Ernest Jones

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Ernest Jones
Nascimento 1 de Janeiro de 1879
(Cardif) País de Gales
Morte 11 de fevereiro de 1958
Nacionalidade Galês
Ocupação Psicanalista, psiquiatra
Frente: Sigmund Freud, Granville Stanley Hall, Carl Jung; Detrás: Abraham A. Brill, Ernest Jones, Sandor Ferenczi.

Alfred Ernest Jones (1 de janeiro de 187911 de fevereiro de 1958) foi um neuropsiquiatra e psicanalista galês, além de biógrafo oficial de Sigmund Freud. Aluno de Emil Kraepelin, Ernest Jones introduziu a psicanálise na Grã-Bretanha e foi presidente da Associação Psicanalítica Internacional1 .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de engenheiro, Jones estudou na universidade de Cardiff , tornando-se mais tarde médico especialista em neuropsiquiatria. Ele residiu em Viena ( Áustria) , em Zurique (Suissa), onde trabalhou na famosa clínica Burghölzli , em Munique (Alemanha) com Emil Kraepelin e em Bicêtre (França), no serviço do professor e médico Pierre Marie. Jones tornou-se professor de psiquiatria em Toronto (Canadá). Em 1916, Jones casa com a pianista e compositora Morfydd Llwyn Owen, morta seis meses depois de complicações consecutivas a uma apendicite. Em 1919, ele encontra e casa com Katherine Jokl, uma vienense amiga da família Freud. O casamento é descrito como feliz, eles tiveram quatro crianças entre as quais a escritora Mervyn Jones, nascida em 1922, e Gwenith, nascida em 1921.

Psicanálise[editar | editar código-fonte]

Jones ouviu falar das obras de Sigmund Freud e aprendeu o alemão para ler a Interpretação dos sonhos’’, uma das obras mais importantes do inventor da psicanálise.

Em 1906, Jones começou a praticar a psicanálise por conta própria , antes mesmo de seu primeiro contacto com Freud por ocasião do seu aniversário, em maio de 1908. Freud encontrou nesta ocasião ‘’dois novos convidados vindos do mundo anglo-saxão : Abraham A. Brill, que representava a psicanálise nos Estados Unidos, e Ernest Jones, que se tornaria um dos maiores analistas e que escreveria, entre muitas outra obras, uma biografia de Freud em tres volumes2 .

Em 9 de maio de 1911, ‘’E. Jones e J. J. Putnam fundam a Associação Psicanalítica Americana (APA), composta de membros vindos do Canadá e da América inteira. Seu presidente foi Putnam, o secretário : Ernest Jones’’3 .

Em julho de 1912, marcado pela secessão de Adler, de Stekel e de Jung, ‘’Jones encontra Ferenczi em Viena para falar sobre a situação.Ele propôs a criação de um pequeno grupo composto de discípulos mais próximos de Freud afim de defender a causa analítica. Ferenczi acatou a idéia, Freud apoiou-os e Jones fundou o Comité secreto formado por S. Ferenczi, O. Rank, K. Abraham, H. Sachs e, naturalmente, E. Jones e Freud’’4 .

Durante a Primeira Guerra Mundial, Jones continuou praticando a psicanálise. Não sendo médico militar, não submetido às obrigações hierárquicas, ele dispõe das condições permitindo-lhe fazer psicanálises com os neuróticos de guerra. Ele foi o primeiro analista a fazer isto, donde sua competência para escrever sobre o assunto 5 .

Ele inventou o conceito de racionalização, adotado por Freud como um dos mecanismos de defeza. Jones também elaborou o conceito de afânise, concernando a sexualidade feminina. "Para este autor, a afânise seria, nos dois sexos, o objeto de um receio mais fundamental do que o medo da castração"6 .

Durante a guerra, ao lado de Marie Bonaparte e Abraham Arden Brill, ele contribuiu a ajudar e a fazer com que seus colegas ingleses acolhessem, entre outros, os analistas alemães, húngaros e vienenses que fugiram do regime nazista por serem analistas, judeus ou os dois. Alguns deles repartiram da Grã-Bretanha para os Estados Unidos. Afora suas múltiplas atividades em prol da psicanálise, Jones foi também um célebre jogador de xadrez e mesmo campeão de patinagem artística 7 .

Melanie Klein[editar | editar código-fonte]

Duas filhas de Jones, Mervin e Gwenith, nascidas respectivamente em 1922 e 1921, foram analisadas por Melanie Klein em 1926. Melanie Klein “havia deixado Berlim por Londres graças a influência de Jones, que tinha a intenção de enviar-lhe suas filhas e sua esposa para fazerem uma análise. Nos anos seguintes, um grave conflito ocorreu entre Melanie Klein e Anna Freud sobre questões de teoria e de técnica em psicanálise de crianças, início de uma profunda dissenção na Sociedade Britânica de Psicanálise8 .

Relações com Freud[editar | editar código-fonte]

Correspondência[editar | editar código-fonte]

Jones viajava muito entre Genebra e Toronto quando começou uma prolongada correspondência com Freud. Sua primeira carta foi escrita em 13 de maio de 1908 e a última em 1939,pouco antes da morte do criador da psicanálise. Desde 26 de novembro de 1908, Freud escreveu uma carta a Ferenczi na qual ele revela ‘’estar se correspondendo de maneira regular com Brill, Jones, Abraham e Jung"9 . E a amizade entre Freud e Jones é o objeto da carta que Freud lhe escreveu em 1/01/1929: (...) “tenha certeza que sempre o considerei como fazendo parte de meu círculo familial mais próximo e que o considerarei sempre assim’’10 .

O biógrafo freudiano[editar | editar código-fonte]

Jones tornou-se um próximo de Freud e seu biógrafo com The life and work of Sigmund Freud (A vida e a obra de Freud),(La vie et l’œuvre de Freud, em francês). "Os tres volumes são uma fonte para compreender notadamente, o contexto social e político da época, as influências intelectuais, médicas, filosóficas e culturais de Freud, a epistemologia da psicanálise e o crescimento do movimento psicanalítico em Viena e no mundo"11 .

Comentários e críticas[editar | editar código-fonte]

Este primeiro livro sobre Freud e a psicanálise apresenta defeitos realçados por historiadores e psicanalistas :Paul Roazen12 , Max Schur13 ,Didier Anzieu :14 , André Haynal15 , Alain de Mijolla16 , Elisabeth Roudinesco17 ), e depois por Henri Ellenberger, o qual, apoiândo-se muito em seus trabalhos e pesquisas, realçou numerosas imperfeições e até falsidades 18 . A biografia de Freud escrita por Jones foi também muito criticada pelo filósofo Michel Onfray19 e por Pierre-Henri Castel20 , que a considera como um exemplo da hagiografia freudiana.

Obras traduzidas em francês[editar | editar código-fonte]

  • Théorie et pratique de la psychanalyse (Teoria e prática da psicanálise), 1948, Paris, Payot Rivages, 1997, ISBN 2228891053
  • "Le cauchemar" (O pesadelo), Ed: Payot-Rivages, 2002, ISBN 2228896608 -
  • Essais de psychanalyse (Ensaios de psicanálise) , 1950, Paris, Payot 1966
  • La vie et l'œuvre de Sigmund Freud ,trois tomes (A vida e a obra de Sigmund Freud, três tomos), PUF-Quadridge rééd. 2006 (T 1 : ISBN 2130556922; T2: ISBN 2130556930 ; T3 : ISBN 2130556949 ).
  • Hamlet et Oedipe, introduction de Jean Starobinski’’ ( "Hamlet e Édipo", introdução de Jean Starobinski) , Tel Gallimard, Poche, ISBN 2070206513
  • Le cas de Paul Morphy: Contribution à la psychologie du joueur d'échec in "Essais de psychanalyse appliquée" (O caso de Paul Morphy : Contribuição à psicologia do jogador de xadrez, em "Ensaios de psicanálise aplicada"), Ed.: Payot-Rivages, 1973, ISBN 2228216100


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://fr.wikipedia.org/wiki/Ernest_Jones
  2. Ilse Grubrich-Simitis, Ernst Freud, Lucie Freud : ‘’Sigmund Freud: Lieux,visages,objets’’, Editions Complexe/Gallimard, Bruxelles,1979, ISBN 2-87027-043-7
  3. Olivier Douville : Chronologie : Situation de la Psychanalyse dans le Monde, du temps de la vie de Freud http://hal.inria.fr/docs/00/11/35/83/PDF/Chrono_Psych._.pdf
  4. Ernest Jones: The life and work of Sigmund Freud,Edited and Abridge by Lionel Trilling and Steven Marcus, 1961, ch. 22, p.327
  5. Gilles Tréhel. Ernest Jones (1879-1958) : psychanalyse et choc de guerre. L’Information Psychiatrique, 2006, 82, n°7, p. 611-621
  6. Jean Laplanche et J.-B. Pontalis: Vocabulaire de la Psychanalyse( sous la direction de Daniel Lagache), P. 31, Editions Quadrige, P.U.F., Paris, 2011, ISBN 978-2-13-056050-0
  7. Jean-Pierre Bourgeron: Marie Bonaparte et la psychanalyse. À travers ses lettres à René Laforgue et les images de son temps, Ed. Champion-Slatkine, 1993, ISBN 2051009090
  8. F. Robert Rodman : ‘’D.W.Winnicott: Lettres vives’’, Introduction, p. 12, Editions Gallimard, Paris,1987, ISBN 2-07-071571-X
  9. Sigmund Freud,Sándor Ferenczi: Correspondance(1908-1914), Éd.: Calmann-Lévy, 1992, p. 29, ISBN 2-7021-2085-7
  10. Ilse Grubrich-Simitis, Ernst Freud, Lucie Freud : ‘’Sigmund Freud: Lieux,visages,objets’’, Editions Complexe/Gallimard, Bruxelles,1979, p. 177, ISBN 2-87027-043-7
  11. http://fr.wikipedia.org/wiki/Ernest_Jones
  12. Paul Roazen: Sigmund Freud, Ed.: Da Capo Press Inc, 1987, ISBN 0306802929
  13. La mort dans la vie de Freud, Éd.: Gallimard, Coll. Tel, ISBN 2070257940
  14. : L'auto-analyse de Freud et la découverte de la psychanalyse, Éd.: Presses Universitaires de France, 3e édition 1998, Coll.: Bibliothèque de psychanalyse, ISBN 2130420842
  15. : La psychanalyse 100 ans déjà, Éd.: Georg, 1997, ISBN 2825705349
  16. : Freud, fragments d'une histoire : Qui êtes-vous Sigmund Freud ?, Éd.: Presses Universitaires de France, Le fil rouge, 2003, ISBN 2130533604
  17. et Michel Plon : Dictionnaire de la psychanalyse, Le Livre de Poche, 2011, ISBN 2253088544
  18. Jones foi citado cerca de trinta vezes no livro de Henri Ellenberger: Histoire de la découverte de l'inconscient, Éd.: Fayard; 2001, ISBN 2213610908
  19. «Le Crépuscule d'une idole» p.583 & 584
  20. http://pierrehenri.castel.free.fr/Articles/Psychanalyse19802002.htm La psychanalyse depuis les années 80 : crises, dévoiements et replis