Apeadeiro de Santana - Cartaxo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santana - Cartaxo
Inauguração 28 de Abril de 1858
Linha(s) Linha do Norte
(PK 60,300)
Coordenadas 39° 8′ N 8° 45′ W
Concelho Cartaxo
Serviços Ferroviários Regional
Serviços Parque de estacionamento Elevadores Estação sem barreiras arquitectónicas

O Apeadeiro de Santana - Cartaxo, originalmente conhecido como Ponte de Sant'Anna e posteriormente como Santana ou Sant'Anna, é uma interface ferroviária da Linha do Norte, que serve as localidades de Santana e Cartaxo, no Distrito de Santarém, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Inauguração e duplicação da via[editar | editar código-fonte]

O troço entre Virtudes e Ponte de Santana foi aberto à exploração em 28 de Abril de 1858, sendo então considerado como parte da Linha do Leste; a secção seguinte, até à Ponte de Asseca, entrou ao serviço em 29 de Junho do mesmo ano.[1]

O troço entre Azambuja e Santana foi duplicado em 19 de Maio de 1891, enquanto que o troço seguinte, até Santarém recebeu a segunda via em 20 de Agosto de 1893.[2] [3]

Ligação prevista a Vendas Novas[editar | editar código-fonte]

Um alvará de 13 de Dezembro de 1888 estabeleceu um projecto para uma ligação ferroviária entre Sacavém, na Linha do Leste, e Vendas Novas, então na Linha do Sul.[4] Em finais do ano seguinte, foi realizado um inquérito administrativo, para o público se pronunciar sobre os projectos ferroviários dos Planos das Redes Complementares ao Norte do Mondego e Sul do Tejo; entre as linhas contempladas, estava a ligação a Vendas Novas, mas iniciando-se em Sant'Anna, cuja construção já tinha sido iniciada por uma companhia privada, em via larga.[5] Em 1890, o ponto de entroncamento continuava a ser em Sant'Anna, mas foi modificado para o Setil em 1900, onde acabou por ser construído em 1904.[4]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Nos horários de Junho de 1913, a estação de Sant'Anna - Cartaxo era servida pelos comboios entre o Rossio e Santarém, Entroncamento e Porto-São Bento.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. TORRES, Carlos Manitto. (1 de Janeiro de 1958). "A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário". Gazeta dos Caminhos de Ferro 70 (1681): 9-12. Visitado em 20 de Fevereiro de 2014.
  2. NONO, Carlos. (1 de Agosto de 1949). "Efemérides ferroviárias". Gazeta dos Caminhos de Ferro 62 (1479): 485-486. Visitado em 11 de Novembro de 2014.
  3. (16 de Outubro de 1956) "Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão". Gazeta dos Caminhos de Ferro 69 (1652): 528-530. Visitado em 11 de Novembro de 2014.
  4. a b SOUSA, José Fernando de. (1 de Março de 1936). "Pontes do Tejo em Lisboa e Vila Franca". Gazeta dos Caminhos de Ferro 48 (1157): 137-139. Visitado em 20 de Fevereiro de 2014.
  5. (16 de Janeiro de 1949) "Há 50 anos". Gazeta dos Caminhos de Ferro 61 (1466): 112. Visitado em 3 de Novembro de 2014.
  6. (Outubro de 1913) "Norte - Lisboa, Entroncamento, Alfarellos, Coimbra, Pampilhosa, Porto". Guia Official dos Caminhos de Ferro de Portugal 39 (168): 82-83. Visitado em 20 de Fevereiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.