Agalloch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Agalloch
Informação geral
Origem Portland, Oregon
País Estados Unidos
Gênero(s) Dark Metal, Folk Atmosférico, Doom Metal, Black Metal, Post-Rock, Neofolk, Rock instrumental
Período em atividade 1995-presente
Gravadora(s) Profound Lore (atual), The End, Vendlus, Eisenwald
Página oficial www.agalloch.org
Integrantes Aesop Dekker
Don Anderson
Jason William Walton
John Haughm
Ex-integrantes Chris Greene
Shane Breyer

Agalloch é uma banda norte-americana de dark metal com influências de doom, folk e black metal. Ela foi formada em 1995 em Portland, Oregon.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Formação[editar | editar código-fonte]

Agalloch foi formado por John Haughm e Shane Breyer em Portland, Oregon, EUA, em 1995, após a desintegração da antiga banda Aeolachrymae. Logo no início de 1996 a dupla começou a produzir músicas e após Don Anderson se unir à banda, ainda no mesmo ano, aperfeiçoaram o material que já tinham. Já na segunda metade de 1996, gravaram a demo From Which of This Oak. Logo após a gravação Jason William Walton se juntou ao grupo.[2]

Consolidação e Pale Folklore[editar | editar código-fonte]

A banda começou a gravar e distribuir demos a gravadoras em 1998, quando chamou atenção da The End Records, que produziu seu primeiro full-length em 1999, chamado Pale Folklore. Diferente das demos e trabalhos promocionais anteriores, que emanavam uma influência de Black Metal predominante, o Pale Folklore já apresentava elementos marcantes de folk e música clássica e sinfônica, com um uso bem ponderado de bandolins, violino, expandindo largamente seus horizontes sonoros.[3]

Of Stone, Wind and Pillor e The Mantle[editar | editar código-fonte]

Após três anos parada, a banda lançou um EP intitulado Of Stone, Wind and Pillor em 2001. O propósito inicial era lançar um álbum vinil ainda em 98, pela gravadora Iron Fist, mas acabou sendo lançado pela The End em 2001 com as músicas não lançadas no primeiro álbum e mais duas faixas adicionais: um cover da música "Kneel To The Cross", da banda Sol Invictus e "A Poem By Yeats". O EP teve uma característica mais experimental e neoclássica e foi limitado a 2500 cópias.[4] [5]

Entre 2001 e 2002, Agalloch gravou The Mantle, o álbum que conferiu à banda uma atenção maior da mídia, rendendo entrevistas em revistas de grande circulação. The Mantle exibiu um aprimoramento na produção com arranjos mais detalhados e maior qualidade principalmente pela utilização de um orçamento maior que em seu primeiro álbum.[6] Lançado em agosto de 2002, The Mantle possui tons mais suaves mesmo contento hiffs pesados de guitarra.

Estilo[editar | editar código-fonte]

Sua música em si é caracterizada, também, pelas letras que sempre abordam temas introspectivos e obscuros, como a melancolia, solidão e misantropia, mas com uma forte ligação com elementos da natureza no geral, especialmente sobre paisagens no outono/inverno, o pôr-do-sol e florestas como se, de alguma forma, tentassem transpor através deles seus estados pessoais num certo momento ou puro e simplesmente falar sobre a beleza e as sensações que eles causam. Essa forte conexão com a natureza é notada no próprio nome da banda: Agalloch, que vem da árvore Aquilaria agallocha, cuja resina possui fortes características aromáticas e é utilizada em incensos, perfumes e até para propósitos medicinais. Civilizações antigas também deram ao óleo da madeira significância cultural e religiosa, sendo até mesmo mencionado em um dos escritos mais antigos do mundo, o Sânscrito Védico hindu[7] , evidenciando o interesse da banda pelo paganismo ancestral.[8]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Demos, EPs, e splits[editar | editar código-fonte]

  • From Which of This Oak (1997)
  • Promo 1998 (1998)
  • Of Stone, Wind and Pillor (The End Records, 2001)
  • Tomorrow Will Never Come (The End Records, 2003)
  • The Grey (Vendlus Records, 2004)
  • Agalloch / Nest (The End Records, 2004)
  • The White (Vendlus, 2008)
  • Faustian Echoes (Dämmerung Arts, 2012)

Álbum ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • The Silence of Forgotten Landscapes (DVD, Shiver Records, 2009)

Boxsets[editar | editar código-fonte]

  • The Wooden Box (Viva Hate Records, 2010)
  • Marrow of the Spirit (Licht von Dämmerung/Profound Lore, 2010)
  • The Demonstration Archive (Eisenwald, 2012)

Clipes[editar | editar código-fonte]

  • "Not Unlike the Waves" (The End Records, 2006)
    • Uma versão reduzida da música foi utilizada para o vídeo.

Referências

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]