Ferdinand Cheval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ferdinand Cheval
Nome completo Joseph Ferdinand Cheval
Nascimento 19 de abril de 1836
Charmes-sur-l'Herbasse
Morte 19 de outubro de 1924 (88 anos)
Nacionalidade  França
Ocupação Carteiro

Ferdinand Cheval, (183619 de agosto de 1924), foi um carteiro francês que passou 33 anos de sua vida construindo um "Palácio Ideal" (Palais idéal em francês) o qual é considerado como um exemplo extraordinário de arquitetura naif.

Origens[editar | editar código-fonte]

Ferdinand Cheval viveu em Châteauneuf-de-Galaure, no département de Drôme, França. Ele abandonou os estudos aos 13 anos para se tornar aprendiz de padeiro, mas terminou por arranjar um emprego de carteiro.

Palais idéal[editar | editar código-fonte]

O "Palais Idéal" de Cheval. À direita, lê-se "Travail d'un seul homme" (Trabalho de um homem só) e "Défense de rien toucher" (É proibido não tocar).

Cheval começou a construir o edifício em abril de 1879. Ele dizia ter tropeçado numa pedra e ter sido inspirado pela forma da mesma. Voltou ao mesmo ponto no dia seguinte e começou a colecionar pedras.

Pelos 33 anos seguintes, durante sua rotina diária de carteiro, Cheval carregava pedras que encontrava no caminho e em casa as usava para construir o Palais idéal. Inicialmente, levava as pedras nos bolsos, depois numa cesta e eventualmente num carrinho de mão. Ele freqüentemente recolhia pedras à noite, à luz de uma lâmpada de óleo.

Cheval passou as primeiras duas décadas construindo as paredes externas. O Palácio é uma mistura de diferentes estilos, com inspirações da Bíblia à Mitologia hindu. Cheval ligou as pedras com arame, cal e cimento.

Sepultamento[editar | editar código-fonte]

Cheval também quis ser sepultado em seu palácio. Quando as autoridades francesas proibiram-no de fazê-lo, ele gastou mais oito anos construindo um mausoléu para si mesmo no cemitério de Hauterives. Cheval morreu em 19 de agosto de 1924, cerca de um ano após terminar a construção.

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Pouco antes de sua morte, Cheval começou a receber algum reconhecimento por parte de luminares como André Breton e Pablo Picasso. Sua obra foi comemorada num ensaio de Anaïs Nin.

Em 1969 André Malraux, o Ministro da Cultura da França, instituiu o Palácio como patrimônio cultural e o colocou sob proteção oficial. O palácio de Cheval abre todos os dias, exceto no dia de Natal e no dia de Ano Novo.

Cheval pode ter sido a inspiração para o personagem Denny, no romance Choke (2001) de Chuck Palahniuk, que recolhe uma coleção de pedras as quais eventualmente usa, de modo similar, para construir sua "casa dos sonhos".

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ferdinand Cheval