Frenagem regenerativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Frenagem Regenerativa ou Frenagem Recuperativa (português brasileiro) ou Travagem Regenerativa ou Travagem Recuperativa (português europeu) ) é um dispositivo mecânico que transforma a energia cinética liberada durante a freagem/travagem em energia elétrica, sendo usada em vários veículos elétricos, desde carros a lambretas. A energia elétrica gerada durante a frenagem é armazenada nas baterias dos híbridos plug-in e veículos elétricos estes elétricos possuindo freios tradicionais para possibilitar uma frenagem rápida e abrupta, também contribui para a redução do consumo de combustível, no caso dos automóveis híbridos, além disso proporciona redução do desgaste das lonas ou discos de freios, por freiar o veículo via campo eletromagnético (sem atrito), resultando em maior durabilidade para essas partes do sistema de freios.[1]

Freios/travões elétricos[editar | editar código-fonte]

Freios regenerativos são mais habitualmente vistos em veículos elétricos ou híbridos. Freios regenerativos elétricos derivam dos freios dinâmicos, também chamado de freios reostáticos, que eram utilizados em locomotivas e bondes diesel-elétricos desde meados do século XX. Em ambos sistemas, os freios eram acoplados por motores chaveados para atuar como gerador que convertiam o movimento em eletricidade ao invés de transformar eletricidade em movimento. Os tradicionais freios baseados em fricção deveriam também ser providos, de forma a serem usados quando uma freagem rápida e abrupta fosse requerida.

Sistema de Recuperação de Energia Cinética[editar | editar código-fonte]

Sistema de regeneração de energia de um carro de Fórmula 1.

O Sistema de Recuperação de Energia Cinética chamado de KERS (do inglês Kinetic Energy Recovery System) é o termo genérico dado aos dispositivos que *recolhem a energia cinética gerada na desaceleração do carro que seria desperdiçada e, em seguida, a reutiliza. Ao serem acionados os freios a energia do torque resultante normalmente desperdiçada é transformada em eletricidade e levada a um capacitador, o qual alimenta o sistema propriamente dito, o qual, ligado ao eixo de propulsão do motor, faz com que ganhe potência.[2]

Há também o Flybrid que está em desenvolvimento, para ser usado na Formula 1 que trará benefícios aos carros. O Flybrid é um volante de inércia acoplado a uma transmissão, que armazena a energia liberada durante a frenagem do carro pela sua própria rotação. Esta energia que foi guardada no momento da frenagem do veículo é reutilizada quando o piloto acionar um botão. O resultado é um aumento de potência de 81,6 CV e aumento no tempo de 6,67s e está cogitada a sua utilização já na temporada 2009 de Fórmula 1. Sem grande acolhida por todas as equipes, precisa cuidar de pontos chave como a segurança dos pilotos e da equipe, visto que, mesmo sendo um processo relativamente simples, requer um delicado conjunto de peças que trabalham em altíssima velocidade (64500 rpm no sistema).

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Tecnologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.