Troika

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Troika ou troica[1] (em russo: тройка) é a palavra russa que designa um comitê de três membros. A origem do termo vem da "troika" que em russo significa um carro conduzido por três cavalos alinhados lado a lado, ou mais frequentemente, um trenó puxado por cavalos. Em política, a palavra troika designa uma aliança de três personagens do mesmo nível e poder que se reúnem em um esforço único para a gestão de uma entidade ou para completar uma missão, como o triunvirato histórico de Roma.

União Soviética[editar | editar código-fonte]

A palavra também era usada para designar para descrever os três supremos chefes dos estados comunistas, o chefe de estado, o chefe de governo e o líder do partido. Dessa forma, este termo tem sido historicamente reservado para designar diferentes alianças políticas dos líderes na União Soviética:

Troika da NKVD[editar | editar código-fonte]

A palavra se tornou popular mundialmente durante a era stalinista na União Soviética, quando troikas substituíam o sistema legal para perseguir rapidamente dissidentes contrários ao regime ou qualquer cidadão acusado de crimes políticos. Esta rapidez na prisão e julgamento se transformou numa caça as bruxas levando o medo ao país inteiro.

A troika pelo mundo[editar | editar código-fonte]

No começo dos anos 1960, em seguida à independência da Bélgica, os congoleses entraram em guerra civil. Entre as forças em luta havia uma facção apoiada pelos Estados Unidos, uma pela União Soviética e uma que lutava pela secessão do país. No meio de tudo, o Secretário-Geral das Nações Unidas, Dag Hammarskjöld, tentava estabelecer a presença da ONU no país. O líder soviético, Nikita Kruschev, convencido que o secretário-geral era um fantoche político dos Estados Unidos, propôs que a ONU passasse a ser administrada por uma troika, com seus membros indicados pelo mundo capitalista, pelo mundo comunista e um terceiro por países não-alinhados. A ideia não foi adiante devido à recusa das nações não-alinhadas.

O termo troika também é usado na União Europeia quando se refere a um grupo formado pelo Ministro das Relações Exteriores do Estado-Membro que ocupa a presidência do Conselho de Ministros da UE naquele momento, o secretário-geral para a política comum de segurança e exterior e pelo comissário europeu com a responsabilidade das relações externas e da política com a vizinhança europeia.

Durante a presidência de Ronald Reagan nos Estados Unidos, na década de 1980, uma troika também foi formada no poder na Casa Branca, com três dos principais conselheiros do presidente: o chefe de staff James Baker III, o conselheiro presidencial Ed Meese e o vice-chefe de staff da Casa Branca Michael Deaver.

Na América do Sul, troikas do poder militar também entraram para a história, existindo durante os anos em que diversos países do continente estiveram governados por ditaduras militares. As mais conhecidas delas foram as troikas que comandaram a Argentina por quase dez anos e a brasileira, conhecida como Junta Militar, que governou o país por dois meses em 1969, entre os governos Costa e Silva e Médici.

Na década de 2010 na Europa[editar | editar código-fonte]

O termo troika foi usado como referência às equipas constituídas por responsáveis da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional que negociaram as condições de resgate financeiro na Grécia, no Chipre, na Irlanda e em Portugal[2] [3] .

Em Portugal, a troika foi chefiada em abril de 2011 por Jürgen Kröger (Comissão Europeia) e contando também com Poul Thomsen (Fundo Monetário International) e Rasmus Rüffer (Banco Central Europeu).[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Porto Editora. tróica. Visitado em 13.07.2011.
  2. "'Troika' apresenta plano na representação da CE", Diário de Noticias, 2011-05-03. Página visitada em 2011-07-20.
  3. "Troika to assess Greek economic reforms", Financial Times, 2010-07-25. Página visitada em 2011-07-20.
  4. "Missão técnica da Comissão Europeia começa a chegar hoje a Lisboa", Jornal de Negócios, 2011-04-11. Página visitada em 2012-03-09.