Frankenstein (1931)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Frankenstein
Frankenstein (PT/BR)
Frankenstein's monster (Boris Karloff).jpg
 Estados Unidos
1931 • p&b • 71 min 
Direção James Whale
Produção Carl Laemmle, Jr.
Roteiro Mary Shelley (novela)
Peggy Webling
John L. Balderston
Francis Edward Faragoh
Garrett Fort
Elenco Colin Clive
Boris Karloff
Dwight Frye
Edward Van Sloan
Mae Clarke
Género terror
Idioma inglês
Música Bernhard Kaun
Página no IMDb (em inglês)

Frankenstein é um filme estadunidense da Universal Studios lançado em 1931, baseado no livro Frankenstein de Mary Shelley, dirigido por James Whale.

O papel do monstro chegou a ser oferecido ao ator Bela Lugosi, intérprete do personagem Drácula, que o recusou por não poder criar sua própria maquiagem para o personagem, além dele não ter falas durante todo o filme.

Seguido por A Noiva de Frankenstein e O Filho de Frankenstein.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Dr. Henry Frankenstein, um jovem e obstinado cientista, acompanhado do corcunda Fritz, seu leal assistente, vão a um cemitério e desenterram um cadáver para levarem-no ao laboratório num moinho abandonado onde ele guarda os corpos de mortos recentes.No caminho avistam o cadáver de um homem enforcado em uma árvore. O dr. Frankenstein, decidido a provar suas teorias de criar vida a partir dos mortos, constrói um corpo de partes de vários cadáveres que ele recolhe com a ajuda de Fritz. Quando só falta o cérebro para que seja finalizada a criatura, o doutor pede a Fritz que vá a uma faculdade e roube um. No entanto, o assistente acaba trazendo uma redoma com o cérebro de um assassino, sem que o doutor o saiba.

Enquanto isso, a noiva, o pai e um amigo da faculdade se preocupam com a saúde de Frankenstein e contatam um antigo professor dele, que lhes conta as experiências proibidas que Frankenstein vinha realizando e que causaram a sua expulsão da faculdade. Eles vão até o laboratório de Frankenstein e chegam bem na hora em que a criação da vida vai ocorrer. O doutor ergue o corpo da criatura numa enorme plataforma suspensa, que recebe a energia de um relâmpago, chamado de "raio primordial" pelo cientista, que acredita que o segredo da vida encontra-se neste fenômeno que origina a eletricidade que existe no cérebro dos seres vivos. A experiência é um sucesso e a criatura vive. Mas logo aparecem os impulsos assassinos do cérebro revivido e a criatura começa a matar várias pessoas graças à sua imensa força. O doutor Frankenstein então se dá conta da natureza aterradora de seu trabalho e no final, há o emblemático confronto entre criador e criatura.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Diferenças entre o filme e o livro[editar | editar código-fonte]

O filme não se baseou exatamente no livro original mas numa peça dos anos de 1920 atribuida à Peggy Webling, que mudou omundo quando a mayle tranzacom uma onça .da autora literária Mary Shelley.

No livro, a história de Victor Frankenstein inicia-se a partir de seus relatos a Robert Walton, capitão inglês de uma embarcação que o resgata no Polo Norte. Estes relatos, por sua vez, serão explicitados em cartas enviadas à sua irmã, Margaret. É com estas cartas que o livro começa, dando ao livro característica de "romance epistolar", recurso linguístico que, à época em voga, tinha como finalidade conferir verossimilhança à narrativa. Tanto o filme quanto o livro relatam a criatura a partir de sua aparência disforme, porém, o enfoque cinematográfico tende a evidenciar este fato. Desta forma a rejeição do doutor Frankenstein por sua criação é melhor explicada da forma que está na peça e no filme. Os filmes da Universal sempre colocaram a criação de Frankenstein como um vilão, denominando-o sempre de "Monstro". Há uma constante troca entre o nome do criador (Frankenstein) e criatura, a quem não é dado um nome. Entretanto, se pensarmos na criatura como sendo um "filho" de Victor Frankenstein, podemos considerar a possibilidade de que a rejeitada cria de Victor receba, ao menos, seu sobrenome.

Outra diferença com o livro, é a fala da criatura. No filme ela é muda e apenas emite grunhidos, enquanto no livro ela aprende a ler e falar com livros clássicos tais como "O Paraíso Perdido" de Milton. Na continuação cinematográfica de 1935, Bride of Frankenstein, a criatura aprende algumas palavras mas é muito limitada em seus diálogos, preferindo se comunicar com grunhidos e expressar suas emoções com gestos, principalmente estendendo as mãos em busca de ajuda ou conforto. Mas no terceiro filme da série, Son of Frankenstein, a criatura volta a se mostrar completamente muda.

Na obra de Mary Shelley, o comportamento selvagem da criatura se deve a constatação de sua aparência inumana, enquanto no filme a causa é o cérebro defeituoso que o assistente Fritz (que não existe no livro) trouxe. No livro o Dr. Frankenstein trabalha sozinho, não existe a figura de um assistente.

Na novela o nome do Dr. Frankenstein é Victor e não Henry como se diz no filme (Henry é o melhor amigo de Victor) e ele não é um doutor, mas um aluno da faculdade. Elizabeth é assassinada pela criatura na noite do casamento dela com Victor. A criatura também mata Henry e o irmão mais novo de Victor, William. O pai de Victor morre do coração após o assassinato de Elizabeth e Victor começa sua perseguição à criatura, enfrentando-o num barco que vai rumo ao Polo Norte. O monstro acaba por encontrar Victor morto. Nada disso consta no filme, a criança morta por Frankenstein no filme não tem relação com a família do Dr.

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.