Ducado de Urbino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ducato di Urbino
Ducado de Urbino

Monarquia

Flag of the Papal States (1808-1870).svg
1443 – 1631 Flag of the Papal States (1808-1870).svg
Localização de Ducado de Urbino
Continente Europa
Capital Urbino (1443-1523)
Pesaro (1523-1631)
Língua oficial Italiano
Religião Católica
Governo monarquia
Duque de Urbino
 • 1443-1444 Oddantonio II de Montefeltro
História
 • 1443 Oddantonio II de Montefeltro é nomeado duque pelo Papa Eugénio IV
 • 1631 Devolução aos Estados da Igreja com a legação do ducado de Urbino instituída pelo Papa Urbano VIII.

O Ducado de Urbino (1443-1631) foi um antigo estado localizado na Itália central, de origem feudal e ligado por laços de vassalagem aos Estados Pontifícios. Ocupava a parte setentrional da actual região da Marche e parte da alta Umbria, coincidindo com o actual território da comuna de Gubbio.

Instituições[editar | editar código-fonte]

O nascimento do ducado remonta a 1443, quando o conde Oddantonio II de Montefeltro foi nomeado duque de Urbino pelo Papa Eugénio IV. O Estado teve por capital, durante longo tempo, a cidade homónima, que se tornou rapidamente num dos principais focos do Renascimento italiano. Em 1506 é ali fundada um estabelecimento universitário: a Università degli Studi di Urbino, Carlo Bo.

Fronteiras[editar | editar código-fonte]

Aquando da sua constituição, o Ducado de Urbino confinava na sua parte nordeste com o Adriático, a ocidente com a República de Florença e para as restantes áreas com os Estados Pontifícios.

Acontecimentos históricos[editar | editar código-fonte]

A nomeação papal transformou o Condado de Urbino, constituído em 1213, num ducado governado pela família Montefeltro.

Durante o governo de Frederico III de Montefeltro, o estado atinge a sua máxima expansão territorial e uma notável prosperidade económica. Cerca de 1480, Gubbio torna-se a segunda residência da família ducal.

O Estado passou em seguida (1508) à família Della Rovere que, em 1523, transferiu a capital de Urbino para Pesaro. A cidade de Urbino foi afectada, tanto em termos económicos como demográficos, mas o Estado continuou a gozar de uma relativa prosperidade até ao início do século XVII. Em 1631, com a extinção da dinastia dos Della Rovere, o Papa Urbano VIII decretou a devolução do ducado aos Estados Pontifícios, fazendo valer os direitos feudais que a Santa Sé detinha bem como a vontade do último duque, Francisco Maria II Della Rovere, que desde 1625havia designado como sucessor a Santa Sé. Imediatamente após a incorporação foi instituída a Legação de Urbino que, no século XVIII, deu o seu nome à província pontifícia homónima.

Condes e duques de Urbino[editar | editar código-fonte]

Brasão inicial da família Montefeltro.
Brasão dos Montefeltro após 1443.
Brasão original da família Della Rovere.
Brasão de Guidobaldo II Delle Rovere.

Dinastia Montefeltro[editar | editar código-fonte]

Dinastia Della Rovere[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. protagonista no canto XXII da Divina Comédia, de Dante Alighieri.
  2. As colecções artísticas dos Della Rovere passaram para a última descendente, Vitória Della Rovere, mulher de Fernando II de Médici, transferidas na sua maior parte para Florença.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "Memorie Istoriche Concernenti la Devoluzione dello Stato d'Urbino alla Sede Apostolica dedicate all'Illustrissimo e Reverendissimo Monsignor Domenico Riviera", Urbino 1723, Pág. 380.
  • "Dynasties of the World", de John E. Morby, Oxford University Press, Pág. 105, ISBN 0-19-860473-4.

Ver também[editar | editar código-fonte]