Água Boa (Minas Gerais)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Município de Água Boa
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 12 de dezembro de 1953
Gentílico água-boense
Prefeito(a) Laerth Vieira Filho (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Água Boa
Localização de Água Boa em Minas Gerais
Água Boa está localizado em: Brasil
Água Boa
Localização de Água Boa no Brasil
17° 59' 48.93" S 42° 23' 26.10" O17° 59' 48.93" S 42° 23' 26.10" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Vale do Rio Doce IBGE/2008[1]
Microrregião Peçanha IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Angelândia, Capelinha, Franciscópolis, Itambacuri, Malacacheta, Santa Maria do Suaçuí, São José da Safira e São Sebastião do Maranhão
Distância até a capital 379 km
Características geográficas
Área 1 317,748 km² [2]
População 15 193 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 11,53 hab./km²
Altitude 415 m
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,642 médio PNUD/2000[4]
PIB R$ 80 948,275 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 4 828,70 IBGE/2008[5]
Página oficial

Água Boa é um município brasileiro do estado de Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros habitantes se estabelecerem na região no ano de 1832 e em 1835 construíram uma capela, mas foi somente em setembro de 1855 que houve a doação de terrenos, às margens do ribeirão Água Boa, para o primeiro povoado. Em 1877 foi criado o distrito de Água Boa e vinculado a cidade de Minas Novas e desde o final da década de 1880 o povoado já constituía estação postal e paróquia[6] .

Em 1911, o distrito de Água Boa é transferido do município de Minas Novas para o de Capelinha e somente em 12 de dezembro de 1953 ocorre a emancipação política do município, graças a atuação política do então prefeito de Capelinha (no cargo entre 1952 e 1953), o sr. Rosalvo Alves de Oliveira, que após esforço pessoal na Assembléia Legislativa de Goiás, retornou ao distrito com a lei estadual nº 1039, assinada.

O Governador de Goiás nomeou um intendente municipal no ano de 1954, para administrar o novo município até as próximas eleições, que ocorrem no final deste mesmo ano, sendo eleito Rosalvo Alves de Oliveira o primeiro prefeito da cidade e exercendo o mandato de 1955 a 1958[7] .

Localização e características[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 17º59'48.93" sul e a uma longitude 42º23'26.10" oeste, estando a uma altitude de 415 metros.

A sede do município é cortada pelo rio Água Boa, em cujo vale a cidade se desenvolveu. Nas margens do rio fica o centro da cidade, chamado pela população de "a Praça". As demais ruas dão nomes ao que se pode identificar como pré-bairros, que são o Curumim, o Bom Jesus, a 13 de maio, a Divineia, a Lagoinha e o Santa Clara. Nos dois morros ladeando a cidade cresceram os bairros chamados Bonfim e Vila dos Operários. Há uma grande rivalidade entre o time de futebol do centro da cidade, chamado de Cometa, e o time da Vila dos Operários, chamado de "Time do Morro". Estes times geralmente disputam a final do campeonato municipal, e se alternam nas vitórias.

No território do município existem outros rios além do rio Água Boa, como o rio Surubi e o rio Urupuca, e também alguns córregos, como o Baú e o Bugre. O clima da região é quente, tendente ao semiárido, com chuvas entre janeiro e março e seca no restante do ano.

Reza a tradição que o nome "Água Boa" vem da época em que os desbravadores, bandeirantes e tropeiros, circulavam pela região, transportando mantimentos e produtos no lombo de mulas de carga, para colonizar e abastecer o interior de Minas Gerais. Alguma das diversas nascentes, rios e córregos do local onde hoje está a cidade se tornou ponto de referência, parada e descanso dos colonizadores, que se referiam ao lugar como sendo "naquela nascente de água boa", ou seja, cuja água não era salobra ou barrenta, permitindo aos homens e animais beberem e servindo também para encher os cantis. Com o uso, o termo passou a ser resumido em "parada da Água Boa", que veio a originar o nome da cidade.

A estimativa de população para 1º de julho de 2008 era de 16.764 habitantes, somando-se a população da sede do município e de todos os vilarejos e região rural. Possui, como festa principal, o "Água-boense Ausente", que ocorre tradicionalmente na última semana de julho, quando os egressos da cidade voltam à terra natal para se confraternizar.

Nas décadas de 70 e 80 o município ganhou alguma notoriedade em razão do excessivo número de brigas armadas e homicídios ocorridos na região, por disputas entre famílias rivais pela posse de terras e, principalmente, pelo controle da prefeitura local. O deputado estadual mineiro Wander Campos foi morto quando visitava aliados políticos nesta cidade.

A construção mais tradicional de Água Boa é a Igreja da Matriz, com sua alta torre se destacando na paisagem. Não há, no município, nenhuma indústria ou empresa que seja relevante para sua economia. As principais fontes de renda do município são o comércio, a criação de gado leiteiro e a plantação de café. Por ter um relevo formado basicamente por elevações montanhosas, não há vales que permitam a cultura de grãos em larga escala.

Água Boa possui uma área de 1.321,9 km². Apesar de a sede do município ser uma cidade pequena, seu território é muito vasto, sendo ocupado principalmente por pequenas fazendas de gado. Por infelicidade, a área demarcada como sendo de abrangência da SUDENE (Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste), que alcança diversos municípios pobres do nordeste de Minas Gerais, chega até a divisa de Água Boa, mas não inclui o município. Assim, nenhuma empresa possui incentivos fiscais ou financiamento especial para se instalar no local, o que perpetua sua situação de carência.

Existem vários vilarejos (distritos) pertencentes ao município e vinculados à prefeitura de Água Boa, tais como Palmeiras de Resplendor, Catequeses, Santo Antônio e Graminha. O município ainda não é comarca judicial, não possuindo fórum. Suas questões judiciais tramitam no fórum da cidade vizinha, chamada Capelinha.

Há, na sede do município, duas escolas públicas estaduais de ensino fundamental, chamadas Joaquim Pimenta de Araújo e Alfredo Sá. A escola de ensino médio, chamada tradicionalmente de "colégio", é a Escola Estadual Adão Marques das Aleluias.

O prefeito do município é Laerth Vieira Filho.[8]

Água-boense notórios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.
  6. Histórico Água Boa - MG Biblioteca do IBGE
  7. Emancipação Política de Água Boa Paróquia de Água Boa
  8. Dez municípios tiveram novas eleições no domingo (1 de dezembro de 2013). Página visitada em 16 de dezembro de 2013.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.