Bhakti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Bhakti (em sânscrito: भक्ति, "devoção") é uma das três doutrinas ou caminhos básicos prescritos pelo hinduísmo para a liberação espiritual (moksha). De acordo com as características pessoais de cada praticante, pode-se optar por um ou mais destes caminhos, simultânea ou separadamente e a qualquer tempo ou período de vida.

São eles:

  1. Karma, ou o caminho do trabalho com desapego aos resultados ou frutos por ele produzido.
  2. Bhakti, ou o caminho da devoção a um dos múltiplos aspectos do Absoluto (Brâman).
  3. Jñana, ou gnosis, o caminho do conhecimento, descobrindo a espiritualidade através do inquirir racional.

São muitos os angas, divisões ou disciplinas de bhakti instruídos principalmente nos Bhakti-sutras e no Bhagavata Purana. Mas há reverências a bhakti em praticamente todas as escrituras hindus, tanto nos shruti, quanto nos smriti Inúmeras seitas hindus se dizem seguidoras de bhakti e atribuem-lhe poderes miraculosos, superiores aos demais caminhos, assim como as inúmeras seitas de seguidores de karma e jñana atribuem poderes fantásticos aos seus respectivos caminhos.

Bhakti-yoga é uma disciplina da ioga para se alcançar bhakti usando o sadhana, ou método de atividades prescritas, como os praticados em outras modalidades da ioga.

Processos de bhakti[editar | editar código-fonte]

Segundo as autoridades no assunto, tais como Narada, Sandhiliya, Vyasa e outros, bhakti é hetu ou "sem causa", "imotivado". Nada pode causar bhakti, e bhakti é auto-propelente, isso é, nenhuma atividade ou processo pode incrementá-lo ou diminuí-lo.

Portanto, métodos tântricos como rezas, recitação repetida de mantras (japa), adoração de ídolos, peregrinações a locais sagrados, e as regras e disciplinas de sadhana não podem provocar qualquer tipo de alteração no estado de bhakti de qualquer entidade viva.

Entretanto, concorda-se que toda vivência no mundo causa alguma evolução na consciência, e assim, pode provocar bhakti ou alterá-lo. Não se pode, então dissociar completamente a experiência sensível da consciência e manifestação dela.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Narada-pañcaratra – autoria desconhecida, tradução inglesa com texto em sânscrito por Swami Vijnananda – Parimal Publ. Delhi – Índia – 1997
  • Narada-bhakti-sutras – texto sânscrito por autor desconhecido. Vrindabanan-press- Vrindavana- Índia – 1996.
  • Visnu Purana – Parashara Muni, tradução inglesa de H.H. Wilson com texto em sânscrito – Nag Publishers – Delhi, Índia – 1989.
  • Bhagavata Purana – Veda Vyasa, tradução inglesa por uma comissão de sanscristólogos sob os auspícios da UNESCO - Motilal Babarsidass Publishers – Delhi, Índia – 1987.
  • Sandhiliya-bhakti-sutras – autoria desconhecida, tradução bengali com texto em sânscrito – Padma-press – Kolkota, Índia – 1947.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Hinduísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.