Cesar (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
 Portugal Cesar  
—  Freguesia  —
Sede da Junta de Freguesia - Centro Cívico Justino Portal (1914)
Sede da Junta de Freguesia - Centro Cívico Justino Portal (1914)
Bandeira de Cesar
Bandeira
Brasão de armas de Cesar
Brasão de armas
Cesar está localizado em: Portugal Continental
Cesar
Localização de Cesar em Portugal
40° 55' N 8° 26' O
País  Portugal
Concelho OAZ.png Oliveira de Azeméis
Fundação Império Romano (origem anterior)
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 5,43 km²
População (2011)
 - Total 3 166
    • Densidade 583,1/km2 
Gentílico: Cesarense
Código postal 3700
Igreja Matriz e Pelourinho datado de 1862
Entrada da "Quinta do Outeiro" com a capela do século XVII praticamente arruinada
Casa de 1912 construída por César Jorge e vulgarmente chamada de "Casa do Monte"
Quinta Verde - Construída por Isaura Branco. O portão (não visível) tem a forma de uma borboleta ao gosto arte nova
Casa datando de 1909 vulgarmente conhecida por Casa Azul
Vestígio de construção no Castro Calbo

Cesar é uma freguesia portuguesa do concelho de Oliveira de Azeméis, com 5,43 km² de área e 3 166 habitantes (2011). Densidade: 583,1 hab/km². Foi elevada a vila a 13 de julho de 1990.

História[editar | editar código-fonte]

Cesar nasceu na base do monte Calbo, serra onde existiu até à baixa idade média um importante castro, o Castro Calbo.

Nesta região estabeleceu-se a capital do povo Lusitano "terduli-veteres".

Com as invasões romanas, nomeadamente após o consulado de Caio Julio César, que viria a ser o primeiro imperador de Roma, e que aqui esteve como governador da "Ulterior" no século I AC, todo o norte de Portugal foi ocupado e pacificadas as cidades dos lusitanos, incluindo o Castro Calbo, Castro de Romariz, etc.

Apesar de tudo o Castro Calbo terá mantido a sua importância pelo menos até à reconquista em 1035 por Bermudo III pois há fontes que referem a sua utilização até essa data e posterior, provavelmente em virtude do retrocesso das "Villae" que se deu com o início do processo de reconquista por Afonso I e que levou ao despovoamento das estruturas sociais estabelecidas, à desorganização social e o retorno aos "castros" como forma da população se proteger das pilhagens que estiveram associadas ao período deste Rei e dos seguintes até à pacificação ulterior do território.

Em Cesar a ocupação romana terá sido feita na planície que hoje é realmente habitada, visto o castro estar totalmente soterrado, senão mesmo destruído.

Os topónimos actuais - Vilarinho e Cimo de Vila - provavelmente indicam as possíveis localizações das primeiras vilas romanas e onde se terão estabelecido, pois estes topónimos estão quase sempre relacionados com a ocupação romana.

Aliás, o lugar de Cimo de Vila foi o centro de Cesar até que, com a destruição da igreja original, uma das mais antigas da região e que estava em Cimo de Vila no campo de Carregais (hoje Casa Azul), e com a construção das duas sucessivas igrejas, primeiro abadia e depois a actual igreja, se iniciou a descentralização do foco populacional.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Actualmente Cesar é um importante centro industrial, predominando a indústria da louça de alumínio e aço inoxidável, dos moldes e calçado. Estão sediadas na vila de Cesar as empresas: - Combinação Equilibrada (PUBLICIDADE), Afer, Eumel, Silampos [1], Ibotec, Fersil, Irmãos Azevedo, Celar, Cogumelo Design www.cogumelo.org, J.Fer, Dias Verdes (Green Days) e Cultifera entre outras.

Em Cesar encontra-se uma das mais puras e ricas jazidas de caulino, havendo também zonas ricas em quartzo de grande pureza.

Festas e feiras[editar | editar código-fonte]

  • A vila de Cesar é visitada por dezenas de milhares de pessoas na altura das Festas Grandes, na primeira semana de Julho, em honra de São Pedro, do Mártir São Sebastião e de Nossa Senhora da Graça. Nesta ocasião organiza-se uma procissão religiosa, acompanhada por diversas bandas de música assim como uma festa profana com diversas diversões.
  • Todos os meses (dia 18) realiza-se uma das mais importantes feiras da região, tendo já tradição secular.

Coletividades e Associações[editar | editar código-fonte]

  • Futebol Clube Cesarense - equipa oficial de Futebol de 11 desta freguesia.
  • Villa Cesari Associação com actividades recreativas, culturais, desporitvas e lúdicas.
  • Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria - associação que visa a apoiar e desenvolver projectos de valorização económica do património e cultura regional.
  • Centro Columbófilo de Cesar
  • Caricas Motoclub de Cesar
  • Clube Caça e Pesca de Cesar
  • Grupo Coral Litúrgico de Cesar
  • Grupo Coral Juvenil de Cesar “SHALOM”
  • Trovas à Tôa
  • Metrópole [2] - Associação Cultural de Cesar

Património[editar | editar código-fonte]

Cesarenses ilustres[editar | editar código-fonte]

Povos e lugares[editar | editar código-fonte]

Cesar, tradicionalmente, encontrava-se dividido por alguns povoamentos dispersos, sendo os mais importantes aglomerados modernos os de Mato de Arca, Vilarinho, Cimo de Vila, Travasso, Naia, Castelo, Picôto, Gândara e Mirões.

A freguesia está divida em lugares correspondentes a pequenas divisões do território, correspondentes a subdivisões dos aglomerados mais importantes, relevando-se o enorme património toponímico dos lugares que se enumeram: Mergulhão, Baisca, Cova da Serra, Loudrões, Perdigoto, Serra da Fontinha, Vila Grande, Pedras do Covelo, Mirões, Travasso, Vale do André, Gândara, Campo do Ferrado, Vales, Poças, Cerejeira, Pinhal, Castelo, Pinhal, Corregonchas, Vale do Carvalho, Cepo (limites da Gândara), Mato de Fora, Verdeiros, Quintais de César, Vessada, Gundim, Gundivo, Salgueiro, Pereirinha, Ponte, Lavoura, Valinho do Portal, Ladeiro, Barreiro, Amiais, Portas, Campo dos Gondins, Presas, Campo do Porto, Curtinhas ou Cortinhas, Esteirinhos, Lôrco, Leirinhas, Várzea, Monte, Algiboa, Fonte da Pipa, Talhos, Subideira, Arieiro, Sruada, Feiteiros de Cima, Sernada, Campo da Nogueira, Ribeirinha, Bosque, Fonte Nova, Chão de Fora, Praia, Guteiro, Rodêlo, Cimo de Vila, Choupelo, Chão do Ribeiro, Costeirado, Pedra Má, Vale do Moinho, Soriego, Portelos ou Portela, Picôto, Pinheiro, Cavadas, Quintãs, Trazeiros, Mato de Arca e Chão de Além.