A Estrada (2009)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Road
A Estrada (PT/BR)
 Estados Unidos
2009 • cor • 111 min 
Realização 25 de novembro de 2009
Direção John Hillcoat
Produção Nick Wechsler
Steve Schwartz
Paula Mae Schwartz
2929 Productions
Roteiro Joe Penhall (roteiro)
Cormac McCarthy (livro)
Elenco Viggo Mortensen
Kodi Smit-McPhee
Michael K. Williams
Robert Duvall
Guy Pearce
e Charlize Theron
Género drama
Idioma inglês
Música Nick Cave
Warren Ellis
Cinematografia Javier Aguirresarobe
Edição Jon Gregory
Distribuição Dimension Films
The Weinstein Company
Página no IMDb (em inglês)

The Road (br/pt: A Estrada) é um filme estadunidense realizado em 2009, sob a direção de John Hillcoat e roteiro de Joe Penhall. Baseado no romance homônimo de Cormac McCarthy, escrito em 2006, o filme é estrelado por Viggo Mortensen e Kodi Smit-McPhee como pai e filho em um período pós-apocalíptico em que a Terra se encontra devastada. Filmado em locações da Pensilvânia, Luisiana, e Oregon, o filme foi lançado nos Estados Unidos em 25 de novembro de 2009 e no Reino Unido em 4 de janeiro de 2010[1] [2] .

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

The Road parte da premissa do romance em que se baseia: um pai (Mortensen) e seu jovem filho (Smit-McPhee) lutam pela sobrevivência alguns anos depois de um devastador e não especificado cataclismo que destruiu a civilização, matando as plantas e quase toda a vida animal, e encobrindo a luz do sol. Alguns poucos sobreviventes passaram a utilizar o canibalismo para sobreviver, e pai e filho tentam dirigir-se ao sul, na esperança de encontrar lugares mais quentes. Durante a caminhada, eles buscam por comida e enfrentam bandos de canibais que os caçam sem qualquer resquício de humanidade. O pai carrega um revólver, que está armado apenas com duas balas, guardadas para uma eventual necessidade de suicídio. Flashbacks e sonhos revelam sequências em que a esposa comete suicídio após ter o filho e perceber que o mundo está condenado.

Eventos ocorrem ao longo do caminho, gerando momentos de ansiedade para pai e filho. Após enfrentar uma gangue canibal, sua arma conserva apenas uma bala. Posteriormente, descobrem uma casa habitada por canibais, que mantêm pessoas vivas no porão para se alimentar delas. Após escapar dos canibais, os dois voltam à estrada e encontram um depósito de comida subterrâneo, onde se abastecem, mas não permanecem ali por muito tempo, pois o pai quer ir para longe, rumo ao sul. Encontram no caminho um homem cego e idoso (Duvall), e o filho encoraja e vence a relutância do pai em ajudá-lo por algum tempo, até sua partida. De volta à estrada, são roubados, mas conseguem apanhar o ladrão e o pai o força a se desnudar, dando-lhes todos os pertences, sob o protesto do filho, que tenta resgatar no pai os princípios que ele lhe transmitiu e que parece ter esquecido. Ao passar, depois, por uma cidade em ruínas, o pai é atacado por uma flecha e mata o atacante.

Durante o percurso, o pai tem persistentes hemoptises, e quando chegam ao litoral, já sem forças, ele morre, enfatizando para o filho o valor da sobrevivência através de princípios e da preservação do humanitarismo. Após a morte do pai, o filho encontra outra família— o pai, a mãe, duas crianças e um cão— que revelam estar algum tempo os seguindo, preocupados com eles. O filho confia e segue, então, com a nova famíla.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Viggo Mortensen como o pai[3] . Mortensen exlica a interação entre pai e filho assim: “Eles estão em uma difícil jornada, e o pai está praticamente aprendendo com o filho”[4] [5] .
  • Kodi Smit-McPhee como o filho[6] . Durante o London Film Festival, Mortensen explicou que Smit-McPhee foi um dos 4 finalistas escolhidos para o filme, e que foi escolhido particularmente devido à aparência juvenil, inocente e inteligente além de sua idade[7] .
  • Charlize Theron como a esposa, que aparece apenas em flashback. Theron participou do filme porque era uma fã do livro e tinha previamente trabalhado com o produtor Nick Wechsler no filme de 2000 The Yards[8] . A personagem tem um papel maior no filme do que no livro. Hillcoat disse que expandiu o papel: “Eu penso que é válido expandir o roteiro de um livro, desde que se mantenha o seu espírito”[9] [10] .
  • Michael K. Williams como o ladrão[5]
  • Robert Duvall como Ely, o Velho Homem[5]
  • Guy Pearce como Veterano, um pai com sua família[5]
  • Molly Parker como sua esposa[5]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2006, o produtor Nick Wechsler usou financiamento independente para adquirir os direitos de adaptação do livro The Road, de 2006, escrito por Cormac McCarthy. Quando Wechsler encontrou John Hillcoat, diretor do filme The Proposition, de 2005, e após ler The Road, decidiu colocar Hillcoat na direção da adaptação. Wechsler descreveu o estilo de Hillcoat: “Havia algo belo no modo com John capturou a completa primitividade humana ocidental nesse filme”[11] [12] . Em abril de 2007, Joe Penhall foi procurado para o roteiro adaptado. Wechsler e seus produtores Steve e Paula Mae Schwartz planejaram o roteiro e um ator para intepretar o pai, enquanto procuravam uma distribuidora para o filme[13] . No novembro seguinte, o ator Viggo Mortensen entrou em negociações com os produtores, para interpretar o pai, enquanto estava ocupado com as filmagens de Appaloosa, no Novo México[14] .

Rodovia abandonada na Pensilvânia. Essas rodovias, que são comuns na região, foram utilizadas para as locações de “The Road”

Com um custo de $20 milhões[15] , o filme foi iniciado no sudoeste da Pensilvânia em fevereiro de 2008, durante oito semanas, e posteriormente foi mudado para a Luisiana e Oregon[16] . Hillcoat preferiu locações reais, dizendo: “Nós não queríamos entrar no mundo das imagens computadorizadas”[17] [18] . Pensilvânia, onde ocorreu a maioria das locações, foi escolhida por seus custos e pela abundância de lugares abandonados e decaídos: minas de carvão, estradas abandonadas, dunas e áreas deterioradas de Pittsburgh[5] . Várias rodovias abandonadas da Pensilvânia foram usadas para a produção do filme[10] . Filmagens foram realizadas também no Conneaut Lake Park, após um dos parques ter sido destruído por um incêndio em fevereiro de 2008. As praias de Presque Isle State Park, em Erie, Pensilvânia também foram utilizadas[19] . Hillcoat declarou que Pittsburgh era um local prático para a filmagem da história, pois no inverno adquiria um ar desolado, e as construções abandonadas davam uma aparência cruel. Algumas cenas foram filmadas em Nova Orleans, que foi devastada pelo Furacão Katrina e em Mount St. Helens, em Washington[18] .

Hillcoat procurou realizar o filme de forma fiel ao espírito do livro, criando "um mundo psicologicamente traumatizado", apesar de nunca explorar as circunstâncias do evento apocalíptico. De acordo com Hillcoat: “Isso é o que torna o filme mais realista, pois diz respeito à sobrevivência e de como você agüenta cada dia em oposição ao que realmente aconteceu”[6] [20] . Os produtores tiveram a sorte de conseguir dias com mau tempo para retratar o clima pós-apocalítpico. Mark Forker, o diretor de efeitos especiais, procurou fazer paisagens convincentes, manipulando e substituindo céus e removendo digitalmente o verde das cenas[5] .

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Os atores Viggo Mortensen e Kodi Smit-McPhee, o roteirista Joe Penhall, o diretor John Hillcoat e o produtor Steve Schwartz no Festival de Veneza de 2009.

The Road foi programado originalmente para ser lançado em novembro de 2008; o lançamento foi adiado para dezembro e depois para 2009. De acordo com The Hollywood Reporter, o estúdio decidiu que o filme se beneficiaria com um processo mais longo de pós-produção, e de um calendário mais repleto[21] . Um novo lançamento foi programado para outubro de 2009[22] , porém, de acordo com repórteres de Screen Rant, a Companhia Weinstein decidiu, no último instante, pelo lançamento em 25 de novembro de 2009[2] , com essa possível mudança numa tentativa de concorrer ao Oscar, coincidindo com a adaptação, naquela data, do musical de Rob Marshall Nine (também previsto para ser um dos concorrentes ao Oscar) em dezembro de 2009.

O filme teve uma pré-estreia mundial em setembro de 2009, no Festival de Veneza, competindo pelo Leão de Ouro e Leão de Prata, e no Telluride Film Festival, além de se inscrever no Toronto International Film Festival, em 2009[23] .

O lançamento em DVD e Blu-Ray foi em 17 de maio de 2010 no Reino Unido[24] , e em 25 de maio de 2010 nos Estados Unidos[25] .

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme alcançou 76% no ranking Fresh do Rotten Tomatoes, baseado em 167 revisões[26] , e também alcançou um escore de 64/100 no Metacritic, baseado em 32 revisões[27] .

Tom Chiarella, da revista Esquire' declarou sobre o filme: “uma adaptação brilhantemente dirigida de um prestigiado romance, um olhar romântico, delicado e anacrônico do imodesto e bruto fim de todos nós. Você quer que eles cheguem lá, você quer que eles cheguem lá – e ainda assim você não quer nada disso no final”[28] . Ele também se referiu ao filme como “o mais importante filme do ano”[29] [30] , defendedo-o assim como o mais importante filme do ano. James O'Connor, da IGN, declarou: “Um dos mais importantes e tocantes filmes dos últimos tempos”[31] .

O crítico de cinema Xan Brooks, no The Guardian, deu-lhe quatro estrelas (em cinco), e o descreveu como: “um assombroso, angustiante, e poderoso filme”[32] , com Mortensen perfeito no elenco[33] .

Luke Davies, do The Monthly, decreveu o filme: “deslumbrante, em um terrível caminho, mas seu maior mérito e distância mostram quão difícil pode ser traduzir para as telas o calor psíquico inato da grande literatura”[34] . Davies sugeriu que a falha do filme “poderia ter a ver com o ponto de vista do diretor – tudo parece muito desolado, de modo que no livro não é tanto”[35] , concluindo que o filme “tem muita imagem e pouca atuação”[36] [37] .

Uma das revisões no Adbusters desaprovou a aparente “inserção de produtos” no filme [38] , mas, como foi defendido por Hillcoat, as referências à Coca-Cola aparecem no livro, e a companhia ficou um tanto relutante em colocar o produto no filme[39] .

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Ano Categoria Resultado Elenco
BAFTA 2010 Melhor Cinematografia indicação Javier Aguirresarobe
Broadcast Film Critics Association Awards 2010 Melhor Ator indicação Viggo Mortensen
Melhor Ator/Atriz jovem indicação Kodi Smit-McPhee
Melhor Maquiagem indicação
Houston Film Critics Society 2009 Melhor Ator indicação Viggo Mortensen
San Diego Film Critics Society Awards 2009 Melhor Ator indicação Viggo Mortensen
Melhor Cinematografia vencedor Javier Aguirresarobe
Satellite Awards 2009 Melhor Direção de Arte & Desenho de Produção indicação Chris Kennedy
Toronto Film Critics Association 2009 Melhor Ator indicação Viggo Mortensen
Utah Film Critics Association 2009 Melhor Ator vencedor Viggo Mortensen
Festival de Veneza 2009 Leão de ouro indicação John Hillcoat
Washington DC Area Film Critics Association Awards 2009 Melhor Ator indicação Viggo Mortensen
Melhor Roteiro Adaptado indicação Joe Penhall

Referências

  1. NME. NME (2009-11-11). Página visitada em 2010-02-04.
  2. a b 'The Road' Delayed… Yet Again. Screen Rant. Página visitada em 10 September 2009.
  3. A New Poster for The Road. Dreadcentral.com. Página visitada em 2010-02-04.
  4. "They’re on this difficult journey, and the father is basically learning from the son"
  5. a b c d e f g McGrath, Charles. "At World’s End, Honing a Father-Son Dynamic", The New York Times, May 27, 2008. Página visitada em May 27, 2008.
  6. a b Vancheri, Barbara. "Filming wraps up on post-apocalyptic The Road", Pittsburgh Post-Gazette, April 24, 2008. Página visitada em May 27, 2008.
  7. 'Road' actor finding celebrity at a young age. Toronto Sun. Página visitada em 2010-03-31.
  8. Siegel, Tatiana. (January 14, 2008). "Charlize Theron hits The Road". Variety.
  9. "I think it's fine to depart from the book as long as you maintain the spirit of it"
  10. a b First Look: 'The Road'. USA Today. Página visitada em August 7, 2008.
  11. "There was something beautiful in the way John captured the stark primitive humanity of the West in that movie"
  12. Fleming, Michael. (November 7, 2006). "Road to bigscreen". Variety.
  13. Fleming, Michael. (April 1, 2007). "Penhall paves Road". Variety.
  14. Schwartz, Missy. (October 7, 2007). "Viggo Mortensen May Hit The Road". Entertainment Weekly.
  15. Sullivan, James. "A fork (and a bump) in The Road", Boston Globe, October 19, 2008. Página visitada em January 1, 2009.
  16. "Mortensen, Theron on The Road to Pittsburgh", USA Today, January 16, 2008. Página visitada em May 27, 2008.
  17. "We didn't want to go the CGI world"
  18. a b Bowles, Scott. "Sneak peek: The Road is fiction, but the bleak scenery is real", USA Today, August 6, 2008. Página visitada em August 7, 2008.
  19. www.goerie.com
  20. "That's what makes it more realistic, then it immediately becomes about survival and how you get through each day as opposed to what actually happened"
  21. Zeitchik, Steven. "Road rerouted into 2009 release schedule", The Hollywood Reporter, Reuters, October 18, 2008. Página visitada em January 1, 2009.
  22. "Dimension sets October release date for The Road", Sci Fi Wire, May 1, 2009. Página visitada em May 1, 2009.
  23. Lambert, Christine (2009). Photos of The Road premiere at TIFF 2009. Página visitada em 2009-11-26.
  24. Foster, Dave (2010). The Road (R2/UK BD) in May. Página visitada em 2010-05-15.
  25. Barton, Steve (2010). The Road Leads to DVD and Blu-ray in May. Página visitada em 2010-03-23.
  26. The Road. Rotten Tomatoes. Página visitada em 2009-11-28.
  27. The Road. Metacritic. Página visitada em 2009-11-28.
  28. "a brilliantly directed adaptation of a beloved novel, a delicate and anachronistically loving look at the immodest and brutish end of us all. You want them to get there, you want them to get there, you want them to get there— and yet you do not want it, any of it, to end"
  29. "the most important movie of the year"
  30. Chiarella, Tom. "The Road Is the Most Important Movie of the Year", Esquire, May 12, 2009. Página visitada em May 13, 2009.
  31. "One of the most important and moving films to come along in a long time"
  32. "a haunting, harrowing, powerful film"
  33. Xan Brooks (2009-09-03). Venice film festival: The Road. The Guardian. guardian.co.uk. Página visitada em 2010-03-07.
  34. "gorgeous, in a horrible way, but its greater coolness and distance shows just how difficult it can be to translate to screen the innate psychic warmth of great literature"
  35. "might have to do with the directorial point of view—it all feels too detached, in a way that the book in its searing intimacy does not"
  36. "too much tableau and not enough acting"
  37. Lost Boys: Jacques Audiard’s ‘A Prophet’ and John Hillcoat’s ‘The Road’. The Monthly. Página visitada em 2010-02-12.
  38. Berman, Sarah. (January/February 2010). "The Year in Film". Adbusters (87).
  39. MacKenzie Fegan (2009-11-25). The Road’s John Hillcoat on Cannibals, Product Placement, and the Apocalypse. flavorwire.com. Página visitada em 2009-11-27.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]