doi:10.1590/S0100-84042007000200017 
  7. a b Dettke, G.A.; Caires, C.S. (2 de março de 2015). «Loranthaceae». Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Consultado em 3 de Junho de 2015 
  8. Guerra, T. J. de A. (2005). Componentes quantitativos e qualitativos da dispersão de sementes de Struthanthus flexicaulis (Loranthaceae) em uma área de campo rupestre no sudeste brasileiro. Rio Claro/UNESP: Pós-graduação em Biologia Vegetal (Dissertação de Mestrado).
  9. Monteiro, Ricardo Ferreira; Rogério Parentoni Martins, Kikyo Yamamoto (1992). «Host specificity and seed dispersal of Psittacanthus robustus (Loranthaceae) in south-east Brazil». Journal of Tropical Ecology. 8 (03): 307–314. ISSN 1469-7831. doi:10.1017/S026646740000657X 
  10. Guerra, T. J. de A. (2010). História natural da erva-de-passarinho Psittacanthus robustus (Loranthaceae) em uma área de campo rupestre do sudeste brasileiro: interações com hospedeiras, dispersores e polinizadoras. Campinas/UNICAMP: Pós-graduação em Ecologia. (Tese de Doutorado).
  11. Frederico Moreira (1971). As plantas que curam: cuide da sua saúde através da natureza. [S.l.]: Ryoki Inoue Produções. 256 páginas. ISBN 9788528900293 
  12. Augusto Soares (1874). Dicionário: Portugal Antigo e Moderno. [S.l.]: Ed. de Mattos Moreira e Companhia. 431 páginas 
  13. Atsatt, Peter R (1970). «Botanical Enigmas. The Biology of Parasitic Flowering Plants. Job Kuijt. University of California Press, Berkeley, 1969. xvi + 248 pp., illus. $15» (requer pagamento). Science (em inglês). 168 (3935): 1081–1082. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.168.3935.1081 
  14. «Parasitic Plant Connection - PP Specialist Names & Addresses». parasiticplants.siu.edu. Consultado em 14 de abril de 2016 
  15. CNPq. «Grupo de Pesquisa em Plantas Parasitas». Consultado em 14 de Julho de 2014 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.