Vittorio Storaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vittorio Storaro
Vittorio Storaro recebendo um prêmio em Cannes, em 2001
Nascimento 24 de junho de 1940 (77 anos)
Roma
Nacionalidade Itália italiano
Ocupação Diretor de fotografia
Oscares da Academia
Melhor fotografia
1980 - Apocalypse Now
1982 - Reds
1988 - The Last Emperor
IMDb: (inglês)

Vittorio Storaro (Roma, 24 de junho de 1940) é um diretor de fotografia italiano, conhecido como "o mago da luz". Tem um grande modelo para a fotografia dos seus filmes, o pintor também italiano Caravaggio. O próprio Vittorio diz que quando estava andando em Roma, entrou em uma galeria de arte e viu o quadro de Caravaggio "O Chamado de São Mateus". Diz que aquela imagem mudou sua vida.

Vittorio iniciou sua carreira fazendo filmes para a universidade, ficou conhecido por usar as técnicas de luz dos quadros de Caravaggio. Para Storaro, criar a fotografia de um filme para o Cinema é como "scrivere con la luce" (escrever com a luz).[1]

Seu filme mais conhecido é Apocalypse Now, ele aparece segurando uma câmera ao lado de Francis Ford Coppola e o desenhista de produção Dean Tavoularis.

Vencedor de três Oscars: Apocalypse Now, Reds e The Last Emperor.

Em 2018 recebeu o diploma de Membro Honorário Internacional da Academia Portuguesa de Cinema.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de projeccionista, a sua família era muito pobre. Frequentou uma escola de fotografia durante 5 anos, enquanto trabalhava ao mesmo tempo a limpar um estúdio de fotografia.
Aos 16 anos o realizador Piero Portalupi recusou que Storaro fosse seu assistente e mandou-o para o Centro Sperimentale di Cinematografia, um dos melhores institutos de cinema da Europa. Esteve lá de 1958 a 1960. Iniciou a sua carreira profissional como segundo assistente[2].

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Italica - Scrivere con la luce. 1° Volume La luce». 17 de janeiro de 2008. Consultado em 12 de março de 2009. 
  2. Revista E n.º 2359 ( 13 de Janeiro de 2018), pág. 22.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]