Cambuci (fruta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Para outros significados de Cambuci, ver Cambuci (desambiguação)


Como ler uma caixa taxonómicaCambuci
Muda de cambuci

Muda de cambuci
Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Myrtales
Família: Myrtaceae
Género: Campomanesia
Espécie: C. phaea
Nome binomial
Campomanesia phaea
(Berg) Landrum 1984
Sinónimos
Abbevillea phaea O. Berg

Paivaea langsdorfii O. Berg/

O cambuci ou cambucizeiro é uma árvore frutífera nativa da Mata Atlântica, infelizmente chegou a estar em perigo de extinção, por ser fortemente explorada, por ter uma madeira de excelente qualidade na fabricação de ferramentas e utensílios básicos, e ao desmatamento em consequência ao crescimento urbano da própria cidade, porém com a descoberta do seu potencial econômico já não corre mais esse risco. Antigamente abundante na cidade de São Paulo, deu nome a um de seus bairros tradicionais.

O nome cambuci é de origem indígena e deve-se à forma de seus frutos, parecidos com os potes de cerâmica que recebiam o mesmo nome.

A espécie (Campomanesia phaea) foi inicialmente descrita por Berg em 1857, como Abbevillea phaea.

Características[editar | editar código-fonte]

Árvore de 3 a 5 m de altura, com copa piramidal, tronco descamante com 20 a 30 cm de diâmetro.

Folhas simples, lisas, de 7–10 cm de comprimento por 3-4 de largura, flores axilares pedunculadas e solitárias.

O fruto é uma baga lisa, achatada, de cor verde mesmo quando maduro, de polpa carnosa doce-acidulada.

As frutas de Cambuci têm um perfume intenso, adocicado, mas de sabor ácido como o limão.

Parente da goiaba e da pitanga,o cambuci é caracterizado pela sua riqueza em vitamina C e por ser muito azedo ao nosso paladar - por essa razão, não é um fruta para se saborear in natura como suas 'primas', mesmo assim muitos o consomem desta forma.

Segundo o químico e fitologista Lelington Lobo Franco, autor do livro As Incríveis 50 Frutas e seus Poderes Medicinais, ele é indicado para pessoas de constituição física frágil, doentes, anêmicas ou convalescentes. "Possui tanino, substância empregada no tratamento de bronquite, tosse e coqueluche. Ainda é composto por vitamina A (boa para visão), complexo B (ajuda na memória) e ferro". É rica em vitamina C, com propriedades antioxidantes e adstringentes que retardam o envelhecimento e fortalece o sistema imunológico, além de combater o colesterol. Tem altos teores de lipídios, carboidratos e proteínas, além de grande quantidade de ácido ascórbico.

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Originalmente encontrada em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, na vertente da Serra do Mar voltada para o planalto e no começo deste, na floresta ombrófila densa da Mata Atlântica. Ocorre também na restinga do litoral norte de São Paulo.

Atualmente é encontrada apenas perto de São Paulo (Paranapiacaba) e Teresópolis (no Parque Nacional da Serra dos Órgãos), no Rio de Janeiro.[1]

Os principais disseminadores deste fruto, são as Pacas, as antas, os cachorros do mato, e os veados. Ao se alimentarem, espalham suas sementes pelos locais por onde circulam . Um pé de cambuci em idade adulta chega a produzir 200 kg de frutos por ano; porém, em algumas regiões, foram encontrados alguns pés produzindo muito mais.

Dele se produz diversos subprodutos e os moradores de Paranapiacaba, utilizam o Cambuci para elaborar deliciosas receitas como geléias, sorvetes, sucos, licores, maceração em bebidas alcoólicas, mousse, sorvete, bolo, além do tradicional suco. É apreciada também ao natural, mesmo sendo ácida.Também se prepara a cachaça-com-cambuci, aguardente aromatizada com a fruta em infusão.

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Árvore semidecídua, higrófita, heliófita, muito rara, apesar da dispersão zoocórica pelas aves.

Floresce de agosto a novembro e os frutos amadurecem em janeiro a março.

Um quilo de sementes contém cerca de trinta mil sementes de baixa germinação.

O desenvolvimento da planta é lento.

Cambuci em Paranapiacaba[editar | editar código-fonte]

A presença de Cambuci em uma floresta indica que a natureza está bem conservada. Em Paranapiacaba encontramos facilmente o Cambuci na mata e o fruto que era utilizado na culinária pelos moradores locais, passou a ser explorado como mais um produto turístico. Os moradores de Paranapiacaba utilizam o Cambuci para elaborar deliciosas receitas como geleias, sorvetes, sucos, licores, maceração em bebidas alcoólicas, mousse, sorvete, bolo, além do tradicional suco.

O Brasil tem uma riqueza cultural muito diversificada, muitos povos tem uma tradição muito interessante, ainda mais no que se diz respeito a culinária popular, a imensa variedade de frutos aqui encontrada faz com que tenhamos uma culinária única e muito rica, como no pequeno vilarejo de Paranapiacaba tem como tradição a utilização do fruto Cambuci em sua culinária local.

No ano de 2007 foram realizados os dois primeiros concursos para escolher os melhores pratos culinários feitos de Cambuci. A diversidade foi incrível e os preparos, deliciosos.

Em outubro de 2008 realizou-se em Paraibuna um workshop para apontar caminhos para os municípios produtores de cambuci e então decidiu-se criar um roteiro gastronômico, turístico e cultural nas redondezas da Serra do Mar.

Em abril de 2009 nascia a I Rota Gastronômica do Cambuci na Vila de Paranapiacaba que aconteceu concomitantemente com o 5º Festival do Cambuci.

No Festival do Cambuci participam bares, restaurantes, pousadas e populares apresentando receitas que, ao término da festa, são contempladas com prêmios e troféus.   Todos levam muito a sério essa disputa e isso acaba criando grande rivalidade entre os participantes, deve ser devido ao sangue inglês que ainda influencia aquelas terras.

Referências

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Lorenzi, Harri: Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. Instituto Plantarum, Nova Odessa, SP, 2002, 4a. edição. ISBN 85-86174-16-X
  • IUCN Red List
  • FRANCO, LELINGTON LOBO - As incríveis 50 frutas com poderes medicinais. ISBN 85-900360-3-0
  • ANDRADE, A. G. F. BEATRIZ; LEMOS, FLAVIO; FONSECA, Y.G.PAULO: Cambuci O Fruto - O Bairro - A Rota ; História Cultura Sustentabilidade e Gastronomia 1ª Edição 2011. ISBN 978-85-99635-04-09
  • PASOS. Revista de Turismo Y Patrimônio Cultural, 9(2) 2011 .Marcius Fabius Y Ernesto Michelangelo Giglio

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cambuci (fruta)