Coroa Imperial da Áustria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
Vista frontal da Coroa Imperial
Francisco I da Áustria da Áustria vestindo a Coroa Imperial austríaca e insígnias

A Coroa do Império Austríaco ( alemão:Österreichische Kaiserkrone ou Krone des Kaisertums Österreich ) foi originalmente a Coroa pessoal do Imperador Rodolfo II. Por isso também conhecida como Coroa de Rodolfo II.

História[editar | editar código-fonte]

Maximiliano I, pintura de Albrecht Dürer, no Kunsthistorisches Museum.


Pelo fato da Regalia Imperial do Sacro Império Romano Germânico, especialmente a Coroa Imperial, ter sido criada em Nuremberg, ela somente poderia sair da cidade para a Coroação. Isso ocasionou que alguns governantes fizessem suas próprias Coroas. Por exemplo, quando eles participassem de uma sessão do Reichstag (Dieta Imperial), eles usariam suas próprias Coroas.

A mais antiga representação de uma Coroa privada é uma gravura do artista Albrecht Dürer em que o Sacro Imperador RomanoMaximiliano I, está representado com uma Coroa, a qual pode ter influenciado a confecção da Coroa de Rodolfo II, mais tarde.

A Coroa Imperial austríaca nunca foi realmente usada para uma Coroação, desde a fundação do Império Austríaco, ao contrário do que acontecia no Sacro Império Romano, já que aquela era uma Monarquia Hereditária sob a Dinastia dos Habsburgos e, portanto, a Cerimônia de Coroação era um ato de legitimação, não sendo extremamente necessário. A cerimônia era mais um ato de investidura da Ascensão oficial do Monarca ao Trono.

A Coroa de Rodolfo II foi feita, em 1602, na cidade de Praga, por Jan Vermeyen, um dos ourives mais notáveis ​​de seu tempo, que foi chamado especialmente de Antuérpia para tal. A Coroa é feita de três partes: a tiara (Kronreif), o arco alto (Kronbügel) e a mitra. Portanto, segue o modelo das Coroas Mitrais, que derivam a sua forma a partir das usadas pelos bispos.

Evolução da Mitra até a atualidade

Nas formas anteriores da mitra ocidental os picos eram sobre as orelhas, ao invés de sobre a face e atrás da cabeça.

A forma mitral utilizada na Coroa Imperial é de esquadrias preservadas. A anterior forma da mitra da Coroa Imperial pode ser vista nos retratos existentes de Imperadores como Frederico III e Maximiliano I.


Retrato do Imperador do México Maximiliano I , por Franz Xaver Winterhalter em 1864
Coroa Imperial do México
Monograma Imperial do Imperador Maximiliano I do México, cuja Coroa é de inspiração austríaca


A efígie de bronze de Maximiliano I que se encontra no seu mausoléu na Igreja Monumental Tribunal de Innsbruck, aparece uma Coroa com dois arcos que se cruzam por cima da Mitra e do formulário original da Coroa Imperial, que aparece também em Maximiliano I, Imperador do México, parece ter sido modelada desta forma. Da mesma forma com meio-arcos e as águias sobre a tiara na parte dianteira, traseira e laterais da Coroa Imperial de Napoleão III.

No século XVII, na coroa de esquadrias de Leopoldo I , os picos da mitra foram arredondados em forma hemisférica. Pedro, o Grande a adotaria como como modelo para a Coroa Imperial da Rússia, quando ele tomou o título de Imperador Russo.

Embora seja frequentemente assumido que a Coroa Imperial foi feita para Otto I, com o seu arco único sobre a tampa interna, fosse o protótipo para a Coroa Imperial do ocidente. É também possível que a Coroa Imperial Bizantina, que no século XII, também ficou fechada com dois arcos, tenha inspirado os Imperadores do Ocidente a seguir o seu exemplo e também a fechar suas Coroas com um par de arcos.

Leopoldo I, Arquiduque de Áustria e Imperador do Sacro Império Romano-Germânico

Bracelete[editar | editar código-fonte]

O bracelete em si constitui uma Coroa - a mitra e o arco de alta foram colocados em extra, por assim dizer. Ele simboliza a Autoridade Real. Há a representação de oito lírios, no desenho da Coroa, que provavelmente inspirou a Coroa de São Venceslau da Boêmia. Os lírios são por vezes associados à Flor de lis dos Valois. O numeral oito é um tema que também foi retirado da Coroa Imperial do Sacro Império Romano, uma vez que a tiara é feita de oito placas. No diadema as pedras são preciosas, como espinélios, zircão e pérolas. Os zircões são cortados de modo a que eles se tornem lisos na frente. O corte de pedras preciosas, foi com uma técnica relativamente nova na época em que a Coroa foi feita.


Mitra[editar | editar código-fonte]

A mitra simboliza o Direito Divino de Governar, e da posição espiritual elevada do Imperador: durante a Coroação, ele também era consagrado, simbolicamente, como diácono. Ela é ligada num ângulo de 90°, as áreas são mostradas no final da seção, de modo que o grande arco vá da frente para trás, assim como na Coroa Imperial do Sacro Império Romano. A mitra é feita de ouro, com uma faixa de trabalho de esmalte, que retrata pássaros e plantas. A mitra é dividida em quatro seções, que representam as honrarias de Rodolfo II.

  • A primeira parte o mostra de joelhos, ao receber a Coroa Imperial do Sacro Império Romano, em Regensburg, como Sacro Imperador Romano.
  • A terceira mostra o seu cortejo de Coroação através de Praga como Rei da Boêmia.
  • A quarta representa uma alegoria de sua vitória sobre os turcos invasores.

A inscrição dentro do arco lê em latim: 'RVDOLPHVS ROM II (ANORVM) IMP (Erator) AVGVSTUS HVNG (ARIAE) ET BOH (EMIAE) REX CONSTRVXIT MDCII (Feito para Rodolfo II, Imperador Romano, Rei da Hungria e Boêmia, em 1602).

Arco Alto[editar | editar código-fonte]

O arco alto foi obviamente inspirado no arco da Coroa Imperial do Sacro Império Romano. É enchida por oito diamantes, que simbolizam Cristo. O Imperador era considerado como um governador sobre a terra em nome de Cristo. Na parte superior do arco é azul-verde esmeralda, que simboliza o céu. A esmeralda não foi cortada, mas polida.

Cetro e Orbe Imperiais[editar | editar código-fonte]

Cetro, Orbe e a Coroa Imperial Austríaca

Também pertencente à Coroa são um Cetro e uma Orbe Imperiais, que foram encomendadas em 1612 pelo irmão de Rodolfo II e seu sucessor Matthias I. Foram criadas por Andreas Ochsenbruck. Uma peculiaridade do Cetro é que ele é feito em parte por "chifre de unicórnio".

O cetro e a orbe imperiais já estavam em uso antes da Proclamação do Império Austríaco, como Insígnias Reais Boêmia e dos Estados Hereditárias (Erbhuldigung) do Arquiducado da Áustria. A Coroa, o cetro e a Orbe são mantidas hoje no Schatzkammer (Viena), no Tesouro Imperial no Palácio Imperial de Inverno.

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Brasões de Amesterdão, com a Coroa Imperial da Áustria
  • Algumas cervejarias, como a Cervejaria Real de Krusovice (Kralovsky Pivovar Krusovice), na República Checa, incluiram em seu logotipo a Coroa Imperial.
  • Algumas cidades têm em seu Brasão de Armas o timbre da Coroa Imperial. Amesterdão, por exemplo, foi permitida utiliza-la, em seu brasão de armas, pela concessão do Sacro Imperador Maximiliano I, em 1489, como reconhecimento ao seu apoio financeiro para uma de suas guerras. A Coroa pode ser vista, também, na torre da Igreja de Westerkerk (Igreja do Oeste) e adornando a Blauwbrugo (Ponte Azul).

Veja também[editar | editar código-fonte]

Jóias da Coroa Austríaca