Fundação Osório

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Fundação Osório localiza-se no bairro do Rio Comprido, cidade e estado do Rio de Janeiro, no Brasil.

É uma instituição federal de ensino, vinculada ao Ministério da Defesa, que oferece vagas nos Ensinos Fundamental e Médio.

Inicialmente criada para atender exclusivamente as filhas órfãs de militares, evoluiu, tendo passado a atender filhas de militares e, posteriormente, meninas da comunidade. A partir de 1993, atende a meninas e meninos, filhos de militares e civis em geral.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ao final da Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), diversos chefes militares demonstraram a sua preocupação com a educação dos filhos e filhas de seus comandados, falecidos naquele conflito em defesa da Pátria.

Em 1889, graças ao empenho do conselheiro Tomás Coelho, era criado o Imperial Colégio Militar, destinado a acolher os meninos órfãos de militares.

A idéia de se estabelecer um educandário destinado a atender às órfãs de militares tomou forma em 1907, quando três professores militares, os tenentes-coronéis Jônatas de Melo Barreto e Antônio José Dias de Oliveira, e o capitão José Feliciano Lobo Viana, visitaram o Marechal José Nepomuceno de Medeiros Mallet, propondo-lhe a constituição de uma comissão que organizasse as comemorações do Centenário do Nascimento do Marechal Osório, a ocorrerem no ano seguinte. Uma das metas dessa comissão seria a criação de um orfanato destinado às órfãs de militares do Exército e da Armada.

O marechal Medeiros Mallet, quando ministro da Guerra no governo do Presidente Campos Sales (1898-1902), arcava, às próprias expensas, com a educação de algumas órfãs de militares, com a quantia de dez contos de réis.

Após esse encontro, os quatro militares procuraram o então ministro da Guerra, marechal Hermes Rodrigues da Fonseca, que manifestou apoio e ajuda para criação da comissão e do orfanato.

Mesmo diante do falecimento do marechal Medeiros Mallet, em dezembro de 1907, formou-se a Comissão Promotora do Centenário do General Osório, composta por oficiais do Exército e da Marinha, civis e representantes da imprensa. As comemorações tiveram imponência, conforme registrado pelos periódicos à época.

O Orfanato Osório[editar | editar código-fonte]

Ao final das festividades, em 18 de junho de 1908, a Comissão se transformou na Associação Mantenedora do Orphanato Osorio, cuja presidência ficou a cargo do General Luiz Mendes de Morais.

O orfanato seria instalado no Palácio do Duque de Saxe, cedido pelo Governo Federal à Associação. Por motivos financeiros, entretanto, a associação encerrou as suas atividades em 1911.

Em 1921, graças aos esforços do desembargador Pedro de Alcântara Nabuco de Abreu e do Dr. João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, era expedido o Decreto n° 14.856, de 1 de junho de 1921, que criava o Orphanato Osorio.

A Fundação Osório[editar | editar código-fonte]

Após diversas dificuldades, causadas entre outros fatores pelo fato de que o Orfanato havia sido subordinado ao Patronato de Menores, entidade de assistência e previdência privada, pelo Decreto de 27 de fevereiro de 1924, a instituição alcançou autonomia, com o nome de Fundação Osório. A sua Diretoria tomou posse a 8 de março do mesmo ano, com a presidência a cargo do Desembargador Nabuco de Abreu.

Com a receita oriunda da venda do Palácio Duque de Saxe, a diretoria da Fundação adquiriu os terrenos localizados na rua Paula Ramos, então bairro de Santa Alexandrina, para a instalação do educandário. As obras nesses terrenos iniciaram-se em 1925, com projeto do Engenheiro Armando de Oliveira.

A 24 de maio de 1926, era solenemente instalada a Fundação, sendo inaugurado o edifício do Liceu, destinado a salas de aula e à administração do educandário, e a Vila Epitácio Pessoa, destinada a dormitório para as órfãs.

A Fundação foi inicialmente administrada por freiras da Congregação de Nossa Senhora da Misericórdia, que se desligaram no ano de 1928, por incompatibilidade de idéias.

A partir de 1977, a instituição passou a oferecer cursos profissionalizantes, disponibilizando atualmente o Curso Técnico de Administração de Empresas. Mais tarde, em 1993, passou a admitir em seu quadro discente meninas e meninos, filhos de militares e civis em geral. No ano seguinte, por intermédio do então Ministro do Exército, General Zenildo Gonzaga Zoroastro, foi expedida a Medida Provisória n° 556, de 25 de julho, que vinculava a Fundação Osório ao Ministério do Exército.

Ao longo de sua história, a fundação atendeu a mais de vinte mil alunos.

Instalações[editar | editar código-fonte]

A instituição dispõe de amplas salas de aula, laboratório de ciências físicas e biológicas, laboratório de informática, sala de artes, sala de música, biblioteca com acervo de aproximadamente doze mil livros, praça de esportes com ginásio e quadra externa, para a prática de diferentes modalidades, departamento médico com gabinetes médicos e odontológico e sala de repouso, cozinha, refeitório para quatrocentas pessoas, cantina, capela, auditórios e pavilhão para as atividades administrativas e técnico-pedagógicas.

Em 2008 foi inaugurado o "Edifício Coronel Fontes", em homenagem ao falecido presidente da instituição, abrigando as Divisões Administrativa e de Auditoria. Construído em três pavimentos, com recursos próprios, localiza-se no terreno fronteiro ao nr. 52, onde existiam três antigas casas de funcionários em risco de desabamento[1] .

Atividades complementares[editar | editar código-fonte]

Complementam as atividades pedagógicas, a participação anual na Feira de Ciências do Instituto Militar de Engenharia, nas Olimpíadas de Matemática e de Astronomia, os Concursos Literários, as apresentações internas e externas do Coral, da Mini-Orquestra, as participações em competições exportivas e em diversas solenidades cívicas.

Nas instalações da Fundação funcionam ainda um Distrito Bandeirante, a Associação de Pais e Alunos (APAFO) e a Associação de Ex-Alunos (AEXAFO).

Comunicação social[editar | editar código-fonte]

O órgão de comunicação social da Fundação é a tradicional revista O Legendário.

Lema[editar | editar código-fonte]

O lema da Fundação é: Donare ad Docendum

Lista de presidentes[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Inauguração do novo Edifício. in: Boletim Informativo da Fundação Osório. Rio de Janeiro, Ano IX, Nr. 24, Out. 2008. p. 1.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fundação Osório

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.