Champ Car

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Champ Car
Categoria Monoposto
País ou região Mundial
Temporada inaugural 1979 (como CART)
2004 como Champ Car
Temporada final 2008
Fornecedores dos motores Reino Unido Cosworth
Fornecedores dos pneus Japão Bridgestone
Último piloto campeão França Sébastien Bourdais
Última equipe campeã Estados Unidos Newman/Haas/Lanigan Racing
Fabricante da equipe campeã Estados Unidos Panoz

A Champ Car foi uma tradicional categoria de monopostos dos Estados Unidos da América.

Teve suas origens nos campeonatos organizados pela American Automobile Association (AAA) e Unites States Auto Club (USAC). O vencedor recebia a tradicional Taça Vanderbilt (Vanderbilt Cup), já com seus 100 anos de disputa.

Acrescente-se que o termo Indy Car é um nome descritivo para monopostos que participam na corrida das 500 Milhas de Indianápolis. Inicialmente, as máquinas eram geralmente referidos como Championship Car, ou o termo mais ambíguo dos Big Cars.

No seu uso mais popular, "Champ Car" foi o último nome dado a um corpo diretivo anteriormente conhecido como Championship Auto Racing Teams, ou CART, fundada em 1979 pelos proprietários da equipe que discordaram da USAC. No ápice da popularidade da série, em 1992, era conhecida como PPG CART Indy Car World Series até a cisão ocorrida com a Indianapolis Motor Speedway, em 1996. Posteriormente, foi conhecida como a CART FedEx Championship Series, e em 2003, a Bridgestone Presents The Champ Car World Series Powered By Ford, até a falência no final da temporada. Logo a seguir, um trio de donos de equipe da CART comprou os ativos do corpo de sanção e rebatizou a categoria como Champ Car Open Wheel Racing Series, depois renomeá-lo para Champ Car World Series (CCWS) LLC. Com as dificuldades financeiras continuando, o pedido de falência da CCWS é feito antes da temporada 2008, que estava prevista; como conseqüencia os bens da mesma foram fundidas com as da IndyCar Series, juntando as duas categorias.

História[editar | editar código-fonte]

Criação[editar | editar código-fonte]

Carro da equipe Newman-Haas, pilotado por Nigel Mansell em 1993.

Em 1909, criou-se nos Estados Unidos uma associação automobilística para controlar o campeonato nacional. Essa associação, chamada de AAA ("American Automobile Association") funcionou até 1956 quando foi substituída pela USAC ("United States Automobile Club") após um acidente ocorrido em LeMans matando dezenas de espectadores.

A formação da CART[editar | editar código-fonte]

A ruptura com a USAC, em 1978, foi conduzida por um grupo de proprietários de carros que via esta entidade como uma agência de sanções incapaz. Esse grupo também se queixou da má promoção, e se aliaram com o ex-piloto Dan Gurney, que em 1978 escreveu o que ficou conhecido como o Livro Branco de Gurney (em inglês, Gurney White Paper), no qual propõem um plano para criação de uma organização chamada Championship Auto Racing Teams (CART).[1]

Gurney foi inspirado pelas melhorias que Bernie Ecclestone tinha aplicado na Fórmula 1, com a criação da Associação de Construtores da Fórmula 1 (FOCA). O chamado Livro Branco pelos proprietários, usado para formar a CART era um grupo de advocacia para promover o campeonato nacional da USAC, fazendo o trabalho onde o corpo de sanção não faria. O grupo também trabalharia para negociar os direitos de transmissão, o montante nas corridas e, idealmente, teriam assentos no corpo diretivo da USAC.

Gurney, apoiado por alguns dos principais donos de equipe, como Carl Hogan, Roger Penske, e da Pat Patrick, fizeram seus pedidos, que incluem maior representação na administração, mas a proposta foi rejeitada em novembro de 1978. A rejeição da proposta levou os proprietários a formar uma nova série (CART) no final de 1978, sob os princípios estabelecidos no Livro Branco de Gurney, com a primeira corrida a ser realizada em março de 1979.

Adicionando-se a isso, em 23 de abril de 1978, oito membros-chaves da USAC, além do piloto, foram mortos quando o avião em que estavam caiu durante uma tempestade aproximadamente 40 quilômetros ao sudeste de Indianápolis.

O efeito sobre a USAC, e para os monopostos nos Estados Unidos, foi devastador, especialmente desde após a morte do proprietário do autódromo de Indianápolis, Tony Hulman.

A novidade da organização, no entanto, não teve reconhecimento da ACCUS, que representa a FIA nos Estados Unidos. Um acordo foi alcançado com a Sports Car Club of América (SCCA), onde o SCCA agiria como o corpo de sanção para a nova série. Isso permitiria que os eventos a ser incluídos na International Motorsports Calendar.

A nova categoria rapidamente ganhou o apoio da maioria dos donos de equipes. Isso significava que as equipes da frente e intermediárias estariam competindo na categoria de carros novos. Das 20 corridas realizadas em 1979, 13 faziam parte da temporada de estreia da CART. Dos 10 circuitos que receberam corridas de monopostos, 5 eram exclusivos da CART e apenas o Ontario Motor Speedway recebeu corridas de ambas as séries. A primeira temporada da CART teve como campeão Rick Mears, enquanto A.J. Foyt foi o último sob a organização da USAC. No ano seguinte (1980), a CART passa a ter o controle total da categoria.

Invasão estrangeira[editar | editar código-fonte]

A CART, assim como seu antecessor, a USAC, foi amplamente dominada por pilotos norte-americanos até a década de 1990. Muitas estrelas do automobilismo estadunidense, como A.J. Foyt, Mario Andretti, Al Unser, Al Unser Jr, Rick Mears, Bobby Rahal e Danny Sullivan, fizeram carreira na CART.

Apesar disso, aconteceram casos isolados de bons resultados de estrangeiros durante a década de 1980, como o vice-campeonato do italiano Teo Fabi em 1983, e o 4º lugar obtido pelo colombiano Roberto Guerrero em 1987.

Logo após o ex-campeão da Fórmula 1 Emerson Fittipaldi vencer as 500 Milhas de Indianápolis de 1989 e conquistar o título no mesmo ano, no entanto, vários pilotos estrangeiros (a maioria de origem latino-americana, européia e nipônica) passaram a competir pela categoria, ao longo da década de 1990, como o escocês Dario Franchitti (hoje na IndyCar), o italiano Massimiliano Papis (que já correu na Fórmula 1 em 1995), o mexicano Adrián Fernández, o holandês Arie Luyendyk, o inglês Mark Blundell (também ex-Fórmula 1), o sueco Stefan Johansson (também vindo da F-1), os japoneses Hiro Matsushita e Naoki Hattori (também ex-F1), os brasileiros Maurício Gugelmin, Christian Fittipaldi e Roberto Moreno, entre outros.

O campeão da temporada de 1992 da Fórmula 1, o britânico Nigel Mansell correu na CART em 1993 e venceu o campeonato, sendo o vice-campeão um piloto também não-estadunidense e ex-campeão da CART, Emerson Fittipaldi.

A vitória de Mansell, junto a uma estadia curta de Michael Andretti na Fórmula 1, ainda em 1993, foi visto por alguns como uma suposta prova da superioridade de pilotos não-estadunidenses.

O ex-piloto italiano de Fórmula 1 Alessandro Zanardi, que teve menos sucesso do que Mansell e Emerson Fittipaldi na Fórmula 1, dominou as temporadas de 1997 e 1998. Seu companheiro de equipe, Jimmy Vasser, que ganhou o campeonato de 1996, foi o último campeão norte-americano da CART. Do período de 1997 até 2003 - até ser declarada a falência da CART, 5 pilotos estrangeiros conquistaram o título, que, incluindo Zanardi, foram: o colombiano Juan Pablo Montoya em 1999, o brasileiro Gil de Ferran em 2000 e 2001, o também brasileiro Cristiano da Matta em 2002 e o canadense Paul Tracy em 2003.

Durante este tempo, a CART também incluiu circuitos, como Detroit e Long Beach, que fizeram parte do calendário da Fórmula 1. Também incluiu grande prêmios em locais como Miami (depois transferido para o circuito oval) e Cleveland, em circuitos de rua, respectivamente nos Estados Unidos; Vancouver e Toronto, dois circuitos de rua no Canadá; Rio de Janeiro, que sediou a etapa brasileira entre 1996 à 2000, e também o GP de Surfers Paradise, em circuito de rua na Austrália.

A dissidência da CART com a Indianapolis Motor Speedway[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1991, Tony George, presidente do Indianapolis Motor Speedway, aproximou-se da administração, propondo um novo conselho composto por representantes dos circuitos da categoria, dos donos de equipe e dos fornecedores o que foi refutado pela CART.

Divergindo, George tomou uma posição, por iniciativa própria: expressou sua preocupação acerca das sanções restritivas relacionadas aos motores (por exemplo, a proibição de um tipo de material de fibra de carbono introduzido em março de 1991, aparentemente por razões de segurança, até que dois fabricantes de chassis da categoria - Penske e Lola - poderiam colocá-lo). Entre suas preocupações eram a falta de pilotos americanos vindos da base (só havia 10 em 1996).

A CART fez mudanças para incluir mais corridas de rua do calendário, entretanto George também queria dar mais voz à Indianapolis 500, expressada através da sua oposição a inclusão de Surfers Paradise, fora da América do Norte, a sua base. A Indy 500 foi tratada como qualquer outra corrida no calendário, e também atribuído o mesmo número de pontos aos pilotos.

George se desligou da administração da CART, e anunciou os planos da fundação de uma nova categoria, chamada de Indy Racing League (IRL, atual IndyCar Series), em 1994, que iniciou sendo gerenciada pela USAC com os modelos dos chassis da CART dos anos de 1992 a 1995 recebendo apoio de alguns donos de equipe tradicionais, como Dick Simon e A. J. Foyt. Com a sua primeira corrida em 1996, as suas intenções inicialmente foram:

  • Controlar os custos de corrida.
  • Segurança dos pilotos.
  • Incluir um calendário totalmente em circuitos ovais, dentro dos Estados Unidos.
  • Dar uma oportunidade melhor para os pilotos americanos para terem sucesso no esporte motorizado e competir nas 500 milhas de Indianápolis, particularmente os da USAC cuja representação na Indy 500 tinha diminuído.

No dia 18 de dezembro de 1995,[2] as equipes da CART, convencidas de que eles estavam deliberadamente sendo preteridas a partir da Indianapolis 500 de 1996, [3] anunciam sua intenção de boicotar o evento.

O contraste entre a prova de abertura da CART, em Miami com a da IRL em Orlando e seus respectivos participantes se destacava. A maioria dos equipamentos da IRL, equipes e pilotos da categoria eram desconhecidos. Em contrapartida, na CART havia 4 fabricantes de motores, 4 fabricantes de chassi, 2 conjunto de pneus, 28 carros, grandes patrocinadores e autódromos lotados.

Em Março de 1996, a CART abriu um processo contra a Indianapolis Motor Speedway, em um esforço para proteger a sua licença sobre a marca IndyCar. Finalmente um acordo foi celebrado com a CART, que concordou em renunciar à utilização da marca IndyCar após a temporada de 1996 da IRL e não poderia usar o nome antes do final da temporada de 2002.

Para as 500 Milhas de Indianápolis de 1996, 25 carros dos 33 que largariam foram reservados para os que mais pontuaram na temporada de 1996 da Indy Racing League.[4] Foi uma regra controversa, conhecida em inglês como a "25/8 Rule", e foi o estopim do boicote da corrida pelas equipes da CART. As únicas equipes da CART que entraram foram Galles e Walker, mas não com seus pilotos titulares. A Galles alinhou um Ilmor Mercedes (o único Mercedes que alinhou) com Davy Jones, enquanto a Walker alinhou com um carro na corrida, com o piloto Mike Groff. A restrição foi abandonada depois da corrida de 1997.

Em resposta, a CART tentou criar um evento concorrente, a U.S. 500, no Michigan International Speedway, no mesmo dia que a Indy 500 em 1996. A corrida não conseguiu atrair a cobertura televisiva, e substanciais esforços promocionais foram empreendidos a fim de preencher os estimados 80.000 lugares no Michigan International Speedway. A corrida teve um início desastroso com um grande acidente envolvendo muitos dos carros. Com os carros alinhados em filas de três (a formação tradicional da largada da Indy 500), Jimmy Vasser, na pole, estava prestes a levar a bandeira verde no início, quando ele foi atingido por Adrian Fernández. O mexicano, em seguida, colidiu com Bryan Herta. A data da corrida foi alterada em 1997, para não coincidir com a Indy 500. O nome U.S 500, contudo, ficou intacto até 1999.

A próxima estratégia da CART seria organizar uma corrida na véspera da Indy 500 no Gateway International Raceway, que também não desviou a atenção. O próximo passo de George foi especificar novas regras técnicas para tornar os carros mais baratos e baniu as específicações da CART para os carros que tinham sido o sustentáculo da corrida desde o final dos anos 70. As equipes da CART seriam forçados a comprar carros diferentes, se eles quisessem ter a oportunidade de se qualificarem para a Indy 500.

De 1996 a 1999, poucos pilotos e poucas equipes da CART competiram na Indy 500. Embora esta situação tenha permitido que muitos pilotos americanos participassem do evento, não apagava a turbulenta situação política, juntamente com a ausência de muitos dos grandes pilotos e dos grandes patrocinadores, que estavam na CART.

Nos bastidores, existia a crescente preocupação por parte da Fórmula 1, pois com o crescimento da categoria, vinha tomando mercado da mesma. Incluiu no calendário a partir de 2000 um circuito misto construído no interior do circuito oval de Indianápolis, após 9 anos sem o Grande Prêmio dos Estados Unidos na Fórmula 1.

A CART pós-ruptura[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros anos após o lançamento da IRL em 1996, a CART parecia estar dominando os monopostos. Deteve a maioria dos pilotos de nome e a maioria das corridas, enquanto a liga rival IRL possuia a Indianapolis Motor Speedway. O calendário de 1996 da IRL consistia em apenas três corridas, incluindo a Indy 500, e muitos dos pilotos eram relativamente desconhecidos.

Em dezembro de 1997, a empresa de entrega de encomendas FedEx substitui a PPG como principal patrocinador, ficando a categoria rebatizada de FedEx Championship Series.

Em 1998, a CART se torna uma empresa de sociedade anônima, e levanta US$ 100 milhões em ofertas de ações.

Em 2000, o ex-piloto Bobby Rahal assumiu como presidente interino da CART após a renúncia de Andrew Craig e substituiu o PPG Cup (utilizado entre 1979 até 1999) pela Vanderbilt Cup como o troféu do categoria, que foi o primeiro troféu no automobilismo americano cujo nome tinha se desvinculado. Naquele ano, Gil de Ferran, da Penske, estabeleceu o recorde de velocidade em circuito fechado para uma corrida de carros no Circuito da Califórnia: 241,428 mph (cerca de 388,540 km/h), na qualificação para o fim da temporada (sendo dado prêmios milionários ao vencedor).[5] [6]

Apesar do considerável drag (termo inglês designando "arrasto", "resistência") do carro (relacionado à asa traseira MkII Hanford usado na CART nos superspeedways naquela época), o feito foi realizado na primeira volta de qualificação.

O domínio da CART parecia irretocável até 2000. Naquele ano, algumas equipes da CART começaram a competir na Indy 500, e que posteriormente se fidelizaram à IRL. Isso foi motivado por alegações de má gestão, fabricantes de motores contrariados, e patrocinadores que desejavam ir à corrida.

Em 2000, Chip Ganassi, quando ainda corria na CART, tomou a decisão de retornar para a Indy 500 com seus pilotos, o vencedor da U.S. 500 e campeão da CART no ano de 1996, Jimmy Vasser; e o campeão da CART em 1999, Juan Pablo Montoya, que teve um desempenho de destaque, liderando 167 das 200 voltas para ganhar as 500 milhas de Indianápolis. A derrota foi surpreendente para as equipes da IRL, com a principal vantagem da equipe Ganassi nos pit stops sendo que eram freqüentemente mais rápidos do que vários de seus principais rivais. No entanto, um dos beneficiados com esta decisão da Ganassi foi Tony George, que conseguiu trazer de volta uma das equipes da CART e seu patrocinador para competir com os carros da IRL. Um ano mais tarde, Roger Penske, um dos fundadores da CART e proprietário da equipe que leva seu sobrenome, uma das equipes mais bem-sucedidas, também voltou a Indianápolis e venceu a corrida com os dois pilotos da equipe nos dois primeiros lugares: Helio Castroneves em primeiro lugar e Gil de Ferran, em segundo lugar.

Um momento importante para a rivalidade da CART com a IRL pode ter chegado em 2001.

Naquele ano, a CART adicionou no calendário uma corrida na Texas Motor Speedway, o Firestone Firehawk 600. No entanto, com a presença de aceleração centrípeta superiores a 5 Força G, provocada por uma inclinação de 24° nas curvas causou em vários pilotos problemas físicos como tonturas e desorientação.

Alegou-se incapacidade de retardar a velocidade média dos pilotos para se correr com segurança. Para efeitos de comparação, o piloto mais rápido nos treinos na manhã de sábado, Paul Tracy atingiu a velocidade média de 236,678 mph (380,896 km/h). Na qualificação, o piloto mais rápido, Kenny Bräck, da equipe Rahal, atingiu 233,447 mph (373,515 km/h), apenas 3 milhas mais lento

O evento foi adiado e, finalmente, cancelado, o que levou os proprietários do Texas Motor Speedway a processar a CART, por prejuízos contraídos. Depois, verificou-se que os funcionários da CART tinham ignorado repetidos pedidos para testar os carros antes da corrida. Os termos do acordo não foram divulgados, mas estima-se entre 5 a 7 milhões de dólares e os contratos foram cancelados.

A CART perdeu US$ 1,7 milhões no último trimestre de 2001 devido ao dinheiro gasto com a ação. Embora elogiado por muitos a escolha de não colocar seus pilotos em perigo,[7] [8] o cancelamento da corrida e do processo legal que se seguiu foi um duro golpe para o prestígio da CART.[7] [9] [10] [11]

Para 2002, as equipes Penske e Ganassi entraram em definitivo na IRL, seguido da Andretti-Green após a temporada de 2002. A equipe esta sendo co-propriedade do campeão da CART em 1991 Michael Andretti. A corrida no superspeedway de Michigan - onde foi realizada a U.S. 500, para concorrer com a Indy 500 - tornou-se um evento da IRL em 2002.

A falência da CART e o início da CCWS[editar | editar código-fonte]

Com um formato mais próximo da NASCAR, a IRL passou a atrair mais interesse que a CART. Em 2002, a FedEx anunciou que seu patrocínio com a CART seria encerrado e as fabricantes de motores Honda e Toyota iriam se transferir para a categoria concorrente, a IRL. A CART decidiu reformular e renomear a categoria propriamente dita. Começando em 2003, o novo evento promovido pela CART se chamaria Bridgestone presents Champ Car World Series Powered by Ford.

Devido à perda do seu patrocinador titular e de dois fornecedores de motores, as ações da CART estavam na casa dos 25 centavos de dólar americano. A CART declarou falência durante o ano de 2003 e os seus ativos foram liquidados. Provas em circuitos ovais como as de Fontana e Miami também foram aos poucos saindo do calendário.

Tony George fez uma oferta por determinados ativos da firma, enquanto paralelamente o trio de proprietários da CART (Gerald Forsythe, Paul Gentilozzi e Kevin Kalkhoven) juntamente com Dan Pettit, também apresentou uma proposta, chamando o seu grupo de Open Wheel Racing Series (OWRS).

A oferta de George era selecionar uma empresa para adquirir bens, em um esforço para eliminar qualquer liga que pudesse ser rival da Indy Racing League. Entretanto, se o lance de George (que foi realmente superior ao lance da OWRS) tivesse sido bem sucedido, muitos credores da CART não teriam sido pagos. Assim, um juiz decidiu que a CART (que faria 25 anos em 2004) ficaria com a OWRS tendo o nome do certame alterado para Champ Car Open Wheel Racing Series (OWRS) que depois viria a se chamar Champ Car World Series (CCWS) LLC.

A Rahal migrou para a IRL pouco antes do GP de Long Beach de 2004. No entanto, várias equipes resistiram, permanecendo na Champ Car, garantindo que a categoria poderia continuar.

A mais notável delas foi a Newman-Haas Racing(atual Newman/Haas/Lanigan Racing). A equipe, na época, de propriedade do ator Paul Newman com o empresário Carl Haas estava irredutível na sua lealdade com o certame e sua direção. Outra equipe que resistiu às mudanças foi a Dale Coyne Racing.

Falência da CCWS e a "unificação" com a IRL[editar | editar código-fonte]

Em 2007, com a retirada da Bridgestone e da Ford como patrocinadores, o nome oficial do certame se tornou simplesmente a Champ Car World Series.

Ao final de 2007, deduziu-se que a CCWS não dispunha de recursos suficientes para manter o certame. Várias corridas na temporada de 2007 foram canceladas, por exemplo. Boatos e relatos da imprensa sobre a situação financeira do certame eram comuns, e complicavam quaisquer planos futuros.

Em fevereiro de 2008, a CCWS declara falência. Em 22 de fevereiro de 2008, um acordo foi assinado e "unificou" a Champ Car com a IRL. Vendeu-se contratos sancionados(com enfoque em Long Beach) e os ativos para a IRL.

Os ativos da Champ Car foram à leilão em 3 de junho de 2008.

A corrida mais popular da Champ Car, em Edmonton, teve que ser remanejada para o calendário da IRL, enquanto Surfer's Paradise, na Austrália, teve que virar uma prova extra-campeonato (não contaria pontos para a classificação). Assim, a categoria ficou com 19 datas. E, a partir de 2009, outros circuitos iriam ser acrescentados ao campeonato.

As equipes Newman/Haas/Lanigan, Dale Coyne, Conquest, HVM (sem a Minardi) e Pacific Coast migraram para a IRL na temporada de 2008. A PKV Racing alterou seu nome para KV Racing Technology, que teve o patrocínio da equipe australiana Walker Racing.

Deixaram de fazer a transição a Forsythe Racing, Walker (exceto para um programa em conjunto com a Vision para correr em Edmonton) e Rocketsports.

O evento que marcaria a "fusão" foi no circuito de Homestead, em 29 de março de 2008.

Em 8 de abril de 2008, em sua primeira corrida resultante da unificação, Graham Rahal guiou seu Newman/Haas Racing para vencer em St. Petersburg, marcando a primeira vitória de uma equipe que fez a transição pós-unificação.

Devido a um conflito de agenda com o evento da IndyCar Series em Motegi, a corrida de Long Beach foi realizada em 20 de abril de 2008, como um evento contando pontos usando o carro Panoz DP01 da Champ Car, e foi disputada inteiramente por equipes da Champ Car World Series. A série resultante da fusão agora compartilham o nome IndyCar.

Lista de circuitos[editar | editar código-fonte]

Circuitos mistos em território americano Circuitos ovais em território americano Circuitos estrangeiros(mistos e ovais mesclados)
Estados Unidos Cleveland (1982-2007) Estados Unidos Atlanta (1979, 1981-1983) Países Baixos Assen (2007)
Estados Unidos Denver (1990-1991, 2002-2006) Estados Unidos Fontana (1997-2003) Reino Unido Brands Hatch (2003)
Estados Unidos Detroit (1989-2001) Estados Unidos Madison (1997-2000) Canadá Edmonton (2005-2007)
Estados Unidos Houston (1998-2001, 2006-2007) Estados Unidos Indianápolis (1979-1995) Brasil Jacarepaguá(Emerson Fittipaldi Speedway) (1996-2000)
Estados Unidos Laguna Seca (1983-2004) Estados Unidos Homestead (1996-2000) Alemanha Lausitzring (2001, 2003)
Estados Unidos Las Vegas (1983-1984, 2007) Estados Unidos Las Vegas (2004-2005) México México (1980-1981, 2002-2007)
Estados Unidos Long Beach (1984-2007) Estados Unidos Michigan (1979-2001) México Monterrey (2001-2006)
Estados Unidos Meadowlands (1984-1991) Estados Unidos Nazareth (1987-2001) Canadá Montreal (2002-2006)
Estados Unidos Miami (1985-1988, 1995, 2002-2003) Estados Unidos New Hampshire (1992-1995) Canadá Mont-Tremblant (2007)
Estados Unidos Mid-Ohio (1980, 1983-2003) Estados Unidos Phoenix (1979-1995) Reino Unido Rockingham (2001-2002)
Estados Unidos Portland (1984-2007) Estados Unidos Pocono (1980-1989) Canadá Sanair (1984-1986)
Estados Unidos Riverside (1981-1983) Estados Unidos Texas (2001) Austrália Surfers Paradise (1991-2007)
Estados Unidos Road America (1982-2004, 2006-2007) Estados Unidos Trenton (1979) Canadá Toronto (1986-2007)
Estados Unidos San José (2005-2007) Japão Twin Ring Motegi (1998-2002)
Estados Unidos San Petersburg (2003) Canadá Vancouver (1990-2004)
Estados Unidos Watkins Glen (1979-1981) Bélgica Zolder (2007)

Especificações[editar | editar código-fonte]

Um Champ Car com motor V8 em 2004.
  • Cilindrada ou volume de deslocamento do motor: 2,65 L (162 in ³) V8.
  • Transmissão: 7 Velocidades, câmbio semiautomático atrelado à direção (os chamados paddle shifts ou "borboletas").
  • Peso: Cerca de 1.575 libras(710 kg), sem motorista.
  • Potência de Saída: 725-800 hp (540-600 kW).
  • Torque: 350-425 ft lbf (475-575 N · m).
  • Combustível: Metanol, lubrificação Mobil 1.
  • Capacidade de combustível: 35 galões americanos (132 litros s).
  • Entrega de combustível: Injecção de combustível.
  • Aspiração: Turbocompressor.
  • Pressão: 1.4 bares (140 kPa ou 41,5 inHg), sem "Power to Pass" 1,5 bar (150 kPa ou 44,0 inHg ). [12]
  • Corpo: 190 polegadas (4,83 m).
  • Largura: 78 ½ polegadas (1,99 m).
  • Distância entre eixos: 122 ¾ polegadas (3,12 m).
  • Direção: Manual, pinhão e cremalheira.
  • 0 - 100 km/h: 2,6 s (com controle de tração)e 3,1 s(sem controle de tração).

Campeões[editar | editar código-fonte]

Champ Car World Series[editar | editar código-fonte]

Ano Campeão Equipe Vice-Campeão Equipe Novato do Ano Equipe
2007
Detalhes
França Sébastien Bourdais Newman/Haas/Lanigan Racing Reino Unido Justin Wilson RuSport Países Baixos Robert Doornbos Minardi Team USA
2006
Detalhes
França Sébastien Bourdais Newman/Haas Racing Reino Unido Justin Wilson RuSport Austrália Will Power Team Austrália
2005
Detalhes
França Sébastien Bourdais Newman/Haas Racing Espanha Oriol Servia Newman/Haas Racing Alemanha Timo Glock Rocketsports
2004
Detalhes
França Sébastien Bourdais Newman/Haas Racing Brasil Bruno Junqueira Newman/Haas Racing Estados Unidos A.J. Allmendinger RuSport

CART[editar | editar código-fonte]

Ano Campeão Equipe Vice-Campeão Equipe Novato do Ano Equipe
2003
Detalhes
Canadá Paul Tracy Forsythe Racing Brasil Bruno Junqueira Newman/Haas Racing França Sébastien Bourdais Newman/Haas Racing
2002
Detalhes
Brasil Cristiano da Matta Newman/Haas Racing Brasil Bruno Junqueira Chip Ganassi Racing México Mario Dominguez Herdez
2001
Detalhes
Brasil Gil de Ferran Penske Racing Suécia Kenny Bräck Team Rahal Nova Zelândia Scott Dixon PacWest
2000
Detalhes
Brasil Gil de Ferran Penske Racing México Adrián Fernández Team Patrick Suécia Kenny Bräck Team Rahal
1999
Detalhes
Colômbia Juan Pablo Montoya Chip Ganassi Racing Escócia Dario Franchitti Team Green Canadá Paul Tracy Team Green
1998
Detalhes
Itália Alessandro Zanardi Chip Ganassi Racing Estados Unidos Jimmy Vasser Chip Ganassi Racing Brasil Tony Kanaan Team Tasman
1997
Detalhes
Itália Alessandro Zanardi Chip Ganassi Racing Brasil Gil de Ferran Walker Racing Canadá Patrick Carpentier Team Bettenhausen
1996
Detalhes
Estados Unidos Jimmy Vasser Chip Ganassi Racing Estados Unidos Michael Andretti Newman/Haas Racing Itália Alessandro Zanardi Chip Ganassi Racing
1995
Detalhes
Canadá Jacques Villeneuve Team Green Racing Estados Unidos Al Unser, Jr. Penske Racing Brasil Gil de Ferran Team Hall
1994
Detalhes
Estados Unidos Al Unser, Jr. Penske Racing Brasil Emerson Fittipaldi Penske Racing Canadá Jacques Villeneuve Team Forsythe/Green
1993
Detalhes
Reino Unido Nigel Mansell Newman/Haas Racing Brasil Emerson Fittipaldi Penske Racing Reino Unido Nigel Mansell Newman/Haas Racing
1992
Detalhes
Estados Unidos Bobby Rahal Rahal/Hogan Racing Estados Unidos Michael Andretti Newman/Haas Racing Suécia Stefan Johansson
1991
Detalhes
Estados Unidos Michael Andretti Newman/Haas Racing Estados Unidos Bobby Rahal Rahal/Hogan Racing Estados Unidos Jeff Andretti
1990
Detalhes
Estados Unidos Al Unser, Jr. Galles-Kraco Racing Estados Unidos Michael Andretti Newman/Haas Racing Estados Unidos Eddie Cheever
1989
Detalhes
Brasil Emerson Fittipaldi Team Patrick Estados Unidos Rick Mears Penske Racing México Bernard Jourdain
1988
Detalhes
Estados Unidos Danny Sullivan Penske Racing Estados Unidos Al Unser, Jr. Galles-Kraco Racing Canadá John Jones
1987
Detalhes
Estados Unidos Bobby Rahal Truesports Estados Unidos Michael Andretti Itália Fabrizio Barbazza
1986
Detalhes
Estados Unidos Bobby Rahal Truesports Estados Unidos Michael Andretti Estados Unidos Chip Robinson
1985
Detalhes
Estados Unidos Al Unser Penske Racing Estados Unidos Al Unser, Jr. Países Baixos Arie Luyendyk
1984
Detalhes
Estados Unidos Mario Andretti Newman/Haas Racing Estados Unidos Tom Sneva Colômbia Roberto Guerrero
1983
Detalhes
Estados Unidos Al Unser Penske Racing Itália Teo Fabi Forsythe Itália Teo Fabi Forsythe
1982
Detalhes
Estados Unidos Rick Mears Penske Racing Estados Unidos Bobby Rahal Truesports Estados Unidos Bobby Rahal Truesports
1981
Detalhes
Estados Unidos Rick Mears Penske Racing Estados Unidos Bill Alsup Estados Unidos Bob Lazier
1980
Detalhes
Estados Unidos Johnny Rutherford Chaparral Racing Estados Unidos Bobby Unser Estados Unidos Dennis Firestone
1979
Detalhes
Estados Unidos Rick Mears Penske Racing Estados Unidos Bobby Unser Estados Unidos Bill Alsup

Campeões USAC e AAA desde 1916[editar | editar código-fonte]

AAA

  • 1916 - Dario Resta
  • 1920 - Gaston Chevrolet
  • 1921 - Tommy Milton
  • 1922 - Jimmy Murphy
  • 1923 - Eddie Hearne
  • 1924 - Jimmy Murphy
  • 1925 - Peter de Paolo
  • 1926 - Harry Hartz
  • 1927 - Peter de Paolo
  • 1928 - Louis Meyer
  • 1929 - Louis Meyer
  • 1930 - Billy Arnold
  • 1931 - Louis Schneider
  • 1932 - Bob Carey
  • 1933 - Louis Meyer
  • 1934 - Bill Cummings
  • 1935 - Kelly Petillo
  • 1936 - Mauri Rose
  • 1937 - Wilbur Shaw
  • 1938 - Floyd Roberts
  • 1939 - Wilbur Shaw
  • 1940 - Rex Mays
  • 1941 - Rex Mays
  • 1946 - Ted Horn
  • 1947 - Ted Horn
  • 1948 - Ted Horn
  • 1949 - Johnnie Parsons
  • 1950 - Henry Banks
  • 1951 - Tony Bettenhausen
  • 1952 - Chuck Stevenson
  • 1953 - Sam Hanks
  • 1954 - Jimmy Bryan
  • 1955 - Bob Sweikert
  • 1956 - Jimmy Bryan

USAC

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Eagle-eye Feature: CART White Paper
  2. "IRL press release 95-12-19", Motorsport.com, 1995-12-19. Página visitada em 2009-10-22.
  3. "AUTO RACING;Team Owners Plan a Race To Challenge The Indy 500", The New York Times, 1995-12-19. Página visitada em 2009-10-22.
  4. "IRL announces incentives for series participants", Motorsport.com, 1995-07-03. Página visitada em 2009-10-22.
  5. Champ Car > News Thursday, November 1, 2001
  6. Champ Car > News Thursday, November 1, 2001
  7. a b "The writing was on the wall long ago", ESPN.com, 2001-04-29. Página visitada em 2009-03-14.
  8. Cup drivers identify with CART brethren
  9. "Champ Car Revistied", NationalSpeedSportNews.com. Página visitada em 2008-08-04.
  10. "Tire issues aside, at least NASCAR put on a competitive show", ESPN.com, 2008-07-29. Página visitada em 2008-08-04.
  11. "Commentary: Texas Slowdown", RacingOne.com, 2001-04-30. Página visitada em 2008-08-04.
  12. ?.