Alexander Marinesko

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alexander Marinesko

Alexander Ivanovich Marinesko (Russo: Александр Иванович Маринеско; Romeno: Alexandru Marinescu; 15 de janeiro de 191325 de Novembro, 1963) foi um marinheiro soviético e durante a segunda guerra mundial foi capitão do submarino S-13, que afundou o navio alemão Wilhelm Gustloff, onde entre 8.500 e 9.600 refugiados alemães morreram, estima-se que em torno de 4 mil crianças estavam entre as vitimas.[1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Marinesko nasceu em Odessa, sua mãe era ucraniana e seu pai um marinheiro romeno. Treinou na marinha mercante soviética e na esquadra do Mar Negro, sendo posteriormente promovido a um posto de comando na esquadra do Báltico.

Wilhelm Gustloff[editar | editar código-fonte]

O navio Wilhelm Gustloff foi interceptado pelo submarino de Marinesko em 30 de janeiro de 1945 e atingido por três torpedos. Naquela ocasião ele transportava majoritariamente civis que fugiam dos russos no leste. Há diferentes opiniões sobre o seu afundamento, indo desde elogios até acusações de crime de guerra. Os defensores de Marinesko sustentam que o navio estava armado e que não estava corretamente identificado como navio-hospital além de carregar mais de 1.000 militares.

Em 10 de fevereiro o submarino de Alexander Marinesko afundou um segundo navio alemão, o Steuben, que desta vez transportava cerca de 4.267 pessoas, em sua maioria eram militares feridos[2] .

Devido a tonelagem de navios afundados ele tornou-se um dos comandantes de submarinos mais bem-sucedidos da União Soviética e condecorado com a ordem da bandeira vermelha.

Em setembro de 1945, devido aos seus problemas com disciplina e alcoolismo ele foi removido do comando de submarinos.

Foi postumamente condecorado com a medalha de Herói da União Soviética em maio de 1990.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Deutsche Welle - Naufrágio do navio Wilhelm Gustloff
  2. Koburger, Charles W., Steel Ships, Iron Crosses, and Refugees, Praeger Publishers, NY, 1989, p.7. Koburger também destacada que outras fontes fiáveis citam um total de 3.300 pessoas a bordo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.