Francisco Maria I, Duque de Urbino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco Maria I Della Rovere
Duque Soberano de Urbino
Duque de Sora
Tizian 062.jpg
Francisco Maria I Della Rovere, por Ticiano
Governo
Consorte Leonor Gonzaga
Casa Real Casa ducal de Urbino
Dinastia Della Rovere
Vida
Nascimento 22 de Março de 1490
Senigallia
Morte 20 de outubro de 1538 (48 anos)
Urbino
Filhos Júlia, Senhora de Montecchio
Isabel, Marquesa de Massa e Carrara
Guidobaldo II, Duque de Urbino
Cardeal Júlio Della Rovere
Hipólita, Duquesa de Montalto
Pai João Della Rovere
Mãe Joana de Montefeltro

Francisco Maria I Della Rovere (em italiano Francesco Maria I della Rovere (22 de março de 1490 - 20 de outubro de 1538) foi um condottiero italiano, que veio a ser Duque de Sora (1501-1538) e Duque de Urbino (1508-1538).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Francisco Maria nasceu em Senigallia, filho de João Della Rovere (Giovanni della Rovere), Senhor de Senigallia e capitão geral dos exércitos papais, e de Joana de Montefeltro (Giovanna da Montefeltro), filha de Frederico III de Montefeltro. Ele era sobrinho de Juliano Della Rovere (Giuliano della Rovere), que veio a ser o Papa Júlio II.

Leonor Gonzaga por Ticiano, 1538

Na juventude, foi educado pelo humanista Ludovico Odasio, e foi muito ligado à família materna: o seu tio, Guidobaldo I de Montefeltro, Duque de Urbino, não teve descendência pelo que chamou o sobrinho para junto de si, na corte de Urbino, adoptando-o e nomeando-o herdeiro do ducado em 1504, dada a interferência de Júlio II.

Em 1502, os Della Rovere perdem o senhoriu de Senigallia, ocupado por César Bórgia, que então era o mais poderoso militar nas Marcas: Francisco Maria e sua mãe foram salvos da carnificínia feita pelas tropas dos Bórgia por Andrea Doria, então um mero militar.

Em 1508 Guidobaldo morre, e Francisco Maria torna-se duque de Urbino; graças ao apoio de seu tio, o Papa, ele consegiui recuperar Senigallia após a morte de César Bórgia.

Em 1508 casa com Leonor Gonzaga (Eleonora Gonzaga) (1493–1570), filha de Francisco II Gonzaga, Marquês de Mântua, e de Isabel d'Este.

Em 1509 foi nomeado capitano generale (comandante em chefe) dos Estados Pontifícios e, consequentemente, participou nas Guerras de Itália contra Ferrara e Veneza. Em 1511, após ter falhado a conquista de Bolonha, o seu exército matou o cardeal Francesco Alidosi, uma acção cruel pela qual foi comparado ao próprio César Bórgia.

Em 1512, após a morte sem herdeiros do Senhor de Pesaro, Costanzo II Sforza, recebe este senhorio. Mas a morte do tio, o Papa Júlio II, privou-o do seu principal patrono politico e o novo Papa, Leão X, atribuiu Pesaro ao seu sobrinho, Lourenço II de Médici. Em 1516 é excomungado e expulso de Urbino, que, sem sucesso, tentou reconquistar - Guerra de Urbino. Retomou o seu ducado apenas depois da morte do Papa Leão X em 1521.

Francisco Maria I lutou, como capitano generale da República de Veneza, na Lombardia durante s Guerra de Itália de 1521, mas com o novo Papa Médici, Clemente VII, os Della Rovere foram cada vez mais marginalizados. Como comandante supremo da Santa Liga, a sua inacção contra a invasão das tropas Imperiais é indicada como uma das principais causas Saque de Roma (1527).

Retrato por Raphael, 1504.

Foi um dos protagonistas na captura de Pavia no final dos anos 20 de 1500 e, mais tarde, lutou pela República de Veneza. Posteriormente casou seu filho e herdeiro Guidobaldo com Júlia de Varano (Giulia da’ Varano), de uma família senhorial da região, como forma de fortalecer o seu poder e enfrentar a crescente influência Papal nas Marcas.

Nos últimos anos do seu governo a sua corte cresce em prestígio dada a protecção das artes, como era tradição em Urbino. Envolveu-se também em diversas obras de fortificação já iniciadas pelo pai, que mandara edificar a Rocca de Senigallia.

Morre em Pesaro, envenenado, sucedendo-lhe o filho Guidobaldo II. Alguns estudiosos sugerem que O Assassinato de Gonzago, uma peça desconhecida referida na obra Hamlet de William Shakespeare, poderá ser uma reencenação da morte de Francisco Maria I e poderá ter sido representada nos teatros ingleses, durante a época Isabelina.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Do seu casamento com Leonor Gonzaga, Francisco Maria teve cinco filhos:


Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Approfondimento
  • Rendina, Claudio. I capitani di ventura. Rome: Newton Compton, 1994.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
João Della Rovere
Blason Guidobaldo II della Rovere.svg
Duque de Sora

1501 - 1516
Sucedido por
Guilherme de Croy
Precedido por
Guilherme de Croy
Duque de Sora
(2.ª vez)

1528 - 1538
Sucedido por
Júlio Della Rovere
Precedido por
Guidobaldo I de Montefeltro
Duque de Urbino
1508 - 1516
Sucedido por
Lourenço II de Médici
Precedido por
Lourenço II de Médici
Duque de Urbino
(2.ª vez)

1521 - 1538
Sucedido por
Guidobaldo II Della Rovere