Fosfolípido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Outubro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Portal A Wikipédia possui o portal:

Os fosfolípidos, ou fosfolipídios são lípidos que contêm ácido fosfórico como mono ou diéster.[1] São constituidos por uma molécula de glicerol, duas (ou uma) cadeias de ácidos graxos (uma saturada e uma insaturada), um (ou dois) grupo fosfato e uma molécula polar ligada a ele. Neste grupo estão incluídos os ácidos fosfatídicos e os fosfoglicerídios.[1]

São moléculas anfipáticas, isto é, possuem uma cabeça constituida pelo grupo fosfato que é polar ou hidrofílica(tem afinidade por água) e uma cauda constituída pelas cadeias de ácidos gordos apolar ou hidrofóbica, isto é que repele a água. Essa característica é fundamental para estabelecer uma interface entre o meio intracelular e o meio extracelular.

Phospholipid.png

Os fosfolípidos na membrana biológica[editar | editar código-fonte]

Os fosfolípidos são os constituintes principais das membranas celulares. Cada membrana é constituída por uma dupla camada fosfolipídica organizada de modo a que as cabeças hidrofílicas (fosfatos polares) fiquem viradas para o lado exterior da membrana e as caudas hidrofóbicas (ácidos graxos apolares) para o interior. Esta organização permite tornar a membrana selectiva pois só atravessam a membrana por difusão simples as substâncias lipossolúveis, além da água, apesar de ser uma molécula polar, que também atravessa a membrana celular, por ser uma substância essencial para qualquer tipo de vida.

Nas membranas existem vários tipos de fosfolípidos, entre eles a fosfatidilserina, a fosfatidiletanolamina, a esfingomielina e a fosfatidilcolina.

Lecitinas[editar | editar código-fonte]

São ésteres do ácido fosfatídico nos quais o grupo fosfato é esterificado com o grupo OH da colina. Como exemplo a Lecitina (fosfatidilcolina).

Cefalinas[editar | editar código-fonte]

São também ésteres do ácido fosfatídico. O álcool que esterifica o fosfato pode ser ou serina ou etanolamina. Como exemplos a Fosfatidiletanolamina e a Fosfatidilserina.

Plasmalógenos[editar | editar código-fonte]

São cefalinas ou lecitinas onde o ácido graxo da posição terminal é substituído por um aldeído. Formando um hemiacetal, este sendo instável, estando em equilíbrio como glicerol e o aldeído livre.

Os plasmalógenos distribuem-se amplamente nos tecidos animais, embora ocorram em baixas concentrações.

Cardiolipinas[editar | editar código-fonte]

Cardiolipinas são isoladas do músculo cardíaco. São difosfatidilgliceróis onde uma molécula de glicerol se liga a duas moléculas de ácido fosfatídico.

Fosfatidilinositóis[editar | editar código-fonte]

São compostos onde o fosfato do ácido fosfatídico esterifica o myo-inositol fosforilado. Fosfatidilinositóis encontram-se em plantas, microorganismos e animais.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Commons Categoria no Commons

Referências