Caso Jean Charles de Menezes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Agosto de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jean Charles de Menezes
Memorial de Jean de Charles de Menezes, na entrada da estação de Stockwell
Conhecido(a) por Ter sido morto num metrô em Londres
Nascimento 7 de janeiro de 1978
Gonzaga
Morte 22 de julho de 2005 (27 anos)
Londres
Nacionalidade  brasileiro(a)

Jean Charles de Menezes (Gonzaga, Minas Gerais, 7 de janeiro de 1978 - Londres, 22 de julho de 2005) foi um brasileiro que ficou conhecido após ser assassinado pela SO19, unidade armada da Scotland Yard dentro de um trem do metrô de Londres. Os policiais supostamente o confundiram com Hamdi Adus Isaac (ou "Hussain Osman") suspeito de tentar fazer um fracassado atentado a bomba no metrô, na véspera [1]. Esses fatos ocorreram duas semanas após os atentados de 7 de julho, quando uma série de explosões atingiu o sistema de transporte público de Londres, e 56 pessoas morreram.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Jean Charles vivia há três anos no sul da capital inglesa e, segundo as autoridades, foi confundido com um terrorista árabe, que teria participado dos atentados da véspera, contra ônibus e estações do metrô de Londres. O erro foi admitido pela Scotland Yard, quando informou que o brasileiro não tinha nenhuma relação com qualquer grupo terrorista. Segundo a autoridade policial, o acidente ocorreu porque o brasileiro se recusara a obedecer às ordens de parar, dadas pelas autoridades.

No entanto, a Comissão Independente de Investigação de Queixas da Polícia (CIIQ, em inglês) concluiu que Ian Blair, chefe da Scotland Yard, tentou impedir que a morte de Jean Charles fosse investigada.[2][3][4]

O jornal britânico The Observer, em sua edição do 21 de agosto de 2005, revelou que os três agentes que vigiavam Jean Charles não estavam armados nem uniformizados e não o consideravam suspeito de portar armas, bombas ou qualquer artefato terrorista. Só tinham a intenção de detê-lo. [5] No entanto, esses homens tinham ordens de ceder o controle da operação a grupos especiais das forças armadas (SAS [6]), caso estes interviessem. Os militares consideraram Jean Charles uma grave ameaça e seguiram seu modus-operandi - atirando para matar.

Alex Pereira, primo de Menezes que morava com ele, afirmou que o rapaz foi baleado pelas costas.

Segundo a Agência Brasil, o Ministério das Relações Exteriores publicou uma nota oficial na qual afirma que o governo brasileiro ficou "chocado e perplexo" ao tomar conhecimento da morte do brasileiro, "aparentemente vítima de lamentável erro".

Em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores afirmou que "o Brasil sempre condenou todas as formas de terrorismo e mostrou-se disposto a contribuir para a erradicação desse flagelo dentro das normas internacionais", e que aguarda explicações das autoridades britânicas sobre as circunstâncias da morte de Jean Charles.

Em 16 de novembro, o jornal Daily Telegraph publicou uma reportagem acusando a polícia britânica de utilizar munição de ponta oca, conhecida como dundum, para matar Jean Charles. O armamento foi proibido pela Convenção da Haia de 1899, por motivos humanitários (o projétil se expande e se estilhaça dentro do corpo do indivíduo atingido, criando grande estrago e provocando dores lancinantes, o que normalmente não acontece com uma bala comum).[7]

Biografia de Jean Charles[editar | editar código-fonte]

Jean Charles Menezes nasceu em 7 de janeiro de 1978, em Gonzaga, Minas Gerais. Cresceu numa área rural, a 300 km de Belo Horizonte. Depois da descoberta de um talento precoce para a Eletrônica, ele deixou a fazenda, aos catorze anos, para morar com seu tio em São Paulo e prosseguir seus estudos. Aos 19 anos recebeu um diploma técnico da Escola Estadual São Sebastião. Entrou no Reino Unido, em 2002, com um visto estudantil, e com apenas quatro meses na Inglaterra já tinha um bom domínio do inglês e trabalhava para mandar dinheiro para a família.

A polícia alegou que seu visto havia vencido quando foi morto - o que foi desmentido por seu primo.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

No dia anterior à execução, quatro atentados a bomba foram realizados em três lugares no metrô e num ônibus em Londres. Nem todos os perpetradores morreram no local, o que levou a polícia a fazer uma investigação em larga escala com o objetivo de caçar os fugitivos. Um indício material, encontrado em mochilas que não explodiram dos terroristas, levou os investigadores a um bloco de apartamentos de três andares em Scotia Road, Tulse Hill. Por volta das dez da manhã, agentes que observavam o local viram Jean sair do prédio de apartamentos onde morava com dois primos. Os agentes deveriam estar vigiando três homens de aparência somali ou etíope.

Jean Charles trabalhava como eletricista. Acabara de receber uma chamada para consertar um alarme de incêndio quebrado em Kilburn. Os agentes seguiram-no por cinco minutos, até a parada de ônibus. Ele embarcou em um ônibus da linha número 2. Entre dez e quinze minutos depois, o ônibus chegou à estação de Stockwell. Jean telefonou para um colega de trabalho, Gésio de Ávila, dizendo que iria se atrasar por causa do congestionamento provocado pelos atentados do dia anterior. Fora da estação de Stockwell, a polícia alega que lhe ordenou que parasse, fato questionado pelas revelações preliminares da investigação independente [8] [9].

Inicialmente, a polícia alegou também que Jean trajava um pesado blusão, o que teria deixado os policiais preocupados com a possibilidade de que ele estivesse carregando explosivos escondidos junto ao corpo. O jornal britânico The Observer, no entanto, relatou que ele estava vestindo baseball cap, blue fleece and baggy trousers (boné, um casaco e calças largas). A Reuters relatou que, segundo uma testemunha do tiroteio, Mark Whitby, Jean Charles estaria usando um grande casaco de inverno e "parecia deslocado" ("looked out of place"). De fato, posteriormente as fotos do corpo mostraram que Jean Charles usava calças e jaqueta de brim. Outra testemunha, Anthony Larkin, "talvez interessado em fazer piada ou ridicularizar o precipitado julgamento" contou à BBC que Menezes parecia estar vestindo um "cinturão de bombas, com fios saindo ligados à uma tomada elétrica " ("bomb belt with wires coming out"). Nenhum artefato assim foi encontrado, mas sua ocupação como eletricista poderia explicar a presença dos fios nessa imagem, já que ele não carregava sua maleta de ferramentas, deixada com seu colega no fim do dia anterior. Ademais, na hora do tiroteio a temperatura em Londres era de 17 °C, o que é fresco o suficiente para alguém criado em região de clima tropical usar uma jaqueta de denim.

Foi dito também que o motivo para ele supostamente ter corrido de policiais sem uniforme, foi ter sido atacado, poucas semanas antes, por uma gangue de skinheads - criminosos arruaceiros tolerados pela policia britânica e que costumam agredir pessoas de aparência semita. A ser verdadeiro o fato, algumas pessoas conjecturaram que sair correndo teria sido uma reação instintiva de Menezes, quando abordado pelo grupo de homens à paisana. Mas evidências fornecidas à Police Complaints Commission, IPCC (equivalente à corregedoria da polícia no Brasil) [10], por policiais, testemunhas e documentos, vazaram para a ITV News e não confirmam essa reação de fuga. Diferentemente de pular a catraca e fugir da polícia, conforme relatado inicialmente, Jean Charles foi filmado, em circuito interno de TV, entrando calmamente na estação e pegando um jornal gratuito, antes de embarcar no trem. [11]

Nos primeiros dias, havia relatos contraditórios sobre se os agentes disfarçados se identificaram devidamente, se tentaram contê-lo no chão ou se algum aviso foi dado antes de atirarem. O Comissário da Polícia Metropolitana, Sir Ian Blair disse, durante uma coletiva de imprensa, que o aviso foi dado antes de dispararem contra ele e que uma ambulância aérea foi chamada depois. Contudo Jean Charles foi declarado morto no local, tendo sido uma morte instantânea.

Os policiais que atiraram em Jean Charles de Menezes não foram processados. De acordo com a divisão especial de crimes do Ministério Público britânico (Crown Prosecution Service - CPS), não houve evidências de que eles não confundiram o brasileiro com um homem-bomba. Mas o promotor Stephen O'Doherty considerou haver provas suficientes para processar a Polícia Metropolitana. [12]

O governo brasileiro, em nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, lamentou a decisão do CPS, "por tornar impossível a punição dos agentes que participaram do assassinato de Jean Charles de Menezes". [13]

Em 1° de novembro de 2007, a Scotland Yard foi condenada pela Justiça britânica a pagar multa de 175 mil libras mais os custos do processo, 385 mil libras, por burlar as normas de segurança e saúde da população na operação que matou Jean Charles. Embora sem individualizar os responsáveis, a decisão estabeleceu a responsabilidade da Polícia Metropolitana no caso.[14] Em novembro de 2009, a família Menezes ganhou uma indenização de 100.000 libras, considerada muito baixa, quando comparada a valor de £800.000, indenização concedida na mesma época pela justiça britânica, em um caso de assédio moral no ambiente de trabalho, ou aos 4 milhões de libras pleiteados por uma vítima de assédio sexual, também na mesma época. Uma jornalista de The guardian questionou se a vida de Jean Charles poderia valer menos por ele ser pobre. [15]

Jean Charles é difamado na Wikipédia[editar | editar código-fonte]

Em 2014, ficou comprovado que alterações feitas no artigo da Wikipédia sobre o brasileiro Jean Charles de Menezes foram realizadas em computadores usados pelo governo britânico. De acordo com o jornal inglês “The Guardian”, ativistas rastrearam o IP (número que identifica um computador na internet) e determinaram a autoria de um novo parágrafo, que critica os grupos que exigiram investigações mais detalhadas sobre o caso de Jean Charles.

Segundo o jornal, que atribui ao telejornal Channel 4 News a descoberta, os novos trechos do texto atacam diretamente aqueles que exigiam maior investigação e punições aos policiais envolvidos, alegando que eles chegariam até a justificar atos de terrorismo ou diminuir sua importância. Além disso, a própria vítima foi alvo de críticas.

“Houve certa repercussão negativa contra Menezes, com tabloides britânicos em especial protestando por ele ter recebido mais espaço do que qualquer uma das 52 pessoas que morreram nos atentados a bomba. Grupos ‘anti guerra’ que defendem o caso de Menezes ignoram o destino das vítimas dos atentados, com alguns chegando a ‘compreender’ os atentados em função do papel do Reino Unido no Iraque”, diz a alteração feita em um computador do governo.

Os adeptos do movimento “Stop the War” foram ainda acusados de acreditar que “os ataques terroristas na Inglaterra são justificados por causa do envolvimento do Reino Unido na queda de Saddam Hussein”. Além disso, foi acrescentado um trecho que questiona se Jean Charles realmente era um imigrante legalizado no país.

Segundo o “The Guardian”, é pouco provável que o governo britânico inicie uma investigação sobre o caso, embora um porta-voz tenha afirmado que existe um código de conduta que deve ser seguido por funcionários públicos e que, em breve, “novas e maiores instruções sobre internet e mídias sociais serão distribuídas em todos os departamentos”. [16]

Tamanha atitude covarde por parte do governo britânico reafirma a idéia de que, aos olhos desta instituição, o assassinato covarde e brutal de um inocente jamais terá força suficiente para vir a manchar a reputação e o orgulho de instituições como a polícia e o governo britânicos - mesmo que para isso se faça uso de calúnia e difamação a fim de, em mais outra atitude covarde, manchar a honra de um inocente vitimado pela incompetência e desorganização de uma nação acostumada a encobrir seus erros atrás de uma postura soberba.

Filme[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2009, foi lançado o filme Jean Charles, com Selton Mello, interpretando Jean Charles.

Memorial[editar | editar código-fonte]

Em 7 de janeiro de 2010, data do 32º aniversário de nascimento de Jean Charles, um memorial dedicado a ele foi inaugurado na estação do metrô de Stockwell. O memorial, criado por dois artistas locais, foi instalado na entrada da estação onde já havia um altar improvisado com flores, velas, fotografias, mensagens e recortes de notícias sobre o caso.[17]

Música[editar | editar código-fonte]

Durante a turnê The Wall Live em 2011, Roger Waters cantou uma versão da música Another Brick in the Wall com letras diferentes em homenagem a Jean Charles. O nome dessa versão é "The Ballad Of Jean Charles de Menezes".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Mídia[editar | editar código-fonte]

(notícias)
Brasileiro é confundido com terrorista e morto pela polícia britânica por engano, 24 de Julho, 2005
A polícia britânica afirmou que matou por engano o brasileiro Jean Charles de Menezes, 27 anos, oriundo de Minas Gerais. Segundo as autoridades, ele foi confundido com um terrorista que teria participado dos atentados no metrô de Londres na quinta-feira (21).
Brasileiro morto por engano em Londres é enterrado em sua cidade natal, 24 de Julho, 2005
Jean Charles de Menezes, eletricista morto por engano em Londres, foi enterrado no dia 29 de Julho de 2005, Sexta-Feira, em sua cidade natal, Gonzaga, Minas Gerais.


Referências

  1. 21 July bombs were 'just hoaxes'. BBC, 1° de março de 2007.
  2. La policía de Londres trató de impedir la investigación de la muerte del brasileño El País, 19/08/2005
  3. Carta de Ian Blair a John Gieve (Comissário de Polícia) referente às investigações sobre conduta adotada durante a "Operação Kratos" (documento no formato PDF) Do Site: Metropolitan Police Authority, da época do ocorrido.
  4. Resposta de John Gieve à carta enviada por Ian Blair (documento no formato PDF) Do Site: Metropolitan Police Authority, da época do ocorrido.
  5. Un periódico británico indica que los agentes que seguían a Menezes no lo consideraban una amenaza El País, 21/08/2005
  6. Jean Charles pode ter sido morto por força especial. Conjur, 05/08/2005.
  7. Polícia matou Jean Charles com balas dum-dum, diz jornal britânico. BBC Brasil, 16/11/2005.
  8. El País, 19/08/2005
  9. El País, 21/08/2005
  10. Relatório de inquérito da morte de Menezes em Londres só vai sair em fevereiro de 2006. Le Monde / UOL, 25/08/2005.
  11. New claims emerge over Menezes death, por Rosie Cowan, Duncan Campbell e Vikram Dodd. The guardian 17/08/2005.
  12. Policiais britânicos que assassinaram brasileiro no metrô não serão processados. Agência Brasil, 17 de Julho de 2006.
  13. Governo lamenta decisão inglesa de não punir policiais envolvidos na morte de brasileiro, por Nelson Motta. Agência Brasil, 17/07/2006.
  14. Multa revela responsabilidade da Scotland Yard pela morte de Jean Charles, afirma Itamaraty. Agência Brasil, 2/11/2007.
  15. Why are payouts so unfair?. The guardian, 25/11/2009
  16. Sinopse e trailer do filme.
  17. Inaugurado em Londres um memorial ao brasileiro Jean Charles de Menezes. UOL, 07/01/2010.
  18. PCs do governo inglês editaram artigo de Jean Charles na Wikipédia. G1, 06/08/2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SANT'ANNA, Ivan. Em nome de sua majestade, Rio de Janeiro. Objetiva, 2007.
Ícone de esboço Este artigo sobre um crime é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.