AIM-4 Falcon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
AIM-4 Falcon
Missilefalcon-Bagotville.jpg
Tipo Míssil ar-ar
Local de origem  Estados Unidos
Especificações
Peso 61 kg
Comprimento 1,98 m
Largura 508 mm
Diâmetro 163 mm

O AIM-4 Falcon, desenvolvido pela Hughes Aircraft ao longo de uma década, entre os anos de 1946 e 1956, veio a ser produzido após o terminus da fase de desenvolvimento, para uso da Força Aérea dos Estados Unidos, tornando-se assim a primeira arma guiada para o combate ar-ar ao seu dispor.

Produzido nas versões guiadas por iluminação de ondas radar e por busca de radiação infravermelha. Adotado como arma principal da versão F-4D durante o conflito no Sudeste Asiático, onde mostrou a sua ineficácia contra os altamente manobraveis opositores, revelando a sua aptidão por bombardeiros lentos e de dificil manobra. Acreditado com apenas cinco vitórias, veio a ser rapidamente descartado para uso no F-4 Phantom e substituído pelo eterno e muito mais letal AIM-9 Sidewinder, em uso nos aviões da Marinha e que ainda hoje se mantêm como arma padrão no combate ar-ar de curto alcace, tanto nos Estados Unidos, como na generalidade dos países ocidentais. Contudo o seu desenvolvimento prosseguiu vindo a constituir uma vasta família de mísseis ar-ar, com versões para todos os usos, inclusive o nuclear. .

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Equivalência de designações[1]
Designação
inicial
Designação
atualizada
GAR-1 AIM-4
GAR-1D AIM-4A
GAR-2 AIM-4B
GAR-2A AIM-4C
GAR-2B AIM-4D
GAR-3 AIM-4E
GAR-3A AIM-4F
GAR-4A AIM-4G

O seu desenvolvimento teve início em 1946 sob a designação, projeto MX-798 e no qual se previa o estudo tendente a desenvolver um míssil ar-ar subsónico, mas que no ano seguinte em 1947, viu um dos seus requisitoa ser alterado para supersónico, passando assim o projeto inerente a ser designado MX-904.[1]

Entraram ao serviço no ano de 1995 e foram produzidos mais de 45 mil exemplares. Dois tipos de mísseis foram desenvolvidos, quanto ao método de guiamento, o orientado por radar semi ativo e o orientado por cabeça de pesquisa de fontes de calor (infravermelhos), aumentando assim o possível sucesso da missão de interceção, pois não raras as vezes as aeronaves portadoras eram equipadas com os dois tipos de mísseis.[2]

Em 1963 todos os mísseis existentes viram a sua designação alterada de GAR para AIM-4, conforme tabela descritiva á direita.[1]

Variantes[editar | editar código-fonte]

  • AIM-4
Primeira variante operacional, destinada e pensada para abater os lentos e pouco manobráveis bombardeiros estratégicos.[2]
Vetores de lançamento do AIM-4 Falcon
Northrop F-89H with AIM-4 Falcon missiles.jpg
F-106A 119th FIS weapons bay with AIM-4 1984.JPEG
AIM-4 and AIM-7 on F-4E.jpg
F-89H, F-106A, F-4 Phantom. (Por ordem descendente)
  • AIM-4A
Desenvolvimento da (a anterior) versão original, com uma capacidade de manobra melhorada e uma velocidade ligeiramente superior. Foram produzidos aproximadamente 12 mil unidades.[1]
  • AIM-4D
Desenvolvimento conjunto da Hughes Aircraft e da Força Aérea dos Estados Unidos, tendente a conseguir um míssil orientado por infravermelhos capacitado para enfrentar pequenos e manobráveis alvos em aproximação.[2] Usado no Vietname veio a demonstrar ser ineficaz, devido à sua capacidade de manobra limitada e propensão para queimar partes da fuselagem do avião lançador devido à sua exaustão, cabeça explosiva inadequada e ausência de uma espoleta de proximidade que obrigava a um impacto direto com o alvo. Entre 26 de outubro de 1967 e 5 de fevereiro do ano seguinte foram disparados 54 mísseis os quais conseguiram o derrube de quatro MIG-17 e um MIG-21, sendo descartado como arma padrão do F-4D.[3] Veio a ser concedida a sua produção sob licença à empresa Sueca SAAB que o designou como Rb.28 e o exportou para a Finlândia e Suíça como HM-58.[4]
  • AIM-4F/G
Por vezes apelidados de Super Falcon, são modernizações dos seus antecessores a versão "F" com orientação por radar semi ativo e a versão "G" orientado por fontes de calor.[2] Entraram ao serviço depois de 1960 e foram melhorados ao nível da resistência a contra medidas eletrónicas, velocidade de lançamento, maior alcance e maior altitude operacional, bem como uma clara melhoria no poder destrutivo da cabeça explosiva.[2]
Outras versões
  • AIM-26A/B e AIM-47A
Embora sejam misseis completamente diferentes e com funções específicas, são considerados da mesma família. O AIM-26A possuía uma ogiva nuclear destinada a derrubar grandes formações de bombardeiros e o AIM-26B era idêntico mas equipada com uma cabeça explosiva convencional, foi também fabricado sob licença na Suécia, sob a designação Rb.27. Quanto ao AIM-47A não passou da fase de desenvolvimento, tratava-se de uma versão de altas performances e grande alcance, destinado a ser usado pelo cancelado YF-12A. Veio a dar origem uns anos mais tarde ao AIM-54 Phoenix.[2]

História operacional[editar | editar código-fonte]

Um AIM-4 Falcon, no momento de lançamento por um F-106.

A USAF, utilizou em combate o AIM-4 pela primeira vez no ano de 1967, em plena guerra do Vietname como arma padrão de curta distância do F-4D, substituindo o AIM-9 Sidewinder, até então utilizado no no F-4C. No entanto foi rapidamente descartado, dado o seu desempenho em combate, contra os velozes e altamente manobráveis MIG-17 e MIG-21 ter sido ineficaz. O míssil pensado e desenvolvido para ser usado contra bombardeiros pesados, contra os quais nunca foi utilizado, mostrava assim as suas debilidades.[3]

Contudo nas suas versões AIM-4F/AIM-4G Super Falcon, manteve-se em serviço, como arma padrão dos F-102 Delta Dagger e F-106 Delta Dart, até 1988, quando o último destes intecetores foi retirado. O AIM-4C foi ainda produzido sob licença na Suécia, para equipar os Saab J35 Draken e Saab J37 Viggen, para além dos Mirage IIIS da Força Aérea Suíça.[1]

Utilizadores[editar | editar código-fonte]

O Canadá adquiriu os AIM-4D, para equipar os intercetores McDonnell F-101 Voodoo, como o míssil apenas ficou operacional dois anos mais tarde em 1963, é provável que tenha sido usada uma outra versão anterior.[5]
Como país de origem terá utilizado todas as versões do seguinte modo, uso operacional: AIM-4/-4A/-4B/-4C/-4D/-4E/-4F/-4G/-26A/-26B; uso apenas na fase de testes: AIM-4H, AIM-47A, AGM-76A e a utilização por um período limitado da versão experimental XGAR-1B. [5]
A Finlândia recebeu para equipar os seus Saab J-35 Draken, os Rb.27 e Rb.28 designação Sueca para os AIM-26B (versão de carga explosiva convencional) e AIM-4C respetivamente, cuja produção sob licença foi assegurada pelo construtor aeronáutico Saab.[6]
Recebeu os mísseis em finais da década de 1960, para equipar os intercetores, F-102. [7]
O Irão comprou 400 exemplares para equipar os seus F-4D, recebidos ao longo de um ano entre 1968 e 1969. Em 1980 na guerra com o Iraque não foram utilizados. revelando terem sido descartados, permanecendo por um curto período ao serviço da sua Força Aérea.[5]
O Japão utilizou o AIM-4D para equipar os seus F-4EJ, até estarem disponíveis os mísseis de construção caseira AAM-2, para o que adquiriu 130 exemplares, entregues entre 1971 e 1972. Deixaram de ser utilizados, algures na década de 1990.[5]
Operou a versão produzida sob licença pela Saab Rb.27, para equipar os também produzidos sob licença pela atual empresa RUAG, Mirage IIIS entretanto retirados.[2]
Utilizou e produziu sob licença as versões Rb.27 e Rb.28, que correspondem aos modelos, AIM-26B e AIM-4C respetivamente.[6]
Não existem evidências sólidas de que alguma vez tenham possuído qualquer versão do AIM-4 Falcon, a confusão pode advir dos F-4D da USAF estacionados na Ilha terem sido equipados com o míssil ate estes terem sido descontinuados como armamento do Phantom; ou ainda quando as aeronaves norte americanas se retiraram terem deixado os mísseis. [8]
Tal como no caso da Grécia recebeu os mísseis para equiparem as 40 aeronaves F-102 Delta Dagger, que estiveram em serviço entre 1968 e 1979.[9]

Especificações[editar | editar código-fonte]

Dados referentes às versões AIM-4A/C/D/F/G:[1]

AIM-4A (GAR-1D) AIM-4C/D (GAR-2A/B) AIM-4F (GAR-3A) AIM-4G (GAR-4A)
Comprimento (metros) 1,98 2,02 2,18 2,06
Largura (metros) 0,50 0,61
Diâmetro (metros) 0,163 0,168
Peso (Kg) 54 61 68 66
Velocidade Mach 3 Mach 4
Alcance (Km) 9,7 11,3
Propulsão Thiokol M58 (foguete combustível sólido) Thiokol M46
Ogiva 3,4 kg de alto explosivo 13 kg de alto explosivo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Parsch, Andreas. Hughes AAM-A-2/F-98/GAR-1,2,3,4/AIM-4 Falcon (em Inglês). Directory of U.S. Military Rockets and Missiles. Página visitada em 14/02/2013.
  2. a b c d e f g WORLD MISSILE SURVEY (pdf) (em Inglês). Flightglobal. Página visitada em 20/02/2013.
  3. a b Guilfoil, John M. Guilfoil (12/07/2012). AIM-4 “Falcon” (em Inglês). Air Cache. Página visitada em 21/02/2013.
  4. Hughes AIM-4 Missile (em Inglês). Estrella WarBirds Museum. Página visitada em 27/02/2013.
  5. a b c d O'Connor 2011, p. 62
  6. a b Gunston 1983, p. 33
  7. Gunston 1983, p. 30
  8. O'Connor 2011, p. 63
  9. Turkish Air Force - Entered Inventory Airplanes (em Inglês). Website of the Turkish Air Force. Página visitada em 18/02/2013.


Fontes e bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gunston, Bill. An Illustrated Guide to Modern Airborne Missiles (em Inglês). Nova Iorque: Arco Pub, 1983. ISBN 0668058226
  • O'Connor, Sean. Arming America’s Interceptors: The Hughes Falcon Missile Family (em Inglês). [S.l.]: Air Power Australia, 2011. Technical Report APA-TR-2011-0601 Página visitada em 14 de fevereiro de 2013.
  • Taylor, Michael J. H.. Missiles of the World (em Inglês). Nova Iorque: Encore Editions, 1982. ISBN 0684165937

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre AIM-4 Falcon