Banco Português de Negócios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banco Português de Negócios
Indústria Banca
Destino Adquirida
Fundação 1993
Sede Portugal Lisboa, Portugal
Antecessora(s) Soserfin e Norcrédito
Sucessora(s) Banco BIC Português
Página oficial BPN

Banco Português de Negócios (BPN) era um banco privado de Portugal, criado em 1993, que actuava no sector da banca de investimentos. Em 2008 foi incorporado na Caixa Geral de Depósitos. A 31 de Julho 2011 o governo português anunciou que o BPN foi vendido ao Banco BIC Português, um banco angolano.[1] O atual presidente do conselho de administração é Fernando Teles, tendo como outros membros Isabel dos Santos e Américo Amorim.[2] A sede central está na Av. António Augusto de Aguiar, Lisboa.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Em 2008 viu-se envolvido num escândalo de crimes de fraude fiscal e branqueamento de capitais. Com a falta de liquidez, o banco foi nacionalizado, passando a incorporar o universo da Caixa Geral de Depósitos (CGD), um banco estatal.

Em 1993, a Soserfin e o Norcrédito, duas sociedades financeiras de investimentos sofrem uma fusão, originando o BPN[4] . Quatro anos depois, Américo Amorim, na altura o maior accionista do banco, abandona a instituição. Em 2002, compra o banco Efisa e a corretora Fincor. Adquire igualmente o Banco Insular, de Cabo Verde, sem comunicar a sua aquisição ao Banco de Portugal que é o supervisor do sector em Portugal. Um ano depois, em 2003, inicia a sua operação no Brasil. Em 2005, 20% do BPN Brasil é adquirido pelo Banco Africano de Investimento (BAI), uma instituição privada angolana. Dois anos mais tarde, em 2007, o Banco de Portugal solicita ao grupo Sociedade Lusa de Negócios/BPN a clarificação da sua composição acionista e a separação entre a sua área financeira, BPN e Real Seguros, e não financeira SLN Investimentos e Plêiade e Partinvest.[5]

Crimes, fraude e branqueamento de capitais[editar | editar código-fonte]

Em Fevereiro de 2008, José Oliveira e Costa abandona a presidência do grupo, justificando a sua saída com motivos de saúde, sendo substituído interinamente pelo presidente do banco Efisa, Abdool Karim Vakil. Este levanta sérias duvidas[6] aos processos de gestão até então levados a cabo pelas anteriores entidades gestoras do grupo, solicitando às entidades competentes uma investigação. Foi igualmente neste mês que o BPN se viu envolvido em investigações no âmbito da Operação Furacão, um processo-crime que decorre desde 2005, investigando crimes de fraude fiscal e branqueamento de capitais e onde estão envolvidas várias instituições financeiras.

Em Junho de 2008, Miguel Cadilhe, antigo ministro das finanças do XI Governo Constitucional de Portugal chefiado por Cavaco Silva, e ex-administrador do Banco Comercial Português é escolhido para a presidência do Banco. Quatro meses após tomar posse, o então presidente denuncia publicamente vários crimes financeiros que alegadamente terão sido cometidos por altos funcionários de gestões anteriores, solicitando mais uma vez uma investigação profunda aos anteriores actos de gestão.

O caso começou a assumir implicações políticas: destacadas figuras como o então Presidente da República (e ex-Primeiro Ministro) Cavaco Silva, alguns dos seus aliados no PSD (como Dias Loureiro) e alguns membros do Partido Socialista tinham mantido ao longo dos anos relações pessoais, profissionais ou de negócios com Oliveira e Costa e com o Banco. [7] [8] [9]

Já em Novembro do mesmo ano, o BPN vê-se em enormes dificuldades de liquidez, e o Governo (na altura liderado pelo PS de José Sócrates) procede à sua nacionalização, incorporando-o na Caixa Geral de Depósitos. A acção - a primeira nacionalização a ocorrer em Portugal desde o PREC nos anos 1970 - também gerou polémica devido às opções financeiras tomadas e às nomeações para a nova direcção do Banco.[10] [11]

Privatização[editar | editar código-fonte]

A partir de 2011, o processo passou para o novo Governo PSD/CDS liderado por Pedro Passos Coelho. A fase da reprivatização ficaria marcada por nova polémica devido ao processo de venda do BPN. Em consequência do memorando de entendimento que o XVIII Governo Constitucional de Portugal assinou com a Troika, o estado português foi obrigado a vender o BPN até ao final de Julho de 2011[12] . Em 2011-07-20 foi anunciado que foram recebidas 4 propostas de compra do BPN, onde se incluem propostas do Banco BIC Português, Montepio e de um grupo de 15 investidores portugueses referido por Núcleo Estratégico de Investidores.[13] [14] Em 31 de julho 2011 o Ministério das Finanças comunicou a venda por 40 milhoes de euros ao Banco BIC Português.[15]

Uma investigação da revista Visão intitulada "As estranhas manobras da venda do BPN", edição de 17 de Outubro de 2013, veio lançar luz sobre o processo de compra do BPN, determinando segundo explicações do próprio Ministério das Finanças, que apesar da anunciada venda por 40 milhões, os novos accionistas não desembolsaram capital para realizar a compra. Após a injecção de mais de 800 milhões de dinheiro público para recapitalizar o BPN, um dos primeiros actos da nova gestão foi a redução dos capitais próprios da nova instituição que resultou da fusão do BIC na estrutura do BPN, com a libertação de 40 milhões de euros que foram utilizados para liquidar o empréstimo contraído pelos accionistas do BIC realizarem a compra do BPN. Assim, o esforço financeiro para adquirir o BPN, provém da capitalização do Estado Português, ou seja, dos contribuintes, num episódio caricato, da novela do BPN.[carece de fontes?]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://economico.sapo.pt/noticias/angolanos-do-bic-ficam-com-bpn-por-40-milhoes-de-euros_123768.html
  2. http://www.bpn.pt/Portal/v10/PT/aspx/ingles/aboutus/governing/index.aspx
  3. BPN: Quem somos recuperado 1 de Agosto 2011
  4. CRONOLOGIA: Principais datas do "processo" 2012-05-11 (2012-05-11). Visitado em 2013-02-05.
  5. Diário de Noticias: Acionistas mudaram a marca e o nome da SLN recuperado 1 de Junho 2010
  6. TSF: Abdul Vakil diz que se esforçou para responder às dúvidas do Banco de Portugal recuperado 16 de Janeiro 2009
  7. [1]BPN: Oliveira Costa vendeu a Cavaco e filha 250 mil ações da SLN
  8. [2]Oliveira Costa é vizinho de Cavaco no Algarve
  9. [3]Dias Loureiro entre os dirigentes do PSD no processo-crime do BPN
  10. http://www.ionline.pt/dinheiro/bpn-nacionalizacao-custa-250-euros-cada-contribuinte
  11. [4]De 'decisão acertada' a 'erro grave' em apenas três anos
  12. Governo tem de acabar com golden share e vender BPN até ao final da próxima semana Público (2011-07-18).
  13. Há quatro propostas para comprar o BPN Diário Económico (2011-07-20).
  14. BIC Portugal, Montepio e NEI entregaram propostas para compra do BPN i online (2011-07-20).
  15. Diário de Noticias: Clientes do BPN preocupados com venda do banco ao BIC recuperado 1 de Agosto 2011

Ligacoes externos[editar | editar código-fonte]