Batalha do Ebro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Batalha do Ebro
Parte da Guerra Civil Espanhola
Forces of the Spanish Government Crossing the Ebro - Google Art Project.jpg
Forças da Republica cruzando o rio Ebro
Data 25 de julho de 1938 a 16 de novembro de 1938
Local curso inferior do rio Ebro
Resultado Decisiva vitória Nacionalista com o território leal à República espanhola definitivamente dividida em dois
Combatentes
Espanha Nacionalistas Espanha Segunda República Espanhola
Brigadas Internacionais
Comandantes
Espanha Fidel Davila
Espanha Francisco Franco
Espanha Juan Yagüe
Espanha Rafael García Valiño
Espanha Fernando Barron
Espanha 'Vicente Rojo Lluch
Espanha Juan Modesto
Espanha Enrique Líster
Espanha Etelvino Vega
Espanha Manuel Tagüeña
Forças
90,000
[1]
80,000[2] [3]
Baixas
Thomas: 6,500 mortos[4]
Preston: 6,100 mortos[5]
Jackson: 5,000 mortos[6]
30,000 feridos
5,000 capturados
Beevor: 30,000 mortos[7]
Thomas: 10,000-15,000 mortos[4]
Jackson: 10,000 mortos[6]
Preston: 7,150 mortos[5]
20,000 feridos
19,563 capturados
80 aviões derrubados

A Batalha do Ebro (Espanhol: Batalla del Ebro) foi a mais longa e mais sangrenta batalha da Guerra Civil Espanhola. Ela ocorreu entre julho e novembro de 1938, com a luta concentrada principalmente na comarca de Terra Alta na Catalunha e em Fayón um município de Aragão, duas áreas escassamente povoadas ao longo do curso inferior do rio Ebro. O resultado da batalha foi desastroso para a Segunda República Espanhola, com dezenas de milhares de mortos e feridos, e com pouco efeito sobre o avanço implacável dos nacionalistas.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Mapa da Espanha seis meses antes da Batalha do Ebro. Territórios Republicanos em vermelho, e territórios Nacionalistas em azul.
Mapa da Espanha em novembro de 1938 ao fim da Batalha do Ebro e imediatamente antes da Ofensiva da Catalunha.

Em 1938, a República Espanhola estava em apuros. O País Basco tinha sido conquistado pelos nacionalistas, o Partido Operário de Unificação Marxista (POUM) fora esmagado pelo stalinista Partido Comunista de Espanha, e muitos governos estrangeiros realizaram que era apenas uma questão de tempo antes que a questão de quem iria governar Espanha seria resolvida em favor dos nacionalistas.

No inverno de 1937-1938 o Exército Popular Republicano tinha esgotado as suas forças na Batalha de Teruel, uma série de combates sangrentos em temperaturas abaixo de zero em torno da cidade de Teruel, que acabou sendo tomado pelo exército franquista em fevereiro de 1938.

O General Franco, iniciou em seguida a sua Ofensiva de Aragão sem que seus inimigos tivessem a chance de se recuperar. Esta seria uma das operações mais decisivas da Guerra Civil Espanhola. Lutando em meio a temperaturas de inverno amargas, o exausto exército republicano poderia oferecer somente uma resistência débil. Apressando-se vitoriosamente através do terreno montanhoso ao do Sul Aragão, as tropas de Franco alcançaram o mar Mediterrâneo em Vinaròs em 15 de abril. Como resultado, o exército nacionalistaNacionalista tinha conquistado Lleida e as hidrelétricas que fornecem eletricidade a grande parte das áreas industriais catalães.

Os exércitos franquistas atacou ao norte de Valência, com a intenção de capturar a capital republicana, em vez de avançar em direção a Barcelona, temendo que a França iria entrar na guerra em apoio a República.[8] Em resposta à situação, o primeiro ministro espanhol Juan Negrín aprovou um plano de Vicente Rojo Lluch para lançar ataques contra as principais forças franquistas que avançavam em direcção a Valência. O objetivo dos ataques eram aliviar a pressão sobre o Valencia e a Catalunha, bem como para mostrar aos governos europeus que o governo republicano ainda era viável.[9]

O Exército Republicano na Catalunha tinha recebido 18 mil toneladas de material de guerra entre março e meados de Junho e doze novas divisões foram formadas com presos nacionalistas de guerra e um prolongada convocação, que incluía homens de meia-idade e rapazes de 16 anos (chamada convocação da mamadeira), formando um novo exército, o Exército do Ebro.[10]

Batalha[editar | editar código-fonte]

Ataque republicano[editar | editar código-fonte]

O Exército Republicano preparou-se para a travessia do rio Ebro durante uma semana inteira. Os comandos do corpo XIV cruzaram o rio, a fim de obter informações sobre as posições nacionalistas e as tropas republicanas treinaram a travessia em ravinas, rios e na costa. A espionagem Nacionalista por sua vez coletou informações que foram enviadas para o Alto Comando, alertando sobre os movimentos de tropas, a concentração das Brigadas Internacionais, jangadas e pontes flutuantes do outro lado do rio, mas Franco pensou que o Exército Republicano não estaria pronto para empreender uma ofensiva cruzando o Ebro.[11]

Para a travessia, eles escolheram a curva do rio Ebro entre Fayon e Benifollet uma área protegida pela 50a divisão do Exército Nacionalista.[12] O exército republicano começou a travessia do rio Ebro, na noite sem lua do 24-25 julho.[13] Os primeiros comandos republicanos que cruzaram o rio, mataram os guardas nacionalistas e fixaram as linhas para os barcos de assalto, em seguida, as primeiras tropas republicanas cruzaram em noventa barcos (cada um dos quais com 10 homens). As tropas restante do V e XV Corpo cruzaram no dia seguinte, inicialmente em três pontes flutuantes. A surpresa foi total e as forças republicanas foram inicialmente bem-sucedida. No entanto, um ataque secundário perto de Amposta, realizado pela XIV Brigada Internacional, falhou após 18 horas de combate, o que forçou a brigada a recuar, após sofrerem grandes perdas.[14]

No primeiro dia, as tropas republicanas cercaram as tropas da 50a divisão do coronel Campos, fazendo 4.000 prisioneiros, e levando muitos soldados nacionalistas a desertarem. Até o 26 de julho, as tropas republicanas ocupavam 800 km2 e chegaram aos arredores de Gandesa, no entanto, a XIII de Divisão Nacionalista estava na cidade e as tropas republicanas não conseguiu ocupá-la.[15]

Franco enviou reforços para a frente do Ebro (oito divisões, mais de 140 bombardeiros e 100 caças) e ordenou abrir as represas de Tremp e Camarasa. A água da inundação destruiu as pontes flutuantes, embora os engenheiros republicanos conseguiram consertá-las em dois dias. Além disso, a Legião Condor e a Aviazione Legionaria bombardeavam e as pontes permanentemente, embora estas fossem reparadas durante a noite. A dificuldade em manter as pontes fez com que apenas 22 tanques e pouca artilharia, suprimentos e munições conseguissem atravessar o rio Ebro. [16]

O objetivo principal dos republicanos era a cidade de Gandesa, cerca de 25 km a oeste do rio Ebro, uma encruzilhada para a Catalunha e as estradas norte / sul paralelas ao Ebro. O terreno ao redor da cidade era extremamente montanhoso, com a Serra de Cavalls, Serra de Pàndols e Serra de la Fatarella com o solo calcário duro e florestas escassas oferecendo pouca cobertura e abrigo contra o fogo franquista. Em 27 de julho, Modesto ordenou atacar a cidade com tanques T-26 e em 30 de Julho concentrou a artilharia em torno Gandesa lançando um ataque de infantaria contra ela. No dia 1 de Agosto, a XV Brigada Internacional atacou a Colina 481 na frente de Gandesa, sofrendo enormes baixas, apesar de todo esforço o assalto republicano falhou devido a superioridade aérea e de artilharia dos nacionalistas, e Modesto ordenou que o Exército do Ebro passasse à defensiva.[17]

Batalha de atrito[editar | editar código-fonte]

Após o fim da ofensiva republicana, o exército republicano do Ebro estava em um bolsão de costas para o rio[18] os oficiais nacionalistas queria atacar através do rio Segre e avançar para Barcelona, mas Franco queria destruir o Exército Republicano do Ebro. Os nacionalistas concentraram a maior parte de sua artilharia e forças aéreas na frente do Ebro. Por outro lado, o Alto Comando Republicano ordenou suas tropas de resistir e não recuar e oficiais e soldados foram executados por se retirarem.[19]

A batalha foi travada por ambos os lados como as da Frente Ocidental na Primeira Guerra Mundial, com cada lado lançando ataques frontais sangrentos nas posições inimigas. A tática nacionalista era de concentrar ataques de artilharia e aéreo em pequenas áreas, a fim de tornar a resistência impossível e depois lançar um ataque frontal de infantaria com um ou dois batalhões a fim de ocupar o local.[20] [21] Quase todos os dias 500 canhões disparavam mais de 13.000 rondas nas tropas republicanas e mais de 200 aeronaves nacionalistas despejavam 10.000 libras de bombas.[22] Apesar da inferioridade em armamento, as tropas republicanas lutaram com bravura[23] respondendo os ataques nacionalistas com barragens de metralhadora e morteiros.[24] Em muitas zonas, o terreno era muito difícil de cavar trincheiras, o calor agosto era insuportavel e as tropas republicanas sofriam escassez de água e comida.[25]

Contra-ofensiva Nacionalista[editar | editar código-fonte]

Campo de batalha do Ebro. Em rosa o máximo avanço republicano.

As forças nacionalistas lançaram seis contra-ofensivas a fim de reocupar o território ocupado pelos republicanos. O primeiro contra-ofensiva foi lançada no dia 06 de agosto contra o bolsão localizado entre Mequinenza e Fayon. A Legião Condor despejou 50 toneladas de bombas e a 10 de agosto as tropas republicanas foram forçadas a abandonar o local,[26] tendo os republicanos perdido 900 homens e 200 metralhadoras.[27] Em 11 de agosto os nacionalistas liderados por Camilo Alonso Vega lançaram um ataque contra a Serra de Pàndols realizada pela 11 ª Divisão do Lister.[28] Em 14 de agosto, o nacionalistas ocuparam o ponto mais alto de Santa Magdalena.[29] Em 18 de agosto os nacionalistas abriram novamente as barragens no rio Segre, destruindo as pontes flutuantes no Ebro e em 19 de agosto Yague com seis divisões e apoiada pela Legião Condor, após cinco dias de intensos combates capturou Villalba del Arcs e Gaeta.[30]

Depois de seis semanas de combates os nacionalistas tinham recuperado 120 milhas quadradas.[31] Por outro lado, em 21 de setembro, o primeiro-ministro Republicano, Juan Negrin, anunciou a retirada incondicional das Brigadas Internacionais.[32]

Republicano Artilharia antiaérea Republicana na Batalha do Ebro.

Em 16 de novembro, os últimos nacionalistas retiraram-se para a outra margem do Ebro encerando a batalha.[33]

Resultados[editar | editar código-fonte]

Monumento aos que morreram na batalha localizado no monte 705, na Serra de Pàndols .

Antony Beevor têm argumentado que "a política de guerra ativa" de Negrín de atacar em vez de adotar fortes defesas e esperando por um conflito europeu mais vasto, foi impulsionado principalmente pelo desejo propagandista de vitórias do PCE, e como no Ebro, destruiu o exército republicano sem obter resultados plausiveis.[34]

Os republicanos foram incapazes de realizar qualquer um de seus objetivos estratégicos e, de acordo com Beevor, não estavam dispostos a aplicar a teoria da operação profunda de seus ataques - ou seja, as suas forças passaram um longo tempo limpando posições defensivas secundárias nacionalistas, permitindo que as forças nacionalistas altamente mecanizada de implantar rapidamente posições defensivas fortes.[35]

A superioridade nacionalista em números e armamentos significava que eles eram mais capazes de suportar as perdas do que os republicanos. O Ebro viu o exército republicano destruída como uma força efetiva, enquanto a força aérea republicano já não era capaz de oferecer mais resistência.

Ambos os lados sofreram perdas enormes, variando de 50,000[36] a 110 mil vítimas,[37] e perdendo muitos aviões (os republicanos entre 130 a 150).[38] Os nacionalistas tinham perdido a maioria de seus melhores oficiais e muitos de seus tanques e caminhões necessitavam de reparos ou peças de reposição,[39] e o exército republicano tinha perdido a maior parte de suas armas e unidades experientes. [40] No entanto, Franco assinou uma nova lei de mineração fazendo enormes concessões ao governo alemão[41] garantindo que a Alemanha enviasse novas armas para as forças nacionalistas e assim em dezembro Franco pode lançou a ofensiva contra a Catalunha.

Referências

  1. Beevor, Antony.The battle for Spain. The Spanish Civil War 1936-1939. Penguin Books. London. 2006. p.357
  2. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. London. p.813
  3. Beevor, Antony. The battle for Spain. The Spanish Civil War 1936-193. Penguin Books. London. 2006. p.350
  4. a b Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2001. London. p.833
  5. a b Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. London. 2006. p.291
  6. a b Jackson, Gabriel. The Spanish Republic and the Civil War, 1931-1939. Princeton University Press. Princeton. 1967. p. 528
  7. Beevor, Antony. The battle for Spain. The Spanish Civil War 1936-193. Penguin Books. London. 2006. p.358
  8. Hugh Thomas, The Spanish Civil War (2001), pages 780-781
  9. Hugh Thomas, The Spanish Civil War (2001), pages 780-781
  10. Graham, Helen. (2005). The Spanish Civil War. A very short introduction. Oxford University Press. p.109
  11. Beevor, Antony. (2006).The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.350
  12. Jackson, Gabriel. (1965). The Spanish Republic and the Civil War, 1931-1939. Priceton University Press. Princeton. p.454
  13. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.816
  14. Preston, Paul. (2006). The Spanish Civil War. Reaction, revolution & revenge. Harper Perennial. London. p.289
  15. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.352.
  16. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. pp.352-353
  17. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.354
  18. Jackson, Gabriel. (1965). The Spanish Republic and the Civil War, 1931-1939. Princeton University Press. Princeton. p.457
  19. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.820
  20. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.820
  21. Preston, Paul. (2006). The Spanish Civil War. Reaction, revolution & revenge. Harper Perennial. London. p.291
  22. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.821
  23. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.355
  24. >Jackson, Gabriel. The Spanish Republic and the Civil War, 1931-1939. Princeton University Press. Princeton. 1967. p. 458
  25. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.354
  26. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939.Penguin Books. London. p.355
  27. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.821
  28. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.355
  29. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.821
  30. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.356
  31. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.821
  32. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.362
  33. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. p.356
  34. Antony Beevor. The Battle for Spain. [S.l.]: Orion, 1982 revised 2006.
  35. Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939.Penguin Books. London. p.354
  36. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.833
  37. Preston, Paul. (2006). The Spanish Civil War. Reaction, revolution & revenge. Harper Perennial. London. p.290
  38. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.833
  39. Jackson, Gabriel. (1965). The Spanish Republic and the Civil War, 1931-1939. Princeton University Press. Princeton. p.461
  40. Preston, Paul. The Spanish Civil War. Reaction, Revolution & Revenge. Harper Perennial. London. 2006. p. 292
  41. Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London. p.807

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Beevor, Antony. (2006). The Battle for Spain. The Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London.
  • Jackson, Gabriel. (1965). The Spanish Republic and the Civil War, 1931-1939. Princeton University Press. Princeton.
  • Thomas, Hugh. (2001). The Spanish Civil War. Penguin Books. London.
  • The Spanish Civil War by Gabriele Ranzato
  • The Ebro 1938; Death knell of the Republic. Author: Chris Henry. Osprey Campaign Series #60. Osprey Publishing (1999). Consultant Editor: David G. Chandler. ISBN 1-85532-738-4

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Batalha do Ebro

41° 09′ N 0° 28′ E