Arunachal Pradesh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Arunachal Pradesh
Arunachal Pradesh in India (disputed hatched).svg
Localização do estado de Arunachal Pradesh na Índia
Capital Itanagar
27° 04′ N, 93° 22′ E
Cidade principal Itanagar
Idioma oficial Inglês, Hindi
Governador Joginder Jaswant Singh (2008-)
Ministro Chefe Dorjee Khandu (2007-)
Poder legislativo:
 • Tipo
 • Membros

Unicameral
60
Formado em 20 de fevereiro, 1987
Área 83.743 km²
População (março/2001) 1.097.968
Densidade demográfica 13 hab./km²
Total de distritos 16
Fuso horário UTC +5:30
ISO 3166-2 IN-AR
Website arunachalpradesh.nic.in
Divisão do estado de Arunachal Pradesh

Arunachal Pradesh ou Arunachal Pradexe[1] (em hindi: अरुणाचल प्रदेश, AFI[ərʊˈɳaːtʃəl prəˈdeːʃ]) é um dos estados da Índia. Localizado no extremo nordeste do país, faz fronteira com os estados de Assam a sul e Nagaland a sueste. Myanmar fica a leste, o Butão a oeste e a Linha McMahon separa-o da China a norte. Itanagar é a capital do estado.

Arunachal Pradesh é uma das grandes regiões disputadas pela Índia e República Popular da China; a outra é Aksai Chin; também existem regiões menores (Demchok, Kauirik, Pa-li-chia-ssu, Dêmqog, Nelang, Lapthal, Bara Hoti).

Arunachal Pradesh significa "terra das montanhas iluminadas pela alvorada"[2] em sânscrito. Também é conhecido como "terra do sol nascente"[3] . A maioria dos habitantes de Arunachal Pradesh é de origem tibeto-birmanesa. 16% da população é de imigrantes, incluindo 30.000 expatriados bangladeshis e chakmas, e migrantes de outras partes da Índia, notavelmente Assam e Nagaland[4] . Parte da famosa rua Ledo, que foi uma linha vital de comunicações para a China durante a I Guerra Mundial, passa pelo estado.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros ancestrais dos grupos tribais migraram do Tibet durante o período pré-histórico. Exceto pela região noroeste do estado, pouco é conhecido da história de Arunachal Pradesh, embora a tribo Adi tenha um conhecimento lendário da história. As referências mais antigas a Arunachal são encontradas na era do Maabárata, do Ramáiana e de outras lendas védicas. Vários personagens, como a princesa Rukmini, o rei Bhismaka e o senhor Parashurama, foram referidos como originários da região no Maabárata.

História registrada só esteve disponível nas crônicas dos Ahom durante o século XVI. Os monpas e os Sherdukpen também mantêm registros históricos da existência de supremacias locais no noroeste. A região noroeste dessa área foram dominadas pelo reino monpa de Monyul, que floresceu entre 500 a.C. e 600 d.C. Essa região foi, então, controlada pelo Tibet e poelo Butão, especialmente nas áreas a norte. As partes restantes do estado, especialmente as que fazem fronteira com Myanmar, foram dominadas pelos Ahom e pelos assameses até a anexação da Índia pelos ingleses em 1858.

Escavações recentes de ruínas de templos hindus como o 14o Malinithan, ao sopé das colinas Siang, em West Siang, lançaram nova luz na história antiga de Arunachal Pradesh. Pinturas dos deuses hindus e altares permaneceram intocados por muitos anos. Eles atraíram muitos peregrinos locais. Outro local notável, Bhismaknagar, sugeriu que os Idu Mishmi tinham uma civilização local. O terceiro local, o mosteiro de Tawang, de 400 anos, no distrito de Tawang, também fornece evidência histórica sobre os povos budistas tribais. Historicamente, a área tinha uma relação íntima com o povo tibetano e a cultura tibetana, por exemplo, o sexto Dalai Lama, Tsangyang Gyatso, nasceu na cidade de Tawang[5] .

Mapa britânico publicado em 1909 mostrando a fronteira tradicional indo-tibetana (seção oriental superior à direita)

Em 1913-1914, representantes da China, Tibet e Grã-Bretanha negociaram um tratado na Índia: a Convenção de Simla. O administrador inglês, Sir Henry McMahon, traçou a Linha McMahon, de 890 km, como a fronteira entre Índia inglesa e o Tibet durante a Convenção de Simla. Os representantes tibetanos e ingleses na conferência concordaram com a linha, cedendo Tawang e outras áreas tibetanas ao Império Britânico. Contudo, os representantes chineses recusaram aceitar a linha.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Arunachal Pradesh varia com a altitude. Áreas que estão em uma altitude muito elevada nos Grandes Himalaias experienciam um clima de Tundra, enquanto mais abaixo, nos Pequenos Himalaias, as pessoas experienciam um clima temperado. Áreas na altitude dos Sub-Himalaias e ao nível do mar geralmente experienciam um clima subtropical úmido, juntamente com os verões quentes e invernos amenos.

Arunachal Pradesh recebe uma forte chuva de 2.000 a 4.000 mm anualmente, na sua maioria entre maio e setembro. Os declives das montanhas e colinas são cobertos com florestas alpinas, temperadas e subtropicais de rododendros, carvalhos, pinheiros, bordos, abetos e juníperos.

Educação[editar | editar código-fonte]

O sistema atual de educação em Arunachal Pradesh é relativamente mal desenvolvido. O governo do estado está expandindo o sistema educacional juntamente com várias ONGs como o Vivekananda Kendra. A universidade Rajiv Gandhi é a principal instituição educacional do estado.

Distritos[editar | editar código-fonte]

O estado de Arunachal Pradesh está subdividido em 16 distritos:

  1. Anjaw
  2. Changlang
  3. East Kameng
  4. East Siang
  5. Kurung Kumey
  6. Lohit
  7. Lower Dibang Valley
  8. Lower Subansiri
  9. Papumpare
  10. Tawang
  11. Tirap
  12. Upper Dibang Valley
  13. Upper Subansiri
  14. Upper Siang
  15. West Kameng
  16. West Siang

Referências

  1. Lello Universal. Lello & Irmão. Porto, 1992
  2. Arunachal Pradesh - Land, People, Festival, Arts, Tourism, Economy
  3. arunachal pradesh
  4. Indian Census
  5. 仓央嘉措生平疏议 (Biography of Cangyang Gyaco; in Chinese)
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arunachal Pradesh
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Índia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.