Willys de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Willys de Castro no Salão de Arte Moderna de 1957.

Willys de Castro (Uberlândia, MG, 16 de fevereiro de 1926 - São Paulo, SP, junho de 1988[1]) foi um artista brasileiro, expoente do movimento neoconcreto.[2] Trabalhou com pintura, desenho, gravação, cenografia, figurinos e trabalhos gráficos.

Willys trabalhava sua linguagem visual relacionando cor, forma, espaço e tempo. Em sua obra destaca-se historicamente a coleção 'Objetos Ativos',[3] realizada no começo da década de 1960 e que unia a cor da pintura ao relevo da escultura. São peças de madeira exibindo pinturas geométricas em três de suas quatro arestas, prendendo-se a quarta aresta à parede, de maneira que o espectador não consegue abranger num único olhar a extensão do trabalho.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Willys de Castro nasce em 16 de fevereiro de 1926 na cidade de Uberlândia, Minas Gerais.

Em 1941, aos 15 anos muda-se para a cidade de São Paulo, onde inicia seus estudos em desenho com André Fort.[4] De 1944 a 1945 trabalha como desenhista técnico; em 1948 forma-se em Química.

Em 1950 inicia um estágio no campo das artes gráficas e pinta suas primeiras obras abstratas-geométricas, que traz seu interesse - em 1953 - nas obras construtivistas russas, se inspirando em artistas como Tatlin e Kandinsky; também no De Stijl holandês de Doesburg e Mondrian; e no supermatismo de Malevich.

Se une com o artista Hércules Barsotti em 1954 e funda um estúdio de projetos gráficos. Participa do movimento Ars Nova e escreve uma série de poemas concreto-visuais apresentados no Teatro Brasileiro de Comédia. Se interessa pelo teatro e co-funda a revista Teatro Brasileiro em 1955. Começa a trabalhar em cenários, figurinos e peças para o Teatro de Arena e para o Teatro Cultura Artística e em 1957 recebe um prêmio da Associação Paulista de Críticos Teatrais.

Em 1959 une-se ao grupo Neoconcreto do Rio de Janeiro, junto de Hércules Barsotti, Ferreira Gullar, Franz Weissman, Lygia Clark, etc.[4]

De 1959 a 1962 trabalha em sua coleção "Objetos Ativos", explorando o espaço como elemento plástico. Ainda nos anos 60, integra o Conselho Artístico da Galeria de Artes das Folhas e a Association Internationale des Arts Plastiques da Unesco, em Paris. Co-funda a Associação Brasileira de Desenho Industrial - ABDI - e o Grupo Novas Tendências. De 1966 a 1967, desenha estampas para tecidos voltados a produção industrial.

Na década de 1980, inicia uma pesquisa com efeitos artísticos sobre a cor e movimento da madeira, metal, inox e outros materiais, a qual chama de Pluriobjetos, lançada no ano de sua morte.

Willys morre em 1988, aos 62 anos na cidade de São Paulo, deixando um grande legado na arte moderna brasileira.

Exposições e acervos[editar | editar código-fonte]

Esteve presente nos seguintes eventos:

  • Mostras de arte neoconcreta realizadas em Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo de 1959 a 1961.
  • Exposição Internacional de Arte Concreta, em (Zurich, 1960)
  • II Bienal de Paris em 1961, Brazilian Art Today (Londres, 1965).
  • Projeto Construtivo Brasileiro em Arte (São Paulo e Rio de Janeiro, 1977).
  • Tradição e Ruptura (São Paulo, 1984).
  • Bienal, Brasil Século XX (São Paulo, 1994).
  • Arte Construtiva no Brasil (São Paulo, 1998).

Suas obras fazem parte do acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC, e do Museu de Arte Moderna de São Paulo - MASP, mas a grande parte delas está nas mãos de uma empresa privada, o 'Gabinete de Arte Raquel Arnaud' que pertence à Presidente do Instituto de Arte Contemporânea.

Referências

  1. Roels Jr, Reynaldo (7 de junho de 1988). «Afirmação de refinamento». Caderno B. Jornal do Brasil: 2. Consultado em 10 de maio de 2021 
  2. «Conheça a história do artista Willys de Castro, filho ilustre de Uberlândia.». Correio de Uberlândia. Consultado em 22 de outubro de 2016 
  3. Renato Rodrigues da Silva, Os Objetos ativos de Willys de Castro, Revista de Estudos Avançados vol.20 no.56 São Paulo Jan./Apr. 2006,ver artigo Scielo http://www.scielo.br/pdf/ea/v20n56/28638.pdf
  4. a b WILLYS de Castro. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. São Paulo: Itaú Cultural, 2022. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa10387/willys-de-castro. Acesso em: 27 de setembro de 2022. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

[1] Perfil do artista na Enciclopédia Itaú Cultural

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons


Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.